O dono do morro da babilonia 24

sprite

54

Mariana narrando

Encaro o teste na minha mão e começo a chorar, Como eu iria ficar com alguém que nem ele? Como eu iria ter um filho dele?

Ele iria me matar assim que soubesse, eu teria que ir embora o quanto antes desse lugar. Começo arrumar algumas roupas dentro de uma mochila. Eu poderia ir ficar na casa da minha tia durante alguns dias, até eu ver oque iria fazer da minha vida.

- Tá indo para a onde? - Rafael pergunta e eu levo um susto. - Tá devendo Mariana.

- Estou indo levar algumas coisas que tinha da minha mãe aqui para a casa da minha tia - Eu falo para ele

- Essas horas? - Ele pergunta - História estranha essa aí em.

- Não é não - Eu falo - É que - As lágrimas começam a descer, toda vez que eu ia mentir eu ficava nervosa.

- Tá mentindo - A voz dele soa atrás de mim - Quando ela começa a chorar é porque ela tá mentindo.

- Cala boca JN - Eu falo para ele

- Tá me mandando calar boca? Você tá louca? - Ele fala me fuzilando

- Para você e tudo fácil não é mesmo? - Ele me encara - Eu só não quero ficar com as coisas da minha mãe na mesma casa, Você acha que foi fácil perder a minha mãe?

- Como se ela um dia se importou com você - Ele fala

- Mas ela era minha mãe - Eu falo para ele.

A tristeza com o medo acabou se misturando e eu comecei a chorar sem parar e até soluçar, seus olhos ficaram paralisados em mim, eu não sabia oque passava na sua cabeça.

- Eu levo para casa da sua tia - RF fala

- Eu quero levar - Eu falo - Eu levo amanhã de manhã.

Entro de volta para dentro de casa sem menos olhar para trás ou trancar a porta , assim que entro no quarto e jogo a mochila no guarda-roupa, sinto a porta da sala ser aberta e logo ele para na porta do quarto e fica me observando.

- Você e tão linda - Ele fala baixo e eu o encaro - Não quero ver você chorando.

- Agora você tá se importando com as minhas lágrimas? - Eu pergunto para ele

- Eu me importo contigo - Ele fala

- Eu percebo o quanto - Eu retruco para ele

Os seus olhos param encima da comoda enquanto ele andava em minha direção, ele paralisa com seu corpo, e eu olho apavorada para cima da comoda.

Merda. O teste está ali encima!

Ele anda em direção à cômoda e pega o teste na mão, Eu fico branca, pálida, rosa, sem cor,olhando para eles, seus olhos encarava o teste na minha frente.

- Quando você descobriu isso? - Ele fala me encarando - Você não ia levar roupas para a sua mãe não é mesmo? Você ia embora - Ele larga o teste encima da cômoda e me encara com um olhar de raiva.

---

55

Jn narrando

Ela me encarava e mechia os lábios mas não saia som.

- TE FIZ UMA PERGUNTA MARIANA - Eu falo dando um soco na cômoda - Quando você descobriu a merda dessa gravidez?

- Eu estava me sentindo mal à semana toda, enjoo, tontura - Ela fala soluçando - Só que eu achei que era por causa de tudo que aconteceu,da morte da minha mãe - As lágrimas já desciam do seu rosto,como sempre Mariana já tava chorando - Eu fiquei tonta ontem na rua E aí desconfiei.

Agora ela nao me contar que caiu nos braços de um merdinha ela não conta.

- Quanto tempo? - Eu pergunto

- Eu não sei - Ela fala - Eu preciso ir no medico para saber.

- Você achou que ia embora para onde? - Eu pergunto

- Eu não ia embora - Ela fala - Eu ia até a casa da minha tia apenas.

- Então abre a porra da mochila e deixo eu ver oque tem dentro - Eu falo a encarando e a mesma engole seco. - Anda Mariana pega a mochila e abre ela que eu quero ver.

- JN - Ela fala - Eu fiquei com medo apenas.

-Medo do que? - Eu pergunto indo em direção à ela que se encolhe na cama.

-De você me machucar quando descobrisse - Ela fala me encarando com um olhar de medo e eu paraliso.

Não estava entendendo o porque as suas palavras mecheu comigo.

- Não vou te machucar - Eu falo à encarando e a mesma me encara sem entender nada - Tu quer ter essa criança? - Ela nao fala - Já vou deixar claro que eu dou tudo que essa criança precisar,mas eu quero distância dela.

- Você não vai assumir? - Ela pergunta

- Já disse que dou tudo que ele precisar porra - Eu falo - Só não queira que eu pague com papel de pai porque isso não vai rolar .

- Você é horrível - Ela fala chorando

- Você me acha horrível? - Eu falo para ela que assente - Eu vou te deixar em paz e você nunca mais vai ter que conviver com uma pessoa horrível que nem eu. - Ela me olhava chorando - E Eu nunca mais vou encostar o dedo em você isso é uma promessa.

- Você - Eu a interrompe

- Você quer ter essa criança beleza é uma escolha tua - Eu falo - Mas não me cobre meu papel depois.

Eu saio do quarto dela e desço para fora da casa, subo encima da minha moto e vou até o topo do morro.

Eu não saberia ser pai dessa criança jamais e isso não iria dar certo, Mariana era esperta, era uma menina legal, Se preocupava com todo mundo Ela iria conseguir criar essa

- Oque tá pegando aí? - RF pergunta me encarando

- Nada não - Eu falo entrando na boca.

56

Mariana narrando

A promessa do JN em me deixar em paz durou alguns minutos apenas, acho que não deu tempo nem dele chegar até a casa dele que era algumas ruas à cima da minha para ele mandar mensagem dizendo que eu era dele e de mais ninguém.

Ele era louco.

- Oi Dona Lucia - Eu falo chegando perto

- Oi Mariana - Ela fala sorrindo - Como está o bebê? RF falou que você está grávida e tinha uma consulta hoje?

O morro inteiro já deveria saber.

- Sim - Eu falo - O bebê tá bem, estou de quase três meses.

- Parabéns - Ela fala me

- Se não fosse o pai da criança estaria tudo melhor - Eu falo para ela que me encara.

- Tenha fé minha filha que vai dar tudo certo - Ela fala - Ele gosta de você e ele vai se render à isso.

- Eu só quero paz dona Lucia - Eu falo - Eu só queria ir para bem longe com

- Você tá se escutando Mariana? - Ela fala - Você sabe que você não

Antes de eu responder dona Lucia entra clientes no bar e ela vai atender, eu fico sentada ali vendo o movimento e tomando um suco.

- Mariana? - Olho para o lado vendo que era Tales - Nossa procurei você pelo morro

Merda.

- Oi - Eu falo já olhando para os lados vendo se tinha algum vapor por aí, Mas sempre tinha - É Tales né? Tudo bem?

- Sim e com você? Você está melhor? - Ele pergunta

- É estou - Eu falo - Eu estou grávida - Ele me encara e abre um pequeno sorriso.

- Parabéns - Ele fala sorrindo - Você e casada? - Nego - Você sabe quem é

É claro que eu sei - Eu

- Ele diz - Eu não quis

- Tudo bem - Eu falo

Amigo seu? - A voz do JN soa atrás de mim. - Tales né? Sobrinho da Valdirene e do

Boa tarde - Tales fala para ele - Você é

Marido da loirinha - Encaro JN já prevendo a

Mas você disse que não era casada - Tales fala

Você disse isso? - JN fala me encarando puxando a camisa para cima É most4ando a

Vamos embora JN - Eu falo para o mesmo que

Sem confusão no meu bar - Lucia

Só que o seu bar está no meu morro - JN

que é o merda do dono da aqui?- Tales fala para ele e JN fuzila ele e tira a arma da cintura e aponta

Encaro tales e depois encaro JN.

Aí meu Deus - Eu falo colocando a mão na barriga - Tá doendo muito - JN me

Oque aconteceu querida? -

Acho que eu estou muito nervosa - Eu falo me

- JN guarda a arma na cintura e me pega no colo me levando morro à

Respiro aliviada.

57

JN NARRANDO

O médico examinava a Mariana eu já mando ordens para os meus homens darem aquela surra no Tales só não mando matar ele por causa dos tios dele, Que são pessoas honestas e que no final eu cresci perto deles por causa dos meus

ela tá? - Eu

tá bem e o bebê também - O médico fala olhando para a Mariana mas ele não me olhava nos olhos - Só repouso e os dois vão ficar bem.

Já estou liberada? - Mariana