O Amor Dominador do Meu CEO Capítulo 36 Reunião com Natália

sprite

Lorena não sabia se devia rir ou chorar.

Vera colocou suas mãos ao redor do peito.

- Bernardo, desde que você se tornou o chefe, você fala muito bem como um burocrata. Isso me dá arrepios.

Bernardo sorriu como um vilão amigável. Ele disse:

- Vai ser hora do almoço. Por que você não fica no meu escritório e eu gostaria de convidá-lo para almoçar?

Lorena disse:

- Então eu não tenho que começar a trabalhar hoje?

- Você é um recém-chegado. Não quero que você trabalhe com pressa. É sábado amanhã e você pode começar na próxima segunda-feira.

- Isso é bom.

Disse Vera: - Já que você não precisa trabalhar, por que não sai comigo agora?

Lorena franziu o sobrolho e disse: - O que lhe deu hoje?

Vera rolou seus olhos para Bernardo e disse, ofendida:

- Eu não gosto daquele homem nesta sala. Ele poluiu o ar.

Lorena deu-lhe uma olhada e disse:

- Você é um adulto, não seja tão infantil.

Vera respirou fundo e encolheu os ombros:

- Bem, é minha culpa. Estou sendo insensato. Vou ficar quieto.

Lorena estava indefesa.

Bernardo sorriu e disse:

- Vera, eu sou responsável pelo que aconteceu na época, sinto muito. Por favor, me dê a oportunidade de convidá-lo para almoçar e expressar minhas desculpas.

Com o olhar de alerta implícito de Lorena, Vera relutantemente acenou com a

Restaurante Garvan.

Bernardo entrou, seguido por Lorena e Vera. Uma jovem e bela garçonete se aproximou e disse:

- Sr. Bernardo, o quarto que você reservou está pronto, por favor, siga-me.

Todos os três estavam prestes a subir com a garçonete. Entretanto, no caminho, eles encontraram Eduardo que deveria estar em uma viagem de negócios. Ele estava acompanhado por uma mulher deslumbrantemente bela, porém, o que mais chocou Lorena não foi sua beleza, mas o quanto essa mulher se parecia com ela! Para ser honesto, seus temperamentos eram muito diferentes: um parecia tão puro quanto uma lótus branca, enquanto o outro era tão bonito e flertante quanto uma papoula venenosa.

Lorena ficou totalmente chocada. Suas mãos e pés congelaram. Vera a apoiou e disse a Eduardo num tom zombeteiro:

- Sr. Eduardo! Que surpresa! Você não deveria estar em uma viagem de negócios. Por que você está aqui com essa beleza então? Ah, eu sei... você mentiu. Você está aqui para a reunião com seu amante, não está? Você é um homem de sucesso e é compreensível que você tenha uma ou duas amantes. Você não precisa realmente mentir, na verdade.

Lorena olhou para Eduardo com sentimentos mistos, depois um sorriso decente apareceu na esquina de sua boca. Ela permaneceu calma e perguntou:

- Sr. Eduardo, você já voltou de sua viagem? Como devo então me dirigir a esta jovem senhora?

lábios de Eduardo estavam com bolsa e seus olhos estavam fixados em

mulher ao seu

Estes são seus amigos, Eduardo? Você vai me apresentar a

e olhou para a mulher ao seu lado com olhos suaves. Quando ele abriu a boca, seu tom parecia feroz e frio

Não é necessário. Eles são apenas amigos

A mulher ao seu lado repetiu:

Vi a semelhança entre mim e aquela senhora. Eduardo, você

Só um pouco, mas ela não é tão bonita quanto você -

Eduardo, seu ingrato bastardo! Lorena é sua esposa! Desde quando ela se tornou sua

com raiva para Eduardo, ela apontou para a mulher e