O comprador A decisão

sprite

— O que há de errado meu coração, você está com medo?

Sua voz fez meu sangue gelar novamente.

Seu cabelo estava despenteado sobre seu rosto duro e cruel. E aqueles olhos azuis intensos auguravam mais mal do que bem.

Podia ser bonito, mas era assustador. Sua aparência sinistra foi mascarada por sua beleza.

Seus olhos azuis neste momento, eles chamaram minha atenção novamente e eles estavam gelados. Ele tinha uma personalidade tão fria quanto um iceberg e isso fez meu cabelo ficar em pé só de vê-lo cruzar as pernas com elegância estudada.

Absolutamente consciente do efeito satânico que poderia ter.

"Você planejou tudo isso?... Você preparou uma armadilha para mim?" Minha voz queria tremer quase tanto quanto minhas mãos, mas não deixei. Esses tipos de fraquezas não poderiam ser expostos agora.

Ele mostrou os dentes tão brancos que seu brilho poderia ser confundido com punhais de prata que poderiam matar com um golpe certeiro.

Aquele homem era tão bonito quanto mortal... Um demônio angelical.

"Você não poderia adivinhar meus planos em um milhão de anos", ele confessou com absoluta certeza e deixou a bolsa com a arma do crime sobre a mesa. Com o dedo indicador ele bateu na madeira, iniciando uma trilha sonora aterrorizante – embora haja certa semelhança nelas.

Sua resposta me assustou tanto que eu andei para trás e me apoiei contra a parede. Foi aí que vieram minhas forças mal disfarçadas.

- Você está planejando me matar? Eu perguntei com pouca energia.

"Eu nunca vou responder isso," ele sentenciou com crueldade em seu tom.

Sem uma resposta negativa para uma pergunta tão grosseira. Uma tentativa de um sorriso bizarro enfeitou sua boca, escondido atrás de seu verdadeiro propósito.

Um telefone tocou e eu nem percebi que era meu, quando vi que ele estava com ele na minha frente, fui pegá-lo e sua mão parou a minha, conectando nossos olhares ao toque de nossos dedos.

Apesar da situação tempestuosa, eu me sentia queimar com seu toque, ele projetava tanto frio quanto calor, parecia um demônio que poderia levar você do gelo ao fogo no mesmo gesto.

Ele ficou tão alto na minha frente que eu tive que olhar para cima para encontrar seus olhos. Nossas mãos ainda no mesmo lugar. Nossos olhos completamente reunidos na mesma conexão visual e nossas respirações em condições desiguais... O vigia noturno e eu estamos inquietos.

— Diga a quem for, que você vai sair da cidade por alguns dias, que um parente vai te emprestar o dinheiro para suas dívidas e você virá quando tiver — ele viu a dúvida no meu rosto e continuou — se você fizer o em frente você vai para a cadeia esta noite, por muito mais do que assassinato.

Naquele momento, eu senti que estava preso dentro de uma teia, que eu nem via, mas podia sentir que ela estava se espalhando cada vez mais, enredando todos os meus membros nela.

Esse homem, tão sexy quanto demoníaco, havia me marcado para um fim tão macabro, que não consegui escapar dele, mesmo sem conhecer as regras do seu jogo.

— Patri — tentei soar o mais calmo possível quando peguei o aparelho dela e cumprimentei minha amiga — ia ligar para você agora mesmo — nem a deixei falar antes de recitar tudo aquele homem estranho que tinha invadido minha vida exigia de mim com grandes intenções de ficar até que eu estivesse completamente esgotado ... quem sabe o quê - estarei fora da cidade por alguns dias, pude entrar em contato com um parente distante que me dará o dinheiro para cobrir tudo e eu devo ir encontrá-lo. Assim que eu voltar te ligo.

Enquanto eu falava ele olhava para mim, bem na minha frente, ele não me tocava, mas eu o sentia inspecionar todo o meu corpo e acenando com a cabeça a cada palavra que ele dizia, obedecendo ao seu comando.

Quem você pensa que é para sair e salvar seu emprego? — Quando ouvi sua voz exigente, soube que Roman, meu chefe, tinha usado o celular de sua esposa para me ligar.

homem à minha frente endureceu o maxilar quadrado, adornado por uma barba sensual e assim me deu a certeza de que eu estava ouvindo o que ele dizia.

Suspirei e antes de responder vi, quando o Sr. McGregor estendeu a mão pedindo meu celular.

Eu não tive escolha a não ser dar a ele e levar o aparelho ao ouvido dele, enquanto olhava para os meus olhos verdes e eu para os azuis dele, ele disse com força...

nunca mais vai trabalhar para você. Não disque este número novamente - aquela voz estava fria de novo e desta vez também ameaçadora -

E ele desligou assim que disse essa palavra.

para meus lábios por mais tempo do que eu gostaria, e concluiu...

- De agora em diante você me pertence. Cada passo que você dá Cada palavra que você diz. Cada gesto que você faz é meu.” Ele passou um dedo lentamente pela minha bochecha e eu me afastei. Ele fez também antes de cuspir um "nós vamos embora" acenou para eu andar e eu me virei para ir e obedecer. Suspirei e parei.

Minha natureza me impedia de fazer o que era exigido de mim.

com meu caráter indomável não obedeceu tão facilmente e eu não gosto de receber ordens, principalmente se não sei para que

repente e ele esbarrou nas minhas costas, colocou as mãos nos meus quadris e eu quase pulei com a sensação, mas não

podia deixar que um homem que estava fazendo comigo o que estava fazendo provocasse sentimentos em mim, além do ódio e

Que você quer de mim? - me virei antes de continuar e ele manteve a distância a zero - não vou com alguém que não sei quem sabe onde e quem sabe

olhou com superioridade novamente. Sabendo que ele sabia coisas que eu nunca saberia e que ele

não está em condições de exigir nada

sabia meu nome. Ele sabia tanto sobre mim que isso me deixou

minha vida eu o tinha visto e agora, do nada, ele parecia estar na

não sei onde estou, Sr. McGregor," fiz uma pausa, inspecionando sua expressão cansada. Incomodou-o que eu o repreendesse — mas tenho uma personalidade que não conjuga muito bem o verbo obedecer, principalmente se não sei a que se devem as

para mim, avaliando sua expressão entre admiração e raiva. Parecia anos de distância, que ele não gostava de ser desobedecido. Ele não contava que eu o desafiasse e isso me fez dar um tapinha nas costas, mentalmente e internamente, é