PRESA COM O TRAFICANTE (MORRO) Episódio 43

sprite

FLORÊNCIA NARRANDO

Então assim que ele chegou em frente da casa dele, eu olhei para a frente da casa, e meu Deus, eu acabei me recordando de tudo de bom que eu já vivi aqui nessa casa, então assim que o Rick estacionou, ele desceu com a Carla e as meninas, ele me puxou para o seu colo, e eu me sentei em cima dele, ele beijou meus lábios e eu retribui o beijo, eu estava com tanta saudades dele, que eu não sei o que poderia pensar além disso, eu sentir um desejo por ele, mas eu não queria me entrar a ele, eu estava suja, e eu não sei o que ele estaria pensando de mim nesse momento, então quando ele falou que é louco por mim, eu falei que estava com vergonha, e que precisava de um banho, afinal eu não posso ficar com ele assim, ele pode pensar coisas de mim, e então ele falou que não se importa que eu esteja assim, o que importa é que estou com ele. Então eu sentir um negócio dentro de mim revirando, e rapidamente eu abrir a porta do carro, eu estava tava com um embrulho e ao abrir a porta eu acabei vomitando tudo que tinha dentro de mim, eu apenas ouvir quando a Carla falou e eu lembrei do que comi, e então foi quando me veio na mente o quão aquilo me deixou mal, eu respirei fundo, quando aquela vontade passou, então eu acabei descendo do carro com o Alemão, assim que descemos, ele tocou o meu rosto, e seguimos para dentro da casa, e assim que a gente entrou, todos veio na minha direção e me abraçaram, e eu abracei, o choro veio de uma maneira que eu não sabia explicar, eu chorei muito, afinal de contas a minha vida estava tão complicada, mais eu sei que Deus tem um propósito e eu vou passar por tudo, então quando eu me tranquilizei mais um pouco, eu falei que iria tomar um banho, e que voltaria. O Alemão falou que voltaríamos para explicar tudo que estava acontecendo, então subimos para o andar de cima, e ele me levou para o quarto que eu dormia com ele, a gente foi para o banheiro, e ao chegar lá ele me ajudou a tirar a roupa em silêncio, e entramos no banho, ele ligou o chuveiro e ficamos ali tomando banho, ele me ajudava a tomar banho e passava a mão sobre meu rosto.

Alemão: És tão linda. - ele diz olhando nos meus olhos, e toca nos meus cabelos, eu fico olhando em seus olhos por um tempinho, até que vamos acabando o nosso banho, ele me ajuda a sair dali e vamos para fora do banheiro, ele me ajuda a me enxugar, vamos até o closet, ele pega uma camisa dele preta, parece um vestido.

Florência: Meu vestido novo. - digo esboçando um leve sorriso.

Alemão: Minhas camisas ficam melhor em você, minha gostosa. - diz beijando meus lábios, ele me da uma cueca box dele, e eu visto.

Florência: Eu estou tão cansada. - digo e ele envolve nossos corpos em um abraço.

Alemão: Vamos descansar, eu tô a dias sem dormir. - ele diz e veste uma cueca box branca, onde dá pra ver perfeitamente bem desenhando o amiguinho dele, o que me faz sentir algo dentro de mim fervendo, então ele pega uma bermuda preta, e veste, assim que se vestiu, saímos do closet, e fomos andando até a porta do quarto, eu fui descendo junto com ele, e assim que chegamos, caminhamos até o sofá, onde estavam todos sentados.

Luísa: Oh minha amiga. - ela fala com lágrimas nos olhos, minha mãe se levanta e senta ao meu lado, ela me abraça e o Alemão se senta no braço do sofá.

Mãe: Minha menina, eu estou arrasada com tudo isso que tá acontecendo, foram duas semanas de tanta angustia, de tanta tristeza, orações a Deus por tudo. - ela fala me apertando em seu abraço.

Florência: Oh minha mãe, eu fiquei tão perdida nessas ruas, eu só sobrevivi a tudo, graças a Carla. - digo e minha mãe olha para ela com um sorriso enorme.

Graziela: O que vocês queriam nós comunicar, sem contar que precisamos procurar especialistas para cuidamos de você minha Florzinha. - ela fala com os olhos cheios de lágrimas.

Alemão: Mãe, amanhã terá morte nessa favela, eu vou queimar pessoas vivas, mas no momento eu quero fazer um comunicado para vocês, junto com a Florência. - diz segurando minha mão.

Thalita: Você vai matar quem prima? - ela pergunta olha pra gente.

Alemão: Depois vocês vão saber, mais o que tenho a comunicar é algo importante. - diz sorrindo. - Então, quando eu encontrei a Florência, ela estava em um abrigo de pessoas sem tento, e lá havia um homem no qual queria violar ela, que inclusive ele está no morro, mandei trazer ele, então ela estava tão fraca e ainda está, mas os remédio que temos que dar a ela, é para ajudar ela a fica bem, tanto ela quantos os meus filhos. - digo e nesse momento todos abrem a boca em forma de surpresa.

Todas: Grávida? - elas falam choque.

Florência: Sim, eu tenho bebês dentro de mim, eu só não sei se são gêmeos ou se são mais que dois. - digo tocando minha barriga.

Graziela: Meu filho, você acertou em cheio. - ela diz se levantando tão feliz, e vem na minha direção, eu me levanto e ela me abraça com firmeza. - Parabéns minha nora, sempre serei eternamente grata, por você ter entrado na vida do meu filho. - ela diz beijando

Luísa: Ah, meu Deus, que notícia maravilhosa. - ela fala sorrindo.

Mãe: Mas filha, e a doença terminal? - ela pergunta me abraçando.

Alemão: Então amanhã eu farei churrasco da médica que deu esse resultado, pois a minha mulher está bem, só está anêmica, e precisa de vitaminas e melhorar da anemia, para poder ficar boa logo. - ele fala e vem me

Luísa: Estou tão feliz com isso, é maravilhoso tudo isso que tá acontecendo com vocês. - ela diz chorando. - Tô chorando de felicidade. - ela fala e toco seu rosto.

Florência: Precisamos chorar de alegria. - digo sorrindo.

Então fiquei mais um tempinho ali com todos, depois eu pedi licença, afinal eu preciso de descanso, eu estava cansada, e as vezes eu não conseguia dormir bem, mas cá estou, acredito que agora eu vá conseguir, então eu subi para o quarto e o Alemão veio comigo, o mesmo me abraçou e foi me levando para o quarto, ele beijou o meu pescoço, e sorrir.

Alemão: Você tá cansada demais? - ele pergunta beijando meu pescoço, e vamos entrando no quarto.

sei, talvez. - digo sorrindo e sinto a barba dele roça no meu pescoço, e acabo me arrepiando toda, ele entra comigo no quarto e tranca a porta, ele me carrega até a cama e assim que me coloca ali, ele puxa a cueca que eu estava vestida, e abre minhas

Estava louco de saudades de sentir o seu gostinho. - diz sorrindo, e leva sua boca na minha intimidade, o mesmo coloca toda a sua boca, e isso me faz revirar os olhos, eu me contorço na

que isso. - digo mordendo meus lábios, eu me contorço na cama, enquanto ele trabalha com sua boca bem gostoso na minha intimidade, ele me chupa com tanta vontade, que eu não consigo ficar calada, eu gemo ao sentir sua boca quente na minha

Que gosto delicioso sua safada. - ele fala e da uma mordida no lábio, e eu me arrepio inteira, eu acabo revirando os olhos e ele com a mão coloca dois dedos dentro de mim. - Aaah! Como está quente, pronta pra mim. - ele diz mordendo seus lábios, e se levanta, ele tira a bermuda junto com a cueca e sorrir, ele vem por cima de mim, e se encaixa no meio do meu corpo, então coloco a mão no seu peito o parando, e me levanto, eu tiro a sua camisa, e faço ele virar e se deitar na cama, eu subo em cima dele, e ele coloca seu membro dentro de mim, o que me faz inclinar a cabeça para trás, reviro

que delicia. - digo gemendo e ele coloca suas mãos nos meus seios e ele aperta, então eu vou rebolando a minha bunda por cima dele, e ele geme, ele bate com força na

que pariu, onde você aprendeu isso? - ele diz enquanto eu continuo apertando ele com força, eu vou rebolando em cima dele e ele me bate novamente. - Você tá muito safada. - diz e vou subindo e descendo, eu vou apertando ele enquanto eu subo

Eu iria tentar isso com você, mas eu não tiver a chance... aaaah! Sua prima me ensinou. - digo enquanto continuo fazendo com calma e ele fica louco, ele me segura firme e me vira rapidamente na cama, me colocando de

safadeza. - ele diz mordendo meu ombro e levanta uma perna minha e começa a fazer movimentos rápido. - Goza no meu pau safada. - ele diz enquanto vai mais rápido eu já estava chegando no meu limite, até que não resistir e acabei me derramando no pau