Ceo Vadia nas alturas Capítulo 37

sprite

A conversa seguiu, mas não prestei muita atenção. Saber que Matthew não gosta de crianças mexeu comigo, eu não deveria me importar com isso. Até porque ele não é nem maluco de fazer o que fez hoje com meu filho. Quando terminei meu jantar eu fui para o quarto, tomei um banho e acabei demorando um pouco. Ouço batidas na porta.

– Posso entrar?

Era o Matthew.

– Já estou saindo.

Terminei meu banho e me enxuguei. Suspirei lembrando que deixei minhas roupas em cima da cama, me enrolei na toalha e saí do quarto. Matthew está de frente para a janela e com os braços cruzados. Hoje ele vestia uma camisa de manga longa, folgada no corpo. Peguei minha roupa e comecei a vestir ali mesmo. Não vou ficar fugindo dele e também não tocarei no assunto, eu estou aqui por causa de um contrato e tenho que cumprir o contrato.

– Por que sempre que estamos bem acontece alguma coisa acabando com toda paz?

Continuei colocando minha roupa. Estou de costas para ele. Terminei de colocar minha camisola e penteei meu cabelo com os dedos.

– Porque você nunca deixa as coisas claras. – Suspirei e subi na cama, evitando olhar para ele. – Ou você ainda não percebeu que eu sempre tenho que ficar sabendo por outra pessoa?

Primeiro o casamento, Ivy me ligando. Segundo sua doença, o Dr. Cole contou tudo. Terceiro, ele não gosta de crianças, Ian contou. Nunca é o Matthew chegando para conversar. Quando deixo meus sentimentos por ele falar mais alto, eu me ferro. Preciso parar de ser burra e torcer para que o contrato acabe logo. Não ouvir mais o coração a partir de hoje. Essa é a parte difícil. Olhei para ele, esperando uma resposta.

– Se não estou acostumado a aceitar ajuda, você acha que estarei confortável para falar sobre mim? – Matthew não alterou sua voz. Ele me olhou como se quisesse encontrar respostas para suas perguntas silenciosas.

– Acho que preciso da sua ajuda… – Engoli em seco. – Para lembrar todos os dias que isso não passa de um contrato, Matthew.

Se Matthew ficou surpreso com minhas palavras, ele soube disfarçar. Matthew soltou os braços ao lado do corpo e mexeu a cabeça de um lado para o outro, ele olhou para além da janela. Queria falar alguma coisa e essa é a hora dele se abrir ou tentar pelo menos.

Acabei de confessar que estou gostando dele e Matthew entendeu isso. Vou encarar seu silêncio como uma resposta que nunca passará de um contrato. Eu ainda estou tendo esperança? Senti vontade de gritar comigo mesma. Apertei a coberta com força e Matthew percebe isso.

– Nunca me imaginei sendo pai. Sim, quero um filho só para fins lucrativos para minha empresa. – Ele confessou. – Mas… – Matthew passou a língua preguiçosamente pelos lábios querendo ganhar tempo. – Não gosto quando brigamos e se eu soubesse que… – Ele fez uma leve massagem na testa. – Me apegaria a você não teria colocado um filho no contrato.

– Convivemos dia e noite juntos é meio óbvio…

Não para mim. – Ele deu um sorriso debochado e andou pelo quarto. – Não é a primeira vez que passo um tempo com a mesma mulher.

Aquilo me incomodou e muito.

– Eu não me apego fácil, Aria. – Ele continuou a dizer. – Até Martin ficou surpreso quando eu defendi você. Eu defendi uma mulher que não é minha mãe. – Matthew passou a mão pelo cabelo. É como se ele não acreditasse no que aconteceu.

não sei se ficou bem ou mal com isso. É tão surreal assim ele gostar de alguém? Porque ele meio que gosta de mim, não é? Agora estou mais confusa do que antes. Matthew é confuso demais e seus sentimentos o deixam mais confuso ainda. O Matthew pronto para fazer uma negociação não tem nenhuma enrolação, ele sabe o que fazer e o que falar. Ele focou tanto no trabalho que agora não está sabendo lidar com sua vida pessoal.

Mas o que eu estava esperando? Casar com um homem rico, ter filhos e ser uma família feliz? Revirei os olhos com esse meu pensamento. Matthew me olhou esperando uma resposta. Ele tinha continuado a falar, mas não prestei atenção.

eu estou falando com você. – Matthew colocou as mãos na cintura. – Por que não responde? Depois reclama que eu não converso com você.

Balancei um pouco a cabeça. Voltei a olhar para Matthew mordendo o canto da boca. Ele confuso está me deixando confusa, “Me apegaria a você” não era bem algo que eu queria ouvir. Mesmo que tenha sido muito vindo do Matthew. Mas ele já falou que sou dele. O que ele quer realmente dizer com isso?

Nova York. – Respirei fundo, mas não desviei o olhar. – Enquanto a gente… – Eu não conseguir terminar de

entendeu o que queria dizer. Ele também não desviou o olhar, seja o que for que decidimos aqui hoje ele não vai fugir. Talvez Matthew quisesse descobrir o que está sentindo e acabar com essa confusão. Eu queria estar mais confiante e com menos

Eu senti, Aria. – Soltei o ar pela boca. – Você não imagina o alívio que eu senti com aquela conexão. – Matthew sorriu. – Conexão. Acredito que essa seja a melhor palavra para definir. Pelo menos foi o que minha psicóloga

Ela… Hum, você estava conversando sobre mim com

conversa com a psicóloga ele está estranho. Eu queria muito saber sobre o que eles conversaram para deixar Matthew tão pensativo, mas saber que ele fala sobre mim foi uma surpresa. Acreditava que eles conversavam sobre o assunto de trabalho e como resolver essa sua

nós. – Matthew morde o canto da boca e desvia o olhar. – Ela quis saber o que você representa para

O que eu represento para ele?