Erro que Inicia romance Capítulo 349

Grace sentiu seu coração derreter naquele momento.

Ela olhou para a criança à sua frente e sentiu pena dele.

No segundo seguinte, Grace segurou a criança nos braços. Naquele momento, ela sentiu que todas as células de seu corpo pareciam estar fervendo.

O impacto dessa criança sobre ela definitivamente não era normal.

Olhando para Ernest, seu coração começou a esquentar. A inexplicável sensação de familiaridade a emocionou.

Ele a fazia se sentir da mesma forma que o pequeno Gary.

Naquele momento, Grace lembrou o que Marry havia dito sobre seu filho morto.

Ele havia sido levado por Marry antes mesmo que ela pudesse dar uma olhada nele.

Grace fechou os olhos e abraçou Ernest. Naquele momento, talvez fosse porque ela estava muito emocionada, ela sentiu como se estivesse segurando seu outro filho.

"Ernest," a voz de Grace estava um pouco rouca. "Gosto muito de você. Se eu for me casar com seu pai, você com certeza vai morar conosco. Não vou deixar você morar sozinha com suas criadas e mordomo. É que não tenho muita confiança em seu pai. Não sei se vai dar certo entre nós.

Ernesto ficou atordoado. Surpresa brilhou em seus olhos, mas logo foi substituída por preocupação.

Ele disse: "Tia Grace, por que você acha que não vai dar certo?" Ernest levantou seu rosto adorável e perguntou a Grace: "Você não pode ser confiante? Deixe-me dar um pouco de confiança, ok?"

"É porque minha mãe não é alguém que pode ser satirizada e intimidada", a voz de uma criança veio de repente por trás.

Grace estava agachada no chão com Ernest em seus braços, e eles viraram suas cabeças juntos para a voz.

O pequeno Gary estava parado não muito longe com as mãos nos bolsos da calça. Ele olhou para eles com seu olhar penetrante e maduro.

"Você está falando sobre o meu pai?" Ernest perguntou enquanto olhava para o pequeno Gary.

"De quem mais eu estaria falando?" O pequeno Gary ergueu as sobrancelhas e disse: "Quem mais você acha que é tão rude?"

"Acho que não existe outra pessoa", respondeu Ernest. "É só que você parece conhecer papai melhor do que eu."

"Isso é porque ele criou você como um canário. Ele não passa tempo com você todos os dias. Quando ele pensa em você, ele vem vê-lo. Se ele não pensa em você, ele o negligencia. Portanto, Claro, você não o conhece bem", Little Gary expressou sua análise eloquentemente.

Grace se levantou com a mão de Ernest na dela e o conduziu até o filho.

O pequeno Gary olhou para eles e continuou: "Mamãe, vou trazer Ernest para o meu quarto. Afinal, ele sabe que você não tem problemas com ele. Ele ficará aliviado."

Grace sorriu, agitou suas cabeças e disse: "Ok, vá brincar."

"Mamãe, veja, se você ficar com Heinz, você terá outro filho de graça. Ernest também é uma criança sensata, por que você não considera isso?" Gary disse.

"Filho." Grace olhou para ele e disse: "Você não deveria chamá-lo de Heinz. Entendo que você não queira chamá-lo de pai porque não está acostumado, mas não quero que você seja rude."

O pequeno Gary ficou surpreso com as palavras de sua mãe e sentiu-se um pouco envergonhado. Ele disse depois de uma pausa: "Bem, tudo bem, eu entendo. Não vou mais chamá-lo assim."

"Ernest, vá com o pequeno Gary", disse Grace.

"Mamãe, ele concordou em deixar Ernest ficar aqui comigo hoje", disse Gary.

"Ok," Grace não fez nenhuma objeção.

Ernest olhou para Little Gary com um pouco de surpresa e perguntou: "Você quer dizer papai?"

"Claro", disse Gary.

"É incrível", Ernest olhou para eles surpreso. "Eu não posso acreditar que papai quer que eu more lá fora."

"Não é lá fora, mas minha casa. Naturalmente, se seu pai e minha mãe ficarem juntos, esta também será sua casa!" O pequeno Gary estendeu a mão e colocou o braço em volta do pescoço de Ernest, dizendo: "Vamos brincar no meu quarto."

Ernesto assentiu.

Com isso, os dois pequeninos entraram na sala.

Grace abriu a mala dada por Lester e procurou as roupas de Heinz. Havia um conjunto completo de roupas na mala e até meias.

Ela os tirou, fechou a bagagem e olhou para o relógio. Dez minutos se passaram e ela esperou mais dois minutos antes de bater na porta do quarto.

Uma voz baixa veio de dentro, "Entre."

Grace abriu a porta e a colocou lá dentro para olhar. Não havia ninguém no quarto.

A porta do banheiro estava aberta, mas ela não conseguia ver Heinz em lugar nenhum.

O banheiro era separado em uma seção molhada e uma seca.

Ela se aproximou, colocou o casaco dele na cama e levou a cueca e a calça limpas até a porta do banheiro. Sem erguer os olhos, ela disse: "Heinz, vou entregar as roupas para você agora. Você pode pegá-las e vesti-las".

"Traga-o para mim", disse ele.

Graça estava atordoada.

Ela inconscientemente ergueu os olhos e olhou para dentro pela fresta da porta.

Uma figura alta e esguia se refletia na parede de vidro molhado. Claro, ele não estava vestindo nenhuma roupa.

A água ainda estava fluindo.

Grace deu um passo para dentro e disse em voz alta: "Então, vou colocá-los no cabide do lado de fora. Você pode sair e pegar depois do banho."

Ele não respondeu como se não a tivesse ouvido.

Ele não disse uma única palavra.

Grace teve que repetir novamente: "Heinz, você me ouviu? Vou colocar as roupas lá fora no cabide."

Assim que ela disse isso, a porta de vidro se abriu.

Heinz apareceu na frente dela. Seu peito forte e músculos firmes completavam seu charme masculino.

Seu cabelo estava molhado e um pouco bagunçado. A maneira como a água escorria de seu cabelo bagunçado era sexy e selvagem.

Suas pernas foram construídas e seus ombros eram largos. A visão dele era de tirar o fôlego.

Grace não conseguiu falar por um momento. Ela olhou para o homem à sua frente, cujo corpo parecia uma fera.

Mesmo que eles tivessem sido íntimos antes, era a primeira vez que ela olhava para ele dessa maneira.

Grace não pôde deixar de se sentir surpresa. Ela rapidamente abaixou a cabeça e se recusou a olhar para ele. Seu rosto já estava vermelho flamejante.

"Vou deixar suas roupas aqui," ela disse rapidamente e se virou para sair.

Em um piscar de olhos, ela sentiu apenas uma brisa fresca antes de um longo braço fechar rapidamente a porta do banheiro, impedindo-a de sair.

Grace congelou ao observar Heinz circulá-la, bloqueando seu caminho.

Ela abaixou a cabeça, olhou para cima rapidamente e seu rosto corou ainda mais. Ela olhou em seus olhos e se virou apressadamente. Ela só podia olhar para o queixo dele enquanto dizia: "V-você deveria se vestir depois de tomar banho."

"Ainda não terminei", disse ele.

"E-então por que você saiu?" Olhando para ele neste estado, ela corou incontrolavelmente e gaguejou enquanto falava.

"Minhas costas estão coçando. Por favor, coce para mim e depois esfregue minhas costas para mim", disse ele.

Graça estava atordoada. "O-o que você disse?"

"Só estou pedindo um favor. Por que seu rosto está tão vermelho?" A voz de Heinz também estava muito rouca.

As orelhas de Grace estavam quentes. Quando ela pensou no incidente passado, seu coração não pôde deixar de tremer.

Ele estava fazendo isso de propósito.

"Tenho um pauzinho para arranhar em casa. Vou buscar e você mesmo pode coçar", ela recusou, recusando-se a esfregar as costas dele.

"Ajude-me," Heinz insistiu enquanto segurava a mão dela teimosamente e impedia Grace de sair.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: Erro que Inicia