Erro que Inicia romance Capítulo 359

Jensen olhou para ela com os olhos cheios de arrependimento e dor.

"Eu não vou te machucar de novo", ele prometeu.

Se Alice tivesse prestado atenção às suas palavras, ela teria perguntado o que ele quis dizer quando disse 'de novo'.

Porém, naquele momento, ela ficou profundamente comovida e não entendeu claramente o significado de suas palavras.

Seus olhos pareciam estar encobertos. Ela olhou para ele e disse com a voz trêmula: "Você é uma boa pessoa, Jensen."

Sua frequência cardíaca caiu quando ela o chamou de 'boa pessoa'.

Ele era realmente uma boa pessoa?

Ele era a pessoa que a tinha machucado.

Ele era um policial, então ele entendeu completamente a extensão de sua ação.

Além desse incidente, ele nunca havia feito nada que fosse contra sua consciência. Essa foi a única coisa que ele lamentou em toda a sua vida.

Quando Alice disse essas palavras para ele, ele se sentiu extremamente culpado e teve medo de olhar nos olhos dela.

Além disso, ele se sentia extremamente dolorido e oprimido em seu coração.

"Eu não sou uma boa pessoa", disse Jensen com voz rouca.

"Não." Alice balançou a cabeça e disse: "você é uma boa pessoa."

Hoje em dia, os casais mal podiam esperar para dormir juntos depois de se conhecerem.

Como poderia Alice não saber sobre isso?

Jensen parecia ser um homem muito confiável.

Mas ela simplesmente não queria estar com um homem. Por um lado, sua experiência traumática pairava como uma sombra sobre seu coração. Por outro lado, ela se sentia inferior e não tinha confiança em si mesma.

No entanto, este homem estava disposto a aceitá-la.

Mesmo que seu coração fosse feito de pedra, ela ainda seria tocada por ele.

Névoa quente e úmida formou redemoinhos em seus olhos enquanto ela o encarava. Pela primeira vez, ela estava disposta a tentar por causa dessa boa pessoa. Seria ótimo se ela pudesse ajudá-lo a atingir seu objetivo. Para Alice, seus próprios desejos eram secundários neste momento.

Jensen também se emocionou com ela. Ele engasgou com as palavras ao dizer: "Alice, você é uma garota boba."

Porque ela confiava facilmente nos outros.

"Jensen, você é que é bobo," Alice parecia estar discutindo com ele e queria ter a palavra final. "Estou me jogando em você, mas você ainda está tentando me impedir. Você é o tolo."

Enquanto falava, ela abaixou a cabeça e apertou o pescoço dele. Sua respiração acelerou instantaneamente.

"Alice!" Jensen apertou os olhos e sibilou em voz baixa.

"Então, deixe-me fazer isso." Embora Alice estivesse muito hesitante, ela realmente queria ser corajosa pelo menos uma vez.

Ela reprimiu várias emoções em seu coração e deixou de lado o medo dos homens. Então, ela abaixou a cabeça e beijou os lábios de Jensen.

"Oh!" O corpo de Jensen enrijeceu e ele não pôde deixar de choramingar.

Alice ignorou a reação dele e continuou com o que estava fazendo.

Jensen ficou surpreso com seu toque suave.

Alice aproveitou sua intoxicação alcoólica para fazer o que quisesse. A mão dela deslizou para baixo de seu pescoço e começou a tocar o corpo de Jensen sem restrições.

"Alice!" Jensen exclamou novamente quando começou a perder o controle de si mesmo.

"Shh! Não fale," ela o silenciou enquanto levantava um pouco a cabeça. Então, ela baixou a cabeça novamente sem sequer olhar para Jensen.

Suas respirações quentes se entrelaçaram, e Jensen se sentiu tão excitado que estava pronto para se libertar a qualquer momento.

Como ele poderia suportar tal provocação? Todo o seu corpo estava extremamente rígido agora.

De todo o coração, Alice realmente acreditava que ele era uma boa pessoa, então ela não queria machucá-lo.

Alice também queria se salvar.

Ela sentiu que tinha que ser corajosa e dar o passo final. Se ela pudesse fazer isso, ela seria capaz de salvar sua alma que estava sofrendo por tantos anos.

Ela se sentiu muito desconfortável.

Os impulsos em seu coração a faziam se sentir assim.

Mas quando ela pensou no incidente daquele ano e na dor que havia sofrido, o medo começou a se espalhar por todo o seu corpo. Ela estava apavorada.

Seu corpo imediatamente encolheu.

Ela balançou a cabeça e tentou não pensar nisso. Uma vez que ela pudesse parar de pensar nisso, ela seria capaz de esquecê-lo.

Alice tentou ao máximo ser corajosa e se convenceu a não ter medo. Ela estendeu a mão para remover as roupas de Jensen.

No entanto, inadvertidamente, a mão dela roçou a calça dele.

"Alice!" Jensen se assustou e segurou a mão de Alice rapidamente. Ele disse com voz rouca: "Por favor, espere um momento."

"Eu não quero esperar", ela disse enquanto balançava a cabeça.

"Seja bom!" A voz de Jensen era extremamente rouca e incoerente. Seu coração batia forte e fora de controle. Ele disse: "Levante-se, não fique no chão."

O chão estava frio, não deviam ficar no chão.

Mesmo que algo acontecesse entre eles, ele esperava dar a ela a melhor experiência, em vez de fazer a ação neste chão frio.

Alice estava ligeiramente atordoada. Quando ela olhou para suas veias azuis salientes, ela viu como ele estava ansioso e contido. Ela começou a entrar em pânico e desviou o olhar rapidamente.

Jensen virou-se e levantou-se. Então, ele pegou Alice e caminhou em direção ao quarto.

Logo, ele colocou Alice na cama. Jensen olhou para ela com olhos profundos, cheios de saudade, pena e emoções extremamente complicadas.

"Alice." quando Jensen a viu corar, ficou preocupado e perguntou: "Tem certeza?"

Alice pensou por um momento. Então, ela balançou a cabeça e respondeu: "Tenho certeza."

Ela teve que tentar.

"Ok," Jensen concordou e abaixou a cabeça novamente. Quando ele se abaixou, as mãos de Alice engancharam em seu pescoço.

Ela tentou o seu melhor para ser ousada.

Jensen abaixou a cabeça e a beijou. Então, ele quis ir mais longe. Esse foi o momento crítico.

A mente de Alice estava cheia de imagens do que havia acontecido naquele dia.

A situação era semelhante. Aquele homem a pegou em seu aperto implacável; ela não teve chance de resistir.

Ela entrou em pânico de repente.

Ela imediatamente perdeu o fôlego e seu corpo começou a tremer também. O medo tomou conta de seu coração.

Seus olhos se desviaram e ela gritou com medo em voz baixa: "Não! Não!"

Jensen ficou alarmado e parou para olhar para Alice. O suor de sua testa escorria, uma gota de cada vez, no rosto de Alice.

Alice se encolheu de medo e lutou enquanto choramingava: "Não, eu não quero fazer isso."

Ela balançou a cabeça e parecia chorar silenciosamente, como se estivesse em um desespero sem fim.

Seu rosto e corpo suavam profusamente. Logo, o suor encharcou suas roupas.

Jensen notou que seu rosto estava pálido e seu sangue parecia parar de fluir.

Houve uma mudança.

Essa era uma reação natural quando alguém se deparava com um medo extremo.

Ele rapidamente se levantou e vestiu a camisa. Então, ele envolveu Alice em uma colcha e a abraçou. Ele sussurrou em seu ouvido: "Alice, está tudo bem. Ninguém pode mais te machucar. Não tenha medo. Boa menina, está tudo bem. Tudo vai ficar bem."

No entanto, Alice ainda balançou a cabeça. Seu rosto pálido começou a suar frio.

Ela continuou a balançar a cabeça enquanto sua voz engasgava com os soluços: "Receio, não, eu realmente não quero fazer isso. Por favor, deixe-me ir!"

O coração de Jensen parecia estar dominado por algo e ele não conseguia respirar.

Era como se ele estivesse preso em uma grande rede. Ele não conseguia respirar; a sensação era torturante e desconfortável.

"É isso que Alice quis dizer quando falou que não conseguiria?" Jensen pensou.

Ao pensar em sua experiência traumática, seu corpo tremia incontrolavelmente e ela não permitia que os homens se aproximassem dela.

Este foi seu trauma emocional. Este era o espinho em seu coração.

Ela queria superá-lo, mas não podia fazê-lo naquele momento crucial.

Jensen a abraçou com a colcha enrolada em volta dela e a tranquilizou suavemente: "Seja uma boa menina. Não tenha medo. Ninguém vai te machucar. Estou aqui para protegê-la. Não tenha medo, Alice."

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: Erro que Inicia