Erro que Inicia romance Capítulo 400

Grace esperou na entrada do jardim de infância.

Depois de pegar o pequeno Gary, eles se despedem de Butler Holland e Ernest.

"Ernest, vamos jantar juntos amanhã à noite. Vou levar o pequeno Gary comigo hoje. Você vai jantar com seu pai, ok?"

Havia uma pitada de desagrado nos olhos grandes de Ernest, mas a criança era muito sensata. Independentemente do que sentia, ele nunca havia demonstrado emoções que constrangessem os adultos.

O pequenino acenou com a cabeça e respondeu obedientemente: "Tudo bem, tia Smith. Amanhã! Você deve cumprir sua promessa!"

Grace sentiu uma pontada no coração.

Ela deu um passo à frente e deu um abraço em Ernest. "Ernest, prometo a você que jantaremos juntos amanhã."

"Posso ir na sua casa amanhã?"

"Claro", ela o assegurou.

"Tudo bem", disse Ernest com um sorriso no rosto. "Então eu vou agora. Adeus, tia Smith. Adeus, Gary!"

"Adeus!" O pequeno Gary respondeu.

Grace segurou a mão do pequeno Gary e eles voltaram juntos.

Gary perguntou surpreso a Grace: "Mamãe, por que você quer que eu volte? Você tem algo a me dizer?"

"Eu só quero estar com você hoje. Só você e eu," Grace disse suavemente.

O pequeno Gary apertou ainda mais a mão de Grace. "Mamãe, o que há de errado com você? Aconteceu alguma coisa?"

"Nada", disse Grace. "Vamos comprar alguns mantimentos. Vou cozinhar seus pratos favoritos."

"Tudo bem!"

Eles foram ao supermercado e compraram alguns mantimentos necessários. Então, eles seguiram para casa.

Subindo as escadas e chegando à porta, viram que Simão os esperava.

Graça foi pega de surpresa. Ela franziu a testa e se perguntou por que ele estava lá.

O pequeno Gary também ficou surpreso ao vê-lo. "Mamãe, não me diga que esta é a surpresa que você vai me dar."

"Você entra primeiro." Grace pegou as chaves, abriu a porta e deixou o pequeno Gary entrar.

Simon ficou de lado e fixou os olhos em Grace. No entanto, ele não pronunciou uma palavra.

O pequeno Gary entrou em casa e olhou preocupado para Grace.

Grace balançou a cabeça para ele e o confortou, "Lave as mãos e troque de roupa primeiro, ok? Eu irei imediatamente."

"Ok," disse o Pequeno Gary antes de dar uma olhada em Simon novamente. Então, ele entrou na casa.

Grace olhou para Simon e perguntou: "O que você está fazendo aqui?"

“Grace,” Simon começou. "Estou aqui para me desculpar com você."

"Por favor, saia agora", disse Grace friamente. "Você não é bem-vindo aqui."

"Graça." Simon franziu os lábios e sorriu amargamente. Ele proferiu: "Eu sei que você acha que sou irritante e está desapontado comigo."

Grace revirou os olhos e deixou escapar: "Você não vale o meu tempo."

Ela abriu a porta e estava prestes a entrar na casa.

Simon estendeu a mão para bloquear o caminho dela.

Franzindo a testa, Grace disse: "Saia do meu caminho."

"Grace, deixe-me apenas dizer algumas palavras." Ele começou: "Sinto-me tão envergonhado de vir vê-lo. Sei que estava errado. Fui incriminado por Marry..."

"Simon, todo mundo pode fazer suas próprias escolhas," Grace o cortou. "O passado está no passado. Não importa o que você escolha, espero que seu julgamento não seja distorcido. O mais importante é que você tenha certeza do que quer."

Simon deixou escapar: "Eu só quero você."

Grace franziu a testa e endireitou as costas. Ela ficou enojada com as palavras de Simon.

Ele deu um sorriso autodepreciativo e disse: "Eu sei, não sou digno".

"Por favor, não diga essas palavras irrelevantes de novo", disse Grace friamente.

Simon sorriu amargamente e falou: "Estou me divorciando de Marry. Ela pode descarregar sua raiva em você. Tenha cuidado, Grace."

Graça ficou surpresa. Ela não esperava que ele dissesse isso.

Olhando para ele, ela franziu a testa e perguntou: "Você já se decidiu?"

“Sim,” Simon assentiu. "Eu não posso mais viver com ela. Eu costumava sentir pena dela, mas agora eu a desprezo."

Grace não pôde deixar de suspirar.

Antes disso, ela não odiava Simon tanto quanto o odiava naquele momento. Ela nem queria vê-lo.

Era difícil julgar a mente de uma pessoa.

Grace abriu a porta e disse com indiferença: "Simon, não importa qual seja o resultado de sua escolha, é a sua vida. Desejo-lhe felicidades."

Com isso, ela entrou em casa e fechou a porta.

Simon ficou paralisado no lugar.

Ele olhou para a porta fechada com um brilho de arrependimento e frustração em seus olhos.

No final, ele só pôde sair com o coração pesado e emoções complicadas.

Quando Grace entrou em casa, ela notou que o pequeno Gary ainda não havia trocado de roupa. Ele olhou para ela e, em seguida, cutucou a porta.

"Mamãe, ele se foi?" ele perguntou.

"Eu não sei," Grace balançou a cabeça. "Por favor, vá se trocar. Vou começar a cozinhar depois de me trocar também."

"Tiazinha não vai voltar?" perguntou o pequeno Gary.

"Ela tem estado ocupada recentemente."

"Ela está namorando o Tio Charm?"

"Sim."

"Eles estão se aproximando agora?" O pequeno Gary perguntou, sempre o intrometido.

"Provavelmente", respondeu Grace.

"Eu ouvi o que o tio Simon disse. Ele vai se divorciar da tia Marry?"

Assustada, Grace balançou a cabeça e disse: "Não sei. É problema deles".

"Mas ele parece ter sentimentos por você." O pequeno Gary disse com raiva: "Agora mesmo, ele até disse que queria você! Hmph, por que ele não se olha no espelho?"

Grace ficou perplexa com o nível de compreensão de seu filho.

"Ele não é tão bonito quanto Heinz, e não tão capaz quanto Heinz. Além disso, ele não teve um filho com você. Como ele ousa tentar persegui-la!"

"Gary!" Grace disse com firmeza: "Pare de dizer isso!"

"Mamãe, você ainda sente algo pelo tio Simon?"

"Desde quando eu tenho sentimentos por ele?" Grace respondeu e caminhou para seu quarto.

O pequeno Gary a seguiu. "Então, você gosta de Heinz?"

Grace olhou para ele e disse: "Pequeno Gary, não se meta nos meus assuntos, ok?"

"Mamãe, por que você me convidou para jantar com você? O que você quer me dizer?"

"Quero dizer a você para respeitar seu pai", disse Grace. "Ele é um bom homem que valoriza amigos e família. Você deveria chamá-lo de pai, não de Heinz. Isso fará as pessoas pensarem que você não tem boas maneiras."

Gary estava atordoado, sua expressão cheia de suspeita. "Bem, eu posso chamá-lo de pai. Mas mamãe, é tão estranho que de repente você tenha tanto respeito por ele. O que aconteceu?"

"Gary Smith," Grace chamou seu nome em um tom sério.

O pequeno Gary imediatamente se endireitou. Ele tinha um olhar culpado e obediente ao mesmo tempo. "Mamãe, eu deveria chamá-lo de pai de bom grado, em vez de ser forçado a isso. Estou certo?"

"Você não está disposto a chamá-lo de pai?" Isso deu a Grace uma dor de cabeça.

"Não é o momento certo. Não posso fazer isso."

Grace suspirou. Ela sabia que o pequeno Gary era muito obstinado e parecia que ela não poderia forçá-lo.

"Pequeno Gary, eu só quero que você saiba que seu pai gosta muito de você. Ele ficaria muito feliz em ouvir você chamá-lo de pai."

"Mamãe, acho que se você o chamasse de marido, ele ficaria ainda mais feliz, não é?" O pequeno Gary fez beicinho e disse: "Se você não acredita em mim, vá em frente e chame-o de marido. Posso garantir que ele sorriria de alegria!"

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: Erro que Inicia