Eu, Você + Os Bebês. Um pedido.

sprite

Amamentada e dormindo,  Alyssa deixou a pequena em seu berço, recolheu o seio e abotoou a blusa.

Aproximou-se do CEO escorado no batente da porta do quarto e pegou em seu pulso o assustando com o repentino toque.

— Não pense demais, pedi este bracelete as meninas, disseram quê é bem efetivo. Então peço que não tire até o fim do dia, está bem?

— Para quê? — O homem olhou o bracelete aceso, cheio de informações.

— Seu estado não é para se deixar de lado. Com este bracelete posso medir seus batimentos e sua pressão — Respondeu a secretária.

— Não preciso, estou bem. — Disse ele enquanto arrancava o objeto.

— Não, não está. — Alyssa o interrompeu. — Ficará com ele até o fim do dia, ou direi ao médico para interná-lo.

— Está passando dos limites.

— Tenho o apoio de sua irmã.

— Não a coloque nisto.

— Ela não me colocou, eu estou de acordo com isso. — A irmã cruzou a conversa se colocando ao lado de Alyssa.

— Alguma objeção? — Elas disseram juntas.

Sem opção, Christopher teria de tomar cuidado ou acabaria tomando soro.  

[...]

O dia não terminou na casa do CEO, pelo contrário, o trabalho foi exatamente como ambos imaginaram. Cansativo e exaustivo, mas conseguiram colocar tudo quê requeria urgência em ordem.

Por volta das vinte e uma, o trabalho em fim se finalizava. Todos os relatórios e contratos importantes estavam assinados, e Alyssa lembrou-se de que devia devolver o bracelete as meninas do departamento abaixo.

— Senhor! — Ela bateu a porta antes de entrar.

Lembrando do ocorrido, estava receosa em abrir a porta sem uma resposta direta do CEO.

— Senhor! Estou entrando! — Avisou.

Entrou por fim, o encontrando adormecido sobre algumas pastas de projetos que trabalhavam.

Ele estava mesmo cansado. — Disse em tom diminuto.

Retirou o bracelete do pulso do maior com todo o cuidado para não acorda-lo. E mesmo assim o despertou, vendo seus olhos voltarem a se fechar devagar.

Alyssa, cuide da Charlie... — Resmungou vagarosamente.

Alyssa sorriu, era a primeira vez quê o via tranquilo e bem. Mas se perguntou, a quê devia o tal pedido.

[...]

Três dias depois.

Internado no hospital central, apesar de todos os cuidados, Christopher não melhorava e segundo os médicos, o desgaste do trabalho e as preocupações com a filha o drenaram drasticamente.

O pedido do CEO em fim fez sentido a Alyssa, quem cuidava da pequena Charlotte como se fosse sua.

Os médicos diziam que ele ficaria bem, mas Alyssa ainda estava apreensiva como se a família Hemsworth se tornasse uma extensão da sua.

Não se importava de estar dias e noites o acompanhando-o no hospital, no entanto a mentira quê Louise teve de contar aos médicos, acabava por deixá-la sem graça.

Sra. Hemsworth, seu marido acordou. — O doutor

feliz em receber a notícia, mas se enrubescendo pelo título

de cumplicidade, Alyssa e Louise estavam juntas, mas a secretária achava as mentiras da irmã do CEO um

Só estou terminando de trocar as crianças. — Respondeu abotoando os macacões de Charlie

do CEO era cumprido e durante o quase coma de Christopher, Alyssa amamentou e esteve presente para Charlotte a todo momento, assim como

últimos dias, seguia com os bebês diariamente visitando o hospital e cuidando da recuperação do

o filho e Charlotte nos braços, seguindo de imediato o doutor até o quarto do

Alyssa? — A voz esganiçada do CEO

fale, descanse. — Ela se aproximou olhando o monitor. — Ele está melhor doutor?

sim, mais alguns dias de repouso e com certeza poderá voltar às