Gêmeos Presidenciais romance Capítulo 7

Bianca saiu.

Luke de repente largou a planta que estava segurando. Ele se levantou e saiu de sua estação de trabalho, caminhando em direção ao armário de vinhos. Lá, ele pegou um copo e encheu metade com vinho, esvaziando tudo com uma carranca.

Essa maldita luxúria!

Já era bem tarde quando Bianca deixou a empresa, mas felizmente havia um último metrô para levá-la para casa.

Assim que chegou em casa, a primeira coisa que fez foi responder às mensagens de Jean.

Depois disso, ela pegou sua bagagem e começou a organizar as coisas que precisava para sua viagem de amanhã.

Nesse momento, o telefone dela tocou.

O identificador de chamadas dizia que era Jean.

“Você ainda não está dormindo? Eu pensei que tinha dito para você descansar ao invés de me ligar,” Bianca disse preocupada quando ela atendeu.

“Ainda não terminei o trabalho, então trouxe as coisas de volta para o quarto do hotel para continuar as horas extras.” Jean continuou, perguntando a ela: “Eu vi sua mensagem mais cedo. Por que você está indo viajar também? Com quem você vai?”

“Eu realmente não sei com quem ainda. Vou ter que esperar até amanhã de manhã para descobrir”, respondeu Bianca.

“Se houver homens indo com você, lembre-se de ficar longe deles,” Jean a lembrou. “Afinal, acabamos de começar a trabalhar, então você ainda não os conhece bem o suficiente.”

"Tudo bem, eu entendi", disse Bianca. Imediatamente depois disso, ela de repente ouviu um som de martelada do outro lado. Parecia alguém batendo na porta.

Não, em vez de bater, parecia mais alguém tentando derrubar a porta!

"Qual é o problema?" Bianca perguntou nervosamente.

“N-Nada.” Jean estava gaguejando de repente, mas então ele disse rapidamente: “Falo com você mais tarde, ok? Vou verificar o que está acontecendo lá fora e depois informo a você.

Ele desligou antes que Bianca pudesse lhe dizer para ter cuidado lá fora.

Ela abaixou a cabeça para olhar sua bagagem e depois para o telefone que estava segurando, sua tela escurecendo depois que a chamada terminou. Bianca estava preocupada agora, preocupada que Jean também encontrasse problemas, com pessoas desconhecidas em lugares desconhecidos.

Nada aconteceu naquela noite.

No dia seguinte.

Bianca recebeu um telefonema de sua colega logo pela manhã.

Ela esperou por sua colega do lado de fora de seu apartamento, seu cansaço aparecendo em seu rosto. Ela ficou acordada até altas horas da noite anterior, esperando a ligação de Jean para garantir que estava tudo bem, mas ele nunca ligou.

Ela tentou ligar para ele, mas o telefone dele estava desligado.

Mais de dez minutos depois, um Bentley preto parou na frente dela. Um homem e uma mulher saíram dela.

Eles se apresentaram.

Os três entraram novamente no carro.

Levaram sete horas de carro para chegar à cidade para a qual foram designados. Como eles precisariam de um carro lá, os superiores providenciaram para um colega do sexo masculino dirigir um dos Bentleys da empresa até lá, por conveniência.

Bianca conversou com seus colegas ao longo do caminho. Eles se davam muito bem, rindo e brincando um com o outro.

Já era tarde quando chegaram à cidade.

Quando fizeram o check-in no hotel, sua colega Sue disse a Bianca: “Vamos para nossos quartos nos trocar, descansar um pouco. Entraremos em contato novamente quando for hora do jantar.”

“Claro,” Bianca disse com um aceno de cabeça.

Bianca trouxe sua bagagem de tamanho médio e entrou em seu quarto. Ela tomou um banho e vestiu a roupa de dormir antes de tirar as roupas que precisava para o trabalho, passando-as com cuidado.

Uma vez feito, ela pendurou as roupas com antecedência.

Tendo completado todos os seus preparativos, ela olhou para a hora. Já eram exatamente quatro horas.

Jean não tinha ligado para ela nem uma vez desde ontem à noite até agora. Ele nem sequer lhe enviou uma única mensagem.

Agora que finalmente tinha tempo, ela ligou para Jean.

Seu telefone estava finalmente ligado desta vez.

No entanto, o tom de discagem continuou por um tempo sem que ninguém atendesse.

Bianca estava ainda mais preocupada agora, então ligou para ele novamente. Desta vez, sua ligação foi totalmente rejeitada.

“Desculpe, estou ocupado agora e não posso atender. Ligarei para você quando estiver livre.” Logo, ela recebeu uma mensagem de Jean.

Bianca abaixou a cabeça e respondeu: “Ok, vou deixar você com seu trabalho”.

Parecia que ele estava seguro do seu lado, pelo menos. A pessoa batendo em sua porta ontem à noite pode ter sido um bêbado aleatório indo para o quarto de hotel errado na noite passada.

Depois que ela respondeu a sua mensagem, Bianca desligou o telefone, procurando outra coisa para fazer.

Assim que ela se virou, porém, seu telefone vibrou novamente.

Ela mal tinha se virado quando teve que voltar e verificar a mensagem em seu telefone.

Era uma mensagem, mas era uma bagunça completa. “Hahahaha você adivinhou malha de fibra eu comecei uma taxa de entrada iFeng…”

O remetente era Jean, que supostamente estava “ocupado” agora.

Bianca franziu a testa.

“?” Ela lhe enviou um ponto de interrogação.

Depois de mais de um minuto, Jean finalmente respondeu. “Eu estava desenhando algo e meu braço acidentalmente tocou a tela.” Foi por isso que ele a enviou essa seqüência de palavras estranhas.

Bianca não pensou muito nisso.

Alguém tocou a campainha do quarto dela.

"Quem é?" Bianca estava muito cautelosa, pois estava em um lugar desconhecido e uma cidade desconhecida.

A voz de um homem de meia-idade veio de fora. “Senhorita Rayne, sou Jason Doyle, assistente especial do Sr. Crawford. Temo que terei que pedir para abrir a porta

O assistente especial mais confiável de Luke Crawford, Jason Doyle, era bastante conhecido. Quase todos na empresa sabiam sobre ele, e isso incluía Bianca, uma novata.

Ela abriu a porta.

"Prazer em conhecê-la." Bianca mal o havia cumprimentado quando abaixou a cabeça e viu que havia duas crianças pequenas paradas na porta também.

Um era um menino e o outro uma menina, seus olhos brilhantes e seus dentes mais brilhantes. Pareciam duas bonecas perfeitas.

Jason Doyle estava de terno, a coluna reta como uma flecha. Exasperado, ele disse: “Esses dois são filhos do Sr. Crawford. O pai deles está ocupado com o trabalho e não pode cuidar deles, então…”

Bianca teve um mau pressentimento sobre isso.

Ela não era particularmente avessa a cuidar de crianças para os outros, mas parecia tão estranho para ela. Afinal, ela estava aqui para trabalhar, não para ser babá.

Outra razão importante pela qual ela realmente não queria cuidar das crianças era porque estava preocupada que ver os filhos de outra pessoa continuaria a lembrá-la da sua filha.

"Serei boazinha, eu prometo", a garotinha disse suavemente.

Ela levantou a cabeça para olhar para Bianca, piscando seus inocentes olhos negros.

“Grande Irmão...” A garotinha viu que seu irmão, o garotinho, não estava dizendo nada, então ela fez beicinho com raiva e puxou as roupas do irmão, tentando fazê-lo falar.

Bianca virou-se para olhar para o menino.

O irmão era um pouco mais alto que sua irmã, mas embora mantivesse uma expressão fria, ele claramente gostava de sua irmã. Foi por isso que ele levantou a cabeça e disse a Bianca, que estava do outro lado da porta: “Eu também serei um bom menino”.

Jason olhou para o relógio e disse: “Vou deixar as crianças com você, senhorita Rayne. Há outra coisa que tenho que fazer, então vou me despedir agora.

Bianca não teve chance de recusar.

Jason saiu rapidamente, e Bianca olhou para as duas crianças, dizendo: “Entrem, vocês dois”.

A irmã estendeu a mãozinha curta para pegar a do irmão, então eles entraram na sala juntos.

"Vocês querem beber algo?" Bianca não sabia lidar com crianças, principalmente crianças com um status tão especial.

“Eu quero leite,” a garota disse, sentando no sofá.

Bianca rapidamente pegou um pouco de leite. O leite no quarto do hotel era extremamente caro, o leite que ela comprava por menos de quatro reais chegava a custar quase trinta no hotel.

Bianca respirou fundo quando viu a etiqueta de preço, então ela abriu a caixa e encontrou dois copos, servindo um copo para cada uma das crianças.

O irmão o arrogante e de rosto frio não bebeu nada.

A irmãzinha sentou-se no sofá, balançando as pernas enquanto bebia metade do copo e depois terminando tudo, até lambendo os lábios para ter certeza de que ela comeu tudo…

Bianca sentou-se em uma cadeira sem jeito, olhando para os queridinhos na cadeira e tentando encontrar algo para conversar. “Vocês são gêmeos?”

"Claro", disse o irmão arrogante. Ele até revirou os olhos, seu olhar cheio de desprezo por Bianca.

'Idiota', ele parecia dizer, 'minha irmã e eu somos tão parecidos. Claro que somos gêmeos!'

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: Gêmeos Presidenciais