Meu Dono do morro Capítulo 77

sprite

Lara

Quando cheguei no baile o movimento estava a mil.

Ju brigava pelo celular com Henrique, perguntando onde ele estava e o coitado já havia respondido cinco vezes que já estava chegando.

Lara: Chegou. - informei ela. - Menina sem paciência.

Ju: Estou mal humorada, se aquilo que Yara falo for verdade, eu... - Matheus a interrompeu.

Mat: Não acredita Julia, ela quer caça confusão.

Lara: E ela vai encontrar. Ninguém sai por aí me chamando de idiota não.

Alex: Fica fora dessa Geovana, você está grávida.

Gio: Não estou falando nada. - deu de ombro.

Alex: Te conheço bem.

Ju: Onde você estava? - perguntou Henrique quando ele se aproximou e deu um selinho nela.

Henri: Na boca.

Mat: A gente vai ter que resolver uns assuntos. Vão subi ou ficar aqui?

Lara: Vamos ficar né? - as meninas concordaram.

Mat: Beleza. - me beijou. - Estou de olho. - piscou e subiu com o Alex o Henrique.

Gio: Nós três deveria ficar uns três dias em Angra.

Ju: Seria tudo pra mim. - pediu uma bebida para mim e pra ela pro Barman, enquanto Gio ficou na água.

Lara: Vamos combina tudo então. Preciso comprar um biquíni novos. - dei um gole na minha bebida.

Gio: Hoje depois que eu voltei da quadra com o Alex, aquela garota estava lá na rua olhando pra minha cara.

Ju: Qual garota?

Gio: A que bateu na minha porta esses dias, ex peguete do Alex, que estava batendo ponto no Brasil a fora. - dei risada da sua fala. - Alex falou que ela se chama Cláudia. - ela revirou os olhos.

Lara: Se aquele projeto de puta vim pra esse baile e começa com as gracinhas dela, hoje ela acha.

Ju: Aqui ela já está. - olhei na direção que ela apontou com o copo.

Gio: Com a Fabi e a Cláudia.

Lara: Se uniu com as coisas. E bom que resolvo tudo de uma vez. - Ju fez um toque comigo.

Ju: Isso aí cunhada.

As três piranhas desfilava pelo baile, segurando uma no braço da outra como se fosse grandes e velhas amigas.

Gio: Será que elas já se conhecia?

Ju: Não duvido. Estão aprontando alguma.

Mudei a postura quando vi ela indo em direção as escadas que dava acesso ao camarote.

Ju: As putas vai subi. - ela apertou o copo com as mãos. - Tenho paciência era essa porra não.

Caminhei até lá.

Ju: Onde você vai? - me virei para ela.

Lara: Resolve aquilo.

Fui até onde Yara estava com as outras conversando com o vapor pedindo para subi.

Lara: Elas não sobe. - falei atrás dela, alto o suficiente para o vapor escuta.

Yara: Como é?

Lara: Não enche. - nem olhei para ela. - Entendido né? - falei pro vapor.

Xxx: Sim patroa. - corrigiu sua postura e eu voltei para onde as meninas estavam.

Gio: Aí que poderosa, adoro. - falou retocando o batom.

Ju: Elas não desisti. - olhei e elas estava lá tentando passa e o vapor a empurrando.

Lara: Está é engraçado. - dei risada. - Humilhação total.

...

que você acha que está fazendo? - disse atrás de mim. - Eu entro e piso onde eu bem querer porra. - falou estressada.

Lara: Talvez nos seus bordéis, aqui não. Quer anda por aí de boa? Aprende primeira a respeita as pessoas e ser menos otária.

Tem medo? Da gente fazer assim. - estalou os dedos. - E rouba os namorados de vocês? No lugar de vocês eu também teria" - sorriu.

Lara: Te perde eles por quem? - a olhei de cima a baixo. - Vocês? Faça me rir.

Yara: Engraçadinha você.

Segue sua vida garota, vai arruma um solteiro, e claro, que te queira, se

Ju: Vai sabe, tem gosto pra tudo.

Yara: Seu namorado é um gato. - falou pra Ju. - Mas vou deixa ele para a Fabi, não quero arruma briga com minha futura cunhada.

Ju: Você é demente, puta merda.

Yara: Já você Geovana, sabe do seu destino né amiga? Depois dos filhos eles costuma larga a mulher feia e horrorosa em casa e encontra uma na rua que lhe satisfaz. - mexeu sua bebida com o dedo. - Alex nem esperou nasce, que infeliz você é. - olhei para Gio e seus olhos está cheio de lágrimas e eu não pensei duas vezes antes de aceitar um tapa na cara.

mexe com minha amiga. - fechei os punhos.

Yara: Sua vagabunda. - colocou a mão no rosto. E a puxei pelo braço para a saída mais perto que estávamos e a joguei no chão.

Não havia ninguém lá, apenas eu para acertar minhas contas com ela.

Você gosta de afronta os outros né? - fiquei encima dela e ela se debateu - Mexeu com a pessoa errada.

tenho medo de você. - arrancou meu rosto.

Lara: Deveria. - bati sua cabeça no chão. -  Eu falei pra me deixa em paz, segui seu caminho. - te dei mais um tapa. - Mas você mexeu comigo e com os meus. - lhe dei um murro que saiu sangue da sua boca. - Você achou que ficaria tudo bem, depois do que você fez mais cedo? - raspei seu rosto do chão e ela me deu um tapa. - Sua fraca do caralho.

Yara: Você vai paga, você não tem poder para fazer isso comigo. - cuspiu sangue e segurou no meu cabelo.

Lara: Como não? Sou mulher de traficante, acha que eu brinco de casinha aqui? Eu faço o que eu quiser com você. Isso. - dei de um tapa. - Isso também. - te dei outro. - Ah, sim também. - te dei um murro e puxei seu mega hair que saiu em minha mãos.

rosto estava cheio de hematomas e sangue.

solta. - se debateu. - Me solta.

Está pensando que vai sair viva otária?

O que? - arregalou os olhos. - Não, não, não por

repensa. - segurei em seus braços. - Você já fica aqui, ajoelha. - ela me olhou raivosa e obedeceu. - Vou chama a Geovana para você pedi suas sinceras desculpas.

Eu não... - a interrompi.

Lara: Como é?

Nada, não é nada. - fui até a porta da entrada onde estava todos.

Você é maluca. - deu risada com a mão na boca.

me olhou mas não disse nada.

Vem Gio. - a peguei pela mão e ela veio comigo. - Aqui está, peça desculpas eu vou ver o que faço com você.

peço e você me deixa ir.

Não sei, talvez. - olhei para minhas unhas. -

Geovana pelas palavras cruéis que eu falei para você.

que ela falou pra minha mulher? - me perguntou gritando e Yara se encolheu.

eu te falo. - olhei para ele. - E você medi o pé daqui caralho, e espero que você esteja avisada. - ela saiu sem olha pra

Isso foi demais. - dei risada e colocou a mão na barriga. Sorri por vê-la

isso no seu rosto? - perguntei a Ju que estava com um arranhão na bochecha.

piranha da Fabi. - passou as mãos nos cabelos arrepiados.

Ela deu uma surra na Fabi, foi louco.