Nosso Passado Capítulo Três - 3

sprite

Parte 3...

— E por acaso você conhece mais de uma? - ele mexeu a cabeça — Porque eu só conheço a que eu namorei e me abandonou.

Luiza ficou chocada com a revelação. Esse era um nome que ela tinha colocado no fundo da gaveta e que esperava nunca mais voltar a ouvir na vida.

— Não pode ser - ela cruzou os dedos das mãos apertando.

— Pode sim. Eu a vi... Falei com ela... E lhe dei um emprego.

— Você fez o que? - ela quase gritou.

Luiza sentiu uma pancada, como um fio de medo que o passado voltasse para assombrá-la agora e que fosse muito pior do que foi na época. Ela já tinha vivido tempo demais guardando o erro e a culpa de ter afastado o filho de Anelise.

Ela sabia que tinha forçado uma ideia na cabeça do filho e que isso iria afastá-lo de vez se chegasse a descobrir toda a verdade. Seria péssimo para ela.

Ele jamais aceitaria o que ela e a irmã haviam feito. Elas guardavam o segredo a todo custo, como se fosse um pecado inconfessável. Só que Anelise era o outro lado da história e ela sabia bem qual a verdade de tudo.

— Você é louco? - ela disse irritada — Como se aproximou dela de novo? Esqueceu de tudo o que ela lhe fez? O roubo, a vergonha? - gesticulava nervosa.

— Não esqueci de nada, mãe - ele levantou agitado.

Nesse momento Márcia entrou na sala e parou ao lado da mãe a sentindo agitada.

— O que houve? Porque estão discutindo?

— Aquela criatura está de volta - Luiza disse puxando o ar fundo, sentindo irritação.

— Quem, mãe? - Márcia franziu os olhos.

— Ela - arregalou os olhos — Anelise - disse o nome como se fosse algo contagioso.

— Não acredito - Márcia se espantou — Ela, depois de tantos anos longe?

— A avó dela morreu - Mathias comentou.

— Bem, então... - olhou para a mãe — Talvez ela vá embora logo - deu de ombro.

Ela logo pensou que se o irmão ficasse sabendo de toda a armação dela e da mãe, seria horrível. Foi difícil manter o segredo. E depois de todos esses anos, ele talvez não as perdoasse.

Seu irmão deu um emprego para ela - Luiza disse com clara irritação.

Como é? Você é retardado? - Márcia fechou a cara e bateu na testa — Só faltava agora você voltar a se envolver de novo com aquela vagabunda.

olhou sem emoção e balançou

— Márcia, ela deve ter contas a pagar - ele meneou a cabeça — Tem o enterro, deve ter o hospital também. Não custa nada ajudar.

Ajudar? - ela ergueu uma sobrancelha —

— Onde ela viveu todo esse tempo? - Luiza questionou.

— Eu não sei, mãe... Por aí.

Ela vai ficar com a casa? - Márcia ficou curiosa.

— Eu creio que sim -

Ah, então ela vai vender, com certeza - Márcia disse em tom de reprovação e deboche — Deve dar um bom dinheiro para ela. Não tem noção do que é dinheiro de verdade. Deve estar acostumada a viver com

adora mostrar sua língua ferina, não é? - ele colocou mais bebida no

só a verdade -

recordou o dia em que Anelise apareceu para devolver o pacote de dinheiro que a mãe tinha mandado entregar na casa da

mal, abatida e com olheiras. Anelise só jogou o pacote no chão e disse que eles eram todos podres.

Mathias estava pensativo.

me conformei com a confusão - ele disse de modo amargurado — Quando Novaes contou que eles eram amantes, ele parecia estar

Porque ele estava com medo de você, é claro - Márcia respondeu rápido de forma

Tudo foi muito estranho, na verdade - ele passou os dedos pelo cabelo — João também disse quase a mesma coisa - ele apertou o lábio entre os dedos — Parecia um roteiro de filme barato - ele soltou o ar lento — E Anelise jurou por tudo, que jamais teve algo com algum

Mas é claro, né! - Márcia deu um