O CEO Noivo Da Minha Irmã Um Amor dos sonhos A casa dos meus pais

sprite

Cap. 40

         O CEO Noivo Da Minha Irmã

                             Adrian

  Definitivamente não sei mais o que fazer para amenizar esse medo e a insegurança da Gisele, pois primeiro foi com a sua absurda desconfiança com relação ao meu não relacionamento com irmã dela, e agora com os meus pais, porém acredito que não seja assim tão drástico como ela pensar, pois meus pais não podem ser tão ruins e recusar recebê-la como minha esposa, pois eu já sou um homem de mais trinta anos e faço o que quero da minha vida, apesar que reconheço que os meus pais gostam da Karina com filha deles, porém eu realmente não, é por isso pego na mão da Gisele, e a ajudei a descer do carro, já na garagem da casa dos meus pais.

Seguimos para entrar na mansão, eu pretendo procurar uma casa nova o quanto antes, mas realmente não é tão rápido, então será necessário esses dias aqui, e quem sabe assim a Gisele e meus pais consigam ter uma relação melhor, já que agora será o mais certo para todos.

     Estamos entrando, e realmente eu não esperava nenhuma recepção dos meus pais, mesmo porque não os avisei que horas estaria de volta, e necessito ir em uma reunião como já havia planejado.

     Por isso rapidamente conduzir a Gisele, ao meu quarto, e tento deixa ela a vontade, porém ela está nervosa, e eu não queria deixá-la assim. Mas, infelizmente não posso deixar as responsabilidades da empresa, já que não vou perder para o meu primo Gael o cargo de CEO. Ainda mais agora com o meu casamento com outra noiva, coisa que já será algo a ser superado pelo conselho dos velhos conservadores.

      Porém,  ah meu ver não acho que será um problema, afinal eles não queria que eu me casasse, e o melhor é que já tenho um herdeiro a caminho, e isso deve ser levado em consideração ao meu favor.

  Então, já pronto para ir para o trabalho, converso mais uma vez com a minha jovem e linda esposa e me certifico perguntando se ela vai ficar bem, pois ela está muito triste.

           — Sim, eu vou ficar bem Adrian, mas eu não queria ficar assim na casa dos seus pais, sem eles saberem que estou aqui!

         — Entendo, Gisele, mas está tudo bem, então tenta relaxar amorzinho, pois vou passar no quarto dos meus pais, e falar com eles, sobre você, mas se eles não estiverem em casa, juro que vou deixar recado com a Sienna, nossa governanta e ela vai trazer uma empregada para te ajudar a arrumar suas coisas, e você pode pedir o que quiser a ela, pois ela é muito boa e faz todos tipos de comida gostosa, já que realmente minha mãe é um desastre na cozinha, mas não conta isso para dona Argila, se por acaso vocês começarem a ser dá bem!

         — Ah, entendo, eu não vou contar nada a sua mãe, prometo.

         — Será melhor, e muito obrigada amorzinho.

         — Adrian, eu…

Já notando ainda o medo dela, tento ser prático, e mostra que volto logo, sem deixar ela terminar de falar dos seus medos.

         — Ei, calma eu prometo voltar logo para você, Gisele, e no jantar estaremos juntos, e até lá você não precisa se preocupar, pois vou pedi para minha mãe não te incomoda, ok.

          — Obrigada, eu realmente acho melhor assim.

          — Sim, eu percebi amor, mas não tenha medo, estou com você e sou todo seu.

   Tento demonstrar a abraçando, como a quero, e como estou triste por deixá-la.

      — Hum, isso é uma declaração que me acalma, me beije um pouco, pois preciso muito,

        — Claro, mas porque você não pediu antes, eu te darei quantos mil beijos você quiser amor, e pode ficar tranquila, e antes que me esqueça, vou te dá os presentes que comprei ainda no Brasil

         — Ah, sério, o que você

         Peguei as caixas, e entreguei a ela, com as jóias. Porém, não tenho certeza, mas ela não ficou tão impressionada,

        Em seguida, após um último beijo a deixei, e fui em busca dos meus pais, no quarto deles, ou no escritório, e realmente assim como previ pelo silêncio, eles não estavam em casa, provavelmente fazendo sua rotina ou então a sessão de terapia, devido a morte do meu