O comprador romance Capítulo 18

Mergulhe nos cativantes capítulos de O comprador, um envolvente romance Internet escrito pelo talentoso Internet. Com sua trama intricada, profundidade emocional e personagens inesquecíveis, este romance promete uma jornada de suspense e conexões sinceras. Seja você um amante de enigmas misteriosos ou de contos que aquecem a alma, Internet teceu uma narrativa que se gravará em sua memória. Explore as páginas de O comprador, começando com Alexandre, e deixe a magia se desdobrar.

Eu a vi ao meu lado, no meu carro, tão perto de mim novamente, e mesmo eu não conseguia reconhecer completamente o quão louco eu era. E quanto mais louco eu estava indo para ela. Se antes estava enlouquecendo, ali, olhando para ela como um psicopata, estava determinado que já a havia deixado ir completamente. Eu tinha ficado louco.

Ele tinha um distúrbio, sim.

Mas sempre fui um homem da lei, correto, que até respeitava meus próprios limites e que, no fundo, só queria fugir das correntes que me prendiam. Mais não podia.

Ela era como uma miragem. Cada momento que eu estava vivendo ao seu lado me fazia sentir como se estivesse em outra vida. Era como se eu estivesse livre de tudo e minha alma estivesse saudável e ela pudesse ser minha sem reservas.

Eu estava obcecado com a sensação dela na minha pele, de sua vida ao meu lado. Ele amava seu cheiro, seu maldito cheiro tão único que poderia viver mais mil vidas e saberia como reconhecê-la se a visse novamente naqueles outros mundos futuros.

Aqueles olhos verdes me engoliram, me afundando em um abismo de desespero por causa do desejo de ter o que eu não merecia e nunca poderia ter ao seu lado.

É só que não havia lados entre ela e eu. Nós éramos do mesmo lado, o que não era nenhum dos dois.

Toda a minha vida censurei a Deus pela indiferença com que me obrigou a viver, mas depois o censurei pelo castigo que me fazia pagar por ser como era.

Ela era esse castigo.

Achei que ele tinha escapado. Ela era tão inocente que não percebeu que ele a havia deixado sair. Que em um momento de pouca humanidade de minha parte, dei ordem aos guardas, para soltá-la. Eu não deixei que eles a impedissem e fiquei miserável o suficiente para ir atrás dela depois.

Eu ia desistir. Juro pela minha vida que ia deixá-la ir. Eu ia dar a ele a liberdade que ele merece.

Com um demônio eu ia fazer isso, mas eu não podia... eu nunca podia e eu tinha corroborado isso naquela noite quando eu a deixei sair da minha vida, só para correr para trazê-la de volta.

Minha desordem me domina. Não sou eu. E não estou me justificando porque não estou procurando um profissional para me ajudar, não quero que ninguém mergulhe na minha mente; mas isso é mais forte do que eu. Ele é meu dono e quando o sol nasceu, eu não poderia continuar sem ele. O amanhecer sem ela era um flagelo. Ainda preciso dela e sinto e sentirei Loreine por toda a minha vida imunda, mas preciso dela e a quero comigo por enquanto.

É minha compra. Aquele que manterá minha outra compra e não posso negar isso à minha psique.

Porra! Eu sou um maldito psicopata.

Essa sua excursão à liberdade efêmera, me ajudou a conhecer detalhes que antes eu não sabia.

É que sua inocência é tão grande que ele não percebeu nada. Ele não fez perguntas. Ele não refutou minhas ordens.

Ele tinha caráter, sabia disso perfeitamente; mas apenas para enfrentar minha personalidade, para nada mais.

Ela é inocente demais para lutar comigo e quebrar o maldito contrato que acabará me destruindo tanto quanto ela.

Quando a trouxe, deixei bem claro na estação e no pedágio que se ela tentasse sair daqui sem mim, teriam que pará-la e se comunicar comigo... E assim foi. Eu controlo tudo na minha vida e agora na sua.

Esta cidade foi uma das minhas primeiras compras.

Eu gosto de estar sozinho. Foi assim que me ensinaram, me educaram e me deixaram... em paz.

Quando eu comprei tinha gente que teve que sair da minha terra e uns poucos que eram excelentes pessoas e precisavam ficar.

Eu concordei em deixá-los ficar sob minhas regras. É a porra da minha terra, e você faz o que eu digo.

Quando alguém necessitado vem aqui e pede para morar na minha cidade, eu estudo bem e na maioria dos casos concordo, desde que minhas regras sejam respeitadas.

Eu pago tudo. Cada rua. Cada arranjo, muitos serviços e outros estão fora do meu bolso.

Eles podem levar suas vidas, mas ninguém entra na minha cidade que eu não aprove e eu tenho todo o direito de expulsar quem não obedecer.

Temos um hospital que administro inteiramente, com minhas muitas instituições de caridade, bem como muitos dos serviços da cidade.

O que não pode ser administrado lá dentro, bem, eu pago para que seja trazido de fora, mas tudo, absolutamente tudo, é dirigido por mim.

Coloco uma guarda ajuramentada para evitar saques ou qualquer tipo de crime em minha terra, mas só no inverno deixo estranhos entrar aqui e é para turismo e para ajudar os locais a se sentirem úteis em seus negócios, que também dependem da minha benevolência. No entanto, os policiais locais que eu contrato às vezes me forçam com minhas compras e se eu não os demito, é pelos laços que nos unem e pelos anos que se passaram e todas as informações que eles têm sobre mim, Kyle Norman.

Eu a carreguei, nas minhas pernas, consolando-a pela situação de sua amiga e do monstro dentro de mim, só podia sentir o cheiro de seus cabelos, o calor de sua respiração na minha garganta e a sensação de seu corpo primoroso no meu. .

Estou infeliz?... Bem, sim. Eu sou. Um pouco mais do que isso, na verdade.

Eu a quero embora. Preciso dela. Eu mereço sem merecer. Ela não me merece, mas ela me tem e não pode fazer nada para não me ter. Eu quero ela.

A cada segundo fica cada vez mais profundo sob a minha pele, sinto-me torturado e decapitado. Então sim... eu mereço.

Eu mereço ser roubado até do meu oxigênio, ser desfeito pela minha vida. Eu mereço consumir minha sanidade, destruir meus nervos. Eu mereço.

Eu mereço tudo e muito mais que não posso narrar, mas a única coisa que não mereço é ela.

Eu não mereço... Mas eu tenho.

Eu tinha planejado para ela ver sua amiga no hospital e então eu a levaria para casa e quando Loreine fosse embora, mesmo assim eu cuidaria de sua amiga para sempre.

Era algo que ele ia acabar devendo a ela e isso não seria um problema, porque Patricia nunca saberia o que aconteceu com Loreine.

Quando estávamos dentro do hospital assinando os documentos, vi Mônica ao longe.

O que diabos ele estava fazendo lá?

Ela estava proibida de se aproximar de mim e acho que ela não queria, mas ela não queria que eu visse Loreine e as duas começariam a fazer perguntas uma à outra que teriam respostas reveladoras.

Preferi ir até o carro e disse à minha tortura que a esperaria lá.

Monica tinha sido uma das minhas compras.

Ele tinha comprado seus beijos.

Ele tinha uma boca incrível e isso foi algo que desencadeou meu distúrbio e não pude deixar de lhe dar um contrato para me vender sua boca por seis meses.

Foram seis meses difíceis. Eu tinha o direito de beijá-la quando quisesse, mas ela começou a querer mais do que eu queria dela e tudo se complicou.

Só consumo o que compro. Nada mais me interessa.

Eu sou um cara sem sentimentos. Nada me move além do desejo de fazer minhas compras.

Não estou interessado no amor. Eu não quis nenhum. E isso é sempre algo, que estraga as compras.

Eles assumem que eu quero mais e começam a querer mais, e acabam oferecendo de presente o que eu nem pedi pra comprar e o encanto se quebra.

Até que Loreine chegou. Ela não me oferece nada e sou eu que quero tudo.

Esta é minha compra mais cruel e meu maior e perfeito castigo.

Ela poderia desativar meu desejo se ela apenas oferecesse o que eu preciso tanto, mas ainda assim, eu não saberia qual seria o nosso fim.

Eu nunca quis, desejei ou me perdi em nada como eu estou nele.

E quando ela volta, pronta para ir e eu vejo como Monica a interrompe e lhe dá seu cartão, eu sabia que tinha que afastá-la do meu ex beijando.

- Cuide da Mônica. Você sabe o que fazer - digo ao meu irmão que está esperando minha tortura subir, para sair.

Vou visitá-la esta noite...

E quando eu pensava, que o dia não podia piorar... Chegamos na minha casa e vejo meu outro irmão, começando a interferir novamente nas minhas compras.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O comprador