O SÓCIO DO MEU MARIDO 25

sprite

Alicia Rogers narrando

Era domingo de manhã e eu acordo cedo, me arrumo e arrumo a mesa do café da manhã. Logo Sonia aparece e fica me observando em silêncio.

- Bom dia – eu falo.

- Sua mesa está impecável parece que aprendeu como arrumar uma – ela fala observando cada detalhe da mesa.

- Se tiver algo de errado, a cozinha fica ali e você pode pegar os utensílios e arrumar a senhora mesmo – eu sorrio para ela.

- Quem você acha que é para falar comigo dessa forma? – ela pergunta.

- A única pessoa que pode salvar o seu filho desse escândalo todo – ela me olha – se eu não der uma declaração sobre esse caso, seu filho vai continuar sendo o assunto de todos os jornais e redes sociais e os seus negócios vão decair.

- Você está ameaçando o meu filho? – ela pergunta.

- Estou ameaçando a senhora – eu falo – Se a senhora não começar a me tratar bem, eu acabo com ele.

Quando ela ia me dizer algo, Mateus entra conversando com Jonas.

- Meus queridos – ela fala – vamos tomar um belo café da manhã.

- Bom dia – Jonas fala.

- Bom dia – eu respondo para ele seca.

Todo mundo se senta na mesa e o silêncio toma conta.

- Sua mãe estava me contando que alugou um hotel ótimo aqui em Nova York para ficar, não é mesmo minha querida sogra? – Sonia me encara e Jonas encara nos duas. 

- Sim – ela responde me fuzilando com o olhar.

- Aliás, Dona Janete – a funcionara me encara – pode subir e arrumar as coisas dela, ela quer pegar o almoço no hotel que tem uma comida excelente.

- Posso saber qual seria o hotel? - Jonas pergunta.

- O seu – eu falo sorrindo – sua mãe quer conhecer mais eles e até me disse que depois de alguns dias ela irá até Cancun – eu sorrio para ela e ela come em silêncio.

- Acho que será bom respirar outros ares – ela fala.

Mateus me encara e eu o encaro também e depois volto minha atenção para o café, se eu deixasse essa velha maldita faria a minha vida um inferno e já que eu ainda tinha alguns meses para aguentar toda essa situação, eu não deixaria mais nada barato.

Sonia após o café da manhã me procura e eu estou respondendo algumas mensagens em meu celular que eu tinha recebido de Mateus sobre as editoras que eu poderia enviar a minha história

- Eu vou ir para esse hotel, mas você cumpre o seu papel – ela fala.

- Só saia dessa casa – eu falo – e se a senhora voltar a me infernizar, eu faço uma declaração contando tudo.

- Isso não vai ficar assim – ela me ameaça.

- Vá embora – eu falo para ela.

Sonia vai embora da casa com todas as suas malas, o gerenciador de crises da empresa chega para achar uma saída para toda essa confusão, Jonas se tranca com ele. Maria Alice tinha almoçado e agora estava tirando o seu cochilo e eu estou saindo do meu quarto, quando encontro Mateus no corredor.

- Como você está? – ele pergunta.

- Como você acha que eu estou – eu falo – estou acabada, de tudo Mateus essa foi a maior humilhação da minha vida.

- Vai embora dessa casa – ele fala.

- Eu não posso – eu falo.

- Por que não? – ele questiona.

Eu tenho minha filha e eu tenho meu pai internado que depende de cuidados médicos e quem me ajuda é o Jonas –

Então você vai dar uma declaração falando que não existe traição? - ele

fazer como deve ser – ele

Eu vou para o Rio de Janeiro em algumas semanas resolver a venda de um apartamento lá – ele fala – e se você quiser, você pode vir comigo, trazer Maria Alice e respirar novos

jamais assinaria para que eu saísse do pai com a nossa filha e só me traria dor de cabeça, mas agradeço o convite – eu falo para

Eu conheço bastante gente e poderia conseguir um emprego para você – ele fala – mas não dê essa declaração, não deixa Jonas te tratar dessa forma, depois essa criança pode ser dele e você vai ter

É por pouco tempo – ele me olha – eu preciso ficar aqui mais um pouco, até que tudo se arrume. Eu tenho Maria Alice e não posso destruir a vida da minha filha, ela sentiria muito com uma separação repentina e ela é apenas uma

Eu entendo que você pense na sua filha, mas realmente você quer que ela veja você mentindo para ela uma felicidade que não existe? – ele

Eu sei que lá no final vai valer a pena – eu respondo para ele – obrigada por tudo, fique tranquilo. Eu vou ficar bem Mateus na medida do

preciso te entregar o quadro – ele