PRESA COM O TRAFICANTE (MORRO) Episódio 01

sprite

FLORÊNCIA NARRANDO

A minha vida toda eu passei em um convento, minha mãe tinha uma amiga no convento de freiras, onde ela a ajudou a se estabelecer, o meu pai nunca quis saber de mim, ou da mina irmã gêmea, a gente sempre foi unidas na infância, mas quando a Flora cresceu, ela começou a demonstrar o quão rebelde ela era, mas o que me deixou triste foi saber que a nossa amizade não era mais como quando éramos crianças e isso me machuca um pouco, mas eu sei que para tudo Deus tem um propósito, e se isso está acontecendo comigo é porque tem que acontecer dessa forma. Minha mãe sempre foi aquele tipo de mulher, muito temente a Deus, mas parece que ela passava a mão por cima da cabeça da Flora, parece que ela não enxergava que sua filha era uma rebelde que saia as escondidas, pulando a janela do nosso quarto, e me pedia para mentir por ela, eu nunca gostei disso, eu sempre encobrir ela, pelo simples fato de que ela voltava na madrugada com umas marca no corpo, e eu nunca entende essas marcas, ela dizia que foi um rapaz que fez aquilo, e que aquilo era maravilhoso, ela tinha todos os tipo de orgasmo, e eu nunca fui de entender o que ela queria dizer, até que um dia ela me explicou coisas básicas.

Ela disse que nem tudo se resumia ao convento, que a nossa vida lá fora poderia ser maravilhoso, e que poderíamos ter os melhores de tudo, e aproveitar cada um que quisesse, afinal éramos idênticas, e nada disso mudaria, o que me fez pensar sobre as atitudes dela, eu precisei tomar minhas próprias decisões e comecei a impor meus pensamentos, mas ela não ligava, ela não tava nem ai para nada, o que me deixava em maus lençóis, comigo mesmo. Até que minha mãe resolveu que já estava na hora da gente agir por contra própria e ir morar em um lugar que não fosse com as freiras, até porque foram 18 anos ali, e elas foram até boas conosco, nós deu tanta coisa, somos eternamente gratas por isso. Algumas vezes eu tinha perguntado para minha mãe, sobre meu pai, mas ela sempre desconversou o que me deixou triste, mas eu deixei pra lá, um dia eu apenas parei de perguntar. Não valia a pena, se minha mãe não queria dizer nada, eu que não iria ficar remoendo o passado no qual ela pode se machucar. Sou tirada dos meus pensamentos quando minha mãe chama minha atenção.

Mãe: Minha menina, me ajude aqui. - ela me chama e eu olho para ela, saindo dos meus pensamentos.

Florência:  Claro mãe, ajudo sim. - digo me aproximando dela, ajudo ela a terminar de preparar a comida, afinal antes a gente ajudava as freiras, mas agora temos que nós ajudar, até porque estamos morando em uma comunidade de nome morro da Coroa.

Mãe: Sua irmã disse que ia da uma volta, e não voltou ainda. - ela diz e eu olho para ela.

Florência: Mãe, você sabe que a Flora ela não faz nada, não adianta esperar as coisas dela. - digo e minha mãe suspira.

Mãe: Eu não sei onde eu errei com essa menina minha menina. - ela fala com os olhos marejados.

Flora: Cheguei. - ela fala alto da porta e ao entrar ela entra com um sorriso enorme nos lábios.

Mãe: Achou dinheiro filha? - ela pergunta e eu olho para minha mãe.

Flora: Que nada mãezinha, apenas eu conheci um pouco do morro, e gostei muito, até vi uns caras armados. - diz e eu faço sinal da cruz e minha mãe também.

Mãe: Não se engrace com esse tipo de pessoa, você sabe que o único caminho que tem depois disso é a morte. - diz nervosa.

Florência: Você sabe que precisamos ser honestas, porque eu já vi na TV que as coisas não são boas. - digo e ela rir.

Flora: Parem de ser bobas, eu não vou me envolver com ninguém. - ela diz sorrindo.

Mãe: Vamos deixar isso pra lá, agora vamos comer. - ela fala e a Flora se senta do meu lado.

um gatinho. - ela fala em um sussurro.

Florência: Você tem que parar de arrumar problemas, Flora. Você sabe que esse pessoal daqui não quer nosso bem, eles vão acabar nos matando. - digo nervosa e minha mãe olha na nossa direção.

Mãe: O que vocês estão cochichando ai? - pergunta.

foi nada mãe, só tô falando pra Flor, como é lindo esse morro. - ela diz sorrindo.

Fiquei ali sem ação, afinal eu não sabia como ela era cínica a ponto de mentir para a nossa mãe, mas ela sempre fez isso, e infelizmente eu sempre tenho que ir na mesma rota que ela, porque ela sempre vem com esses olhos de cachorro pidão, implorar para que eu não fale nada, e eu como uma tonta, acabo caindo na dela. Mas eu vou aprende a sair das ciladas que ela me coloca. No dia que eu aprender eu vou colocar ela no lugar dela e mandar ela criar vergonha na cara e parar de me colocar nisso. Então quando terminamos de comer, ela me olhou e pediu para que eu lavasse a louça, mas eu não cedi, eu não vou fazer os gosto dela. Então me levantei e fui para a sala, ao me sentar eu ouvi ela reclamando, mas eu não posso toda vez que ela pedi eu ter que fazer as vontades dela. Estava sentada no sofá assistindo quando ouvir alguém bater na porta, mas a minha mãe foi até lá e abriu.

Olá, em que posso ajudar? - pergunta, e eu continuo

aqui a casa da Flora? - ouvir a voz de uma

Sim, quem deseja? - ela

Me chamo Gabi, eu conheci sua filha lá na praça, ai ela pediu para que eu viesse aqui chamar ela para damos uma volta. - ela fala e eu me levanto e subo para

para meu quarto eu fui até o banheiro e entrei no mesmo, eu fiz minhas necessidades e logo em seguida eu tirei minha roupa, coloquei no cesto de roupa suja e entrei no box, liguei o chuveiro e entrei em baixo da água, estava na água morna, é algo que eu amo é tomar banho nesse chuveiro, antes eu só tomava em chuveiro quente uma vez no mês, mas hoje eu posso tomar todos os dias se eu quiser, o problema é que eu também gosto da água gelada, mas eu prefiro mil vezes a água morna, então ao ir acabando meu banho, eu desliguei o chuveiro e ao desligar, peguei a toalha e me enrolei, fui até a pia, e fiz minha higiene pessoal, quando acabei eu sair do banheiro e tive um susto ao ver a Flora jogada na cama, eu tenho certeza que ela quer alguma

que você quer? - digo já assim que

A mamãe não quer deixar eu ir passear com a minha colega Gabi, e eu queria que você fosse, talvez ela deixe. - ela diz e eu reviro os