PRESA COM O TRAFICANTE (MORRO) Episódio 02

sprite

ALEMÃO NARRANDO

Esse morro aqui tem história e muitas delas começam quando o meu pai de criação assumiu o morro, esse morro aqui era destruição pura, muitas pessoas sofriam e graças a meu pai, muita coisa aqui foi modificada, eu mesmo presenciei muitas de suas obras, e eu tenho muito orgulho dele ter se tornado alguém que ficou na lembrança de muitos, eu mesmo sou a cópia dele aqui no morro, porém a única coisa que não sou é bonzinho ou piedoso com todos, sabe por que? Eu sou sempre bem atento, o meu pai foi traído e acabou sendo morto por um dos seus, e hoje eu caço vingança por ele, uma vingança que sei que terá fundamento, e sei que um dia eu chegarei na pessoa que fez tamanha crueldade com ele, e quando eu chegar eu o matarei da pior forma possível, isso eu jurei no dia que estava enterrando ele. O MG, e o Henrique foram pessoas que me ajudaram muito quando eu perdi meu pai, porém de início para assumir isso aqui, o MG que abraçou a causa, mas o Henrique ficou meio assim, isso porque sua mãe é muito religiosa, e temente a Deus, ela diz que essa vida não é boa, e que a única saída dela é a a morte, então quando eu pedi um sub, o MG fechou comigo mais o Henrique disse que não queria se envolver, até que a sua mãe ficou doente e ela precisa de medicamentos caro, e ele precisava entrar, então ele entrou e conquistou o seu lugar, hoje ele é um dos meus vapor de mais confiança, e eu penso em colocar ele de gerente, afinal ele é um dos meus amigos de longa data.

MG: Terra chamando Alemão. - ele chama minha atenção e eu olho em sua direção.

Alemão: Fala ai filho da puta. - digo bravo.

MG: Porra, Alemão, tô a uns minutos aqui te chamando, parece que estava viajando na maionese porra. - ele diz rindo.

Alemão: Você é mesmo um desgraçado, que acha que eu não te meto uma bala no meio da testa, se tu vacilar comigo ou até mesmo ficar nesse fogo todo. - digo nervoso.

MG: Calma ai malandro. - ele diz rindo. - Tu já viu a novata andando pelo morro? - ele pergunta e reviro os olhos.

Alemão: Apenas mais uma maria fuzil, querendo o malote, e além do mais eu não tô afim dessas patricinhas. - digo e volto a atenção para meus afazeres.

MG: Cara, tu não sabe o que tá perdendo. - ele diz e eu olho na direção dele.

Alemão: Eu não tô nem ai, e não quero saber dessas maria fuzil, eu já tenho puta demais para comer, porém qualquer dia eu passo a rola nessa carne nova. - digo rindo e ele gargalha.

MG: Então trate de ser um dos primeiros, porque ela gosta de dar mole atoa. - ele diz e eu dou de ombros.

Henrique: Alemão. - fala assim que entra na minha sala.

Alemão: Mania dos infernos essa de vocês dois, sempre que entram e não batem porra. - digo nervoso.

Henrique: A gente acostumou assim, foi mal ai. - ele diz rindo.

MG: Não sei o porquê isso te incomoda seu filho da puta. - diz sorrindo.

Alemão: Vou meter uma bala na testa dos dois. ai vocês param com essa idiotice. - digo sério. - Aprendam a bater, já imaginaram eu aqui nessa sala comendo alguma outa e vocês entram? - digo segurando o riso.

Henrique: A visão do inferno isso seria. - ele diz e eu gargalho.

Alemão: Faz de conta que nunca viram pornô seus filhos da puta. - digo gargalhando e eles ficam sério.

MG: Você vai ficar pra trás e eu vou pegar a novata. - diz e eu dou de ombros.

Alemão: Foda-se, eu não ligo. - digo sorrindo.

Henrique: Estão falando das moradoras novas? - pergunta e o MG concorda. - Elas se mudaram a pouco. - diz e eu continuo a atenção nos meus papéis.

MG: Tô mais interessado em outra, mas qualquer coisa me contento apenas com a outra, que tem carinha de anjo. - ele fala e acabo revirando os olhos.

Depois deles encher o que dava para encher da minha paciência, eles saíram e foram embora fazer suas atividades do morro, eu peguei a planta da quadra que mandei fazer na rua de cima, preciso conferir como está indo as coisas, afinal tudo depende de mim, e dos corres que eu faço com o tráfico, e se tudo que eu faço aqui agrada a comunidade eu fico feliz, afinal de contas o governo filho da puta esqueceu que ainda existe comunidades carentes. E se nós os traficantes não se coloca a frente para resolver tudo e ter as coisas em seu devido lugar, então eles morrem de fome. Aqui na minha comunidade eu tenho um centro de ajuda, no qual lá eu tenho alguns dos meus leais vapor, com instruções de ajuda necessariamente a todos aqueles que estão necessitados. E tem sido feita muita coisa por essas pessoas, até questões de saúde eu venho melhorando aqui na comunidade, eu preciso manter eles em segurança, e acima de todos com saúde e disposição, para lutarem por tudo aquilo que tem direito, são coisas que eu não tive o prazer ou o privilégio de ter certas coisas. Sempre tive que ralar, se não eu não teria nada, eu ganhei muito aprendizado durante meus anos aqui, mas o que mais me deixa feliz é saber que tô seguindo um legado. Fico com esses pensamentos até que cheguei na quadra, fico apenas olhando se longe, eu queria ficar ali por mais um tempo mais a vagabunda da Miriele teve que interromper os meus pensamentos, o que me deixa bem irritado.

Miriele: Oi gatinho, como estáw - ela chega se insinuando, a mesma toca meu peitoral e eu seguro sua mão com

Não toque em mim, só vai tocar na hora que eu for atrás de comer essa sua buceta. - digo sério e ela baixa a cabeça.

Miriele: Mas gatinho, eu vim aqui porque você não tem ido me ver.- ela diz sorridente.

Alemão: Eu já te falei mil vezes Miriele, que eu não sou nada seu, e só te procuro quando eu quero te comer nada mais que isso, agora vai cata coquinho, e me deixa em paz.. - digo sério e ela fica com os olhos marejado. - E vai chorar na casa do caralho.

Miriele: Não faz assim comigo, sabe o quanto eu te amo, para você está me humilhando tanto assim. - ela diz e eu fico observando o pessoal trabalhando na quadra.

Alemão: Vaza daqui,quando eu te quiser eu te procuro. - digo e vejo uma gatinha gostosa pra caralho passando na frente da quadra, agarrada na Gabi, o que me faz ficar curioso, mas também me leva para a conversa que os caras estavam tendo mais cedo.

Eu fiquei olhando ali, e me livrei da Miriele, o mulher chata do caralho, não tenho a mínima paciência para ela. Então eu fiquei ali observando a garota passar, ela tava com uma pinta de patricinha do asfalto, e eu acabei rindo, é tão patricinha e veio parar na favela, mas deixa eu vou brincar com essa garota, eu vou ensinar a ela a ser uma patricinha de asfalto, eu vou usar e abusar, fazer de minha puta. Mas sei que vai dar a qualquer um como as outras então não ligo, tô pouco de fodendo, então fiquei na entrada da quadra, quando a puta da Gabi se aproximou e fez ela esbarrar em mim, e eu já tinha sacado tudo, mas eu sou o rei dessa porra, eu vou mostrar como é que se anda na minha comunidade.

XXX: Me desculpe. - fala assim que olha pra mim.

Gabi: Oh amiga, você se esbarrou feio no Alemão. - ela diz e eu tento segurar o

Alemão: Tá suave pô, mas quem é você. - finjo que não tô sacando

XXX: Me chamo Flora. - ela diz e me da sua mão, seguro e aperto a mesma rapidamente.

em te conhecer, Flora. - digo

ele é o dono do morro. - ela diz e ela finge está impressionada, meu Deus, é muito burra em vim bancar de fingimento

Eu não sabia, perdão. - ela diz e eu sei que a Gabi já tinha falado, apenas ela quis

problemas, bom meninas estou indo nessa, preciso resolver uns assuntos, mas apareça mais por ai, talvez nos batemos. -

será um prazer. - ela diz e eu sei que isso é mais puta que as daqui

dali, e subo na minha moto, ligo a mesma e dou partida para minha goma, vou tomar um banho e vou da um rolê pelo morro, afinal eu preciso fazer a ronda nessa porra, não podemos deixar nas mãos de ninguém, porque não cuidam como nós, que somos os donos. Então assim que cheguei na minha goma, eu estacionei a moto e dentro da garagem e desci dela, eu fui para dentro de casa, e ao entrar eu respirei fundo e fui para meu quarto, eu vou tomar um banho, pra relaxar os músculos do meu corpo, e tô pensando em ir na casa da Vanessa, acho que vou me divertir um pouco comendo a buceta dela, já passou metade desse morro lá, mas eu sempre me privo de usar duas camisinha no meu pau, vai que eu acabe pegando uma doença, ou algo do tipo, eu nunca sentir o que é um pele na pele, na verdade eu não quero com ninguém, as doenças vivem por ai a solta, então é sempre bom nos

com os pensamentos enquanto eu tiro a minha roupa e entro no box, ao entrar eu ligo o chuveiro e sinto aquela água gelada cair no meu corpo. O que me fez ficar ainda mais animado, eu vi aquela menina que me deixou intrigado, mas eu sei que ela é uma vagabunda que dar a qualquer um, nunca se deve esperar nada de pessoas que se bancam de inocentes. Meus pensamentos estavam aflorados, então desliguei o chuveiro e sair dali, ao sair eu peguei a toalha e enrolei na minha cintura, ao por ela na cintura, eu caminhei até a pia, e fiz a minha higiene pessoal, ao acabar eu sair do banheiro e fui ao closet, eu vou aproveitar, porque se eu me jogar agora na cama eu vou acabar dormindo, então é melhor eu ir comer aquela puta logo, e depois eu fico de boa o resto da noite. Então ao entrar no closet, eu fui até as prateleiras e peguei uma bermuda e uma regata, vesti minha cueca, e em seguida vestir a bermuda e a regata, coloquei meu cordão no pescoço e joguei um pouco de perfume, e sair dali, fui até a cômoda, peguei meu celular e minha arma, guardei comigo e sair do meu quarto, então ao descer as escadas, encontrei a minha coroa

filho onde está indo? - ela pergunta e eu desço as escadas e caminho até

estou indo na casa de uma mina ai. - digo

não toma jeito né Théo? - ela me repreende e acabo

importa mãe, vou apenas satisfazer os meus desejos e volto daqui a pouco. - digo e ela me da um tapa no braço. - Aí mãe. - digo e ela me