NO MORRO DA ROCINHA 8

sprite

Malu narrando

Eu estou sentada na calçada nos fundos da penitenciaria, com um saco de gelo em meu rosto. As lagrimas descia em meu rosto sem parar, meu rosto está inchado e dolorido e o sangue escorria no canto da minha boca.

Um carro para do meu lado e dar uma buzinada, com dificuldade eu me levanto e abro a porta do carro vendo PH no motorista, eu entro e puxo o cinto, ele me encara, mas não diz nada.

- Toda quinta feira depois da meia noite esteja pronta - PH fala – você vai vir até a penitenciaria encontrar ele.

Eu não respondo nada, apenas continuo com o saco de gelo em meu rosto, a minha raiva era tanta por Perigo, mas tanta.

- Obrigada – eu falo baixo quando ele estaciona na frente da casa de Rd.

- Quer um conselho? – ele pergunta – abre as pernas e finja, geme e finge orgasmo, assim você não precisa apanhar dele toda vez. Se não, ele ainda vai te matar na pancada.

- Obrigada – eu falo novamente.

Eu desço do carro com bastante dificuldade, meu corpo todo dóia , eu entro dentro da casa de Rd e fecho a porta fazendo um pouco de barulho.

- Merda – escuto a voz dela.

- Tinha que chegar agora caralho – Rd fala com Ana em seu colo.

Eu olho para os dois e os dois me encara.

- O que aconteceu com você? – Ana pergunta – ela está machucada Rd.

- Boa noite – eu falo apenas.

- Deixa essa garota para lá – ele fala me encarando e volta a beijar Ana.

Eu subo os degraus da escada e olho para baixo, vendo ele fazer Ana quicar em cima dele, quando eu já estava no pé da escada.

- Vai vaza – ele fala.

- Por quê? – ela pergunta.

- Precisa aprender a sentar melhor – ele fala jogando-a para o lado.

Ela começa a discutir com ele e eu entro dentro do quarto, eu tiro toda a minha roupa e entro de baixo do chuveiro. Eu fecho os olhos pensando se o meu destino realmente seria ser morta ao lado dele ou por ele.

Maldita hora que eu voltei para aquele morro para me envolver com ele, maldita hora que eu achei que poderia ir morar com meu pai.

Minha mãe pegou raiva de mim por causa disso, porque eu fui morar com ele no morro, ela não queria me ver nem pintada de ouro e isso fazia com que eu tivesse sozinha nesse mundo literalmente. Eu era filha única e nem irmãos eu tinha para me proteger.

De manhã eu acordo e pego as maquiagens que eu tinha comprado, eu aprendi a me maquiar na marra para esconder sempre as marcas que Perigo fazia em mim, eu passo bastante maquiagem e consigo esconder um pouco os roxos no meu rosto e no meu pescoço, coloco um short e um cropped vermelho e solto os meus cabelos fazendo com que eles tampe o meu pescoço.

- Bom dia – eu falo para Rd que está na mesa tomando café.

Ele me encara.

- Mandei trazer remédio para você – ele

- Para? – eu pergunto.

- Teus machucados aí – ele fala.

- Obrigada – eu respondo.

Eu arrumo o meu café da manhã e ele se levanta deixando toda a bagunça em cima da mesa, eu não reclamo, eu apenas limpo tudo e organizo.

Eu tiro uma carne do congelador para fazer comida, pelo menos isso na casa dele tinha, comida para todo o canto, abro a geladeira e vejo que tinha muita cerveja, eu pego e abro uma e começo a

- Não é cedo para beber? – Julia aparece do nada.

- Estou achando que você é uma assombração – eu falo para ela.

- Ana espalhou para todo mundo que você chegou machucada ontem, vim ver se você precisava de ajuda – ela fala – mas estou vendo que está bem.

- Essa garota é fofoqueira em – eu falo – ela fala tudo o tempo todo? – Julia começa a rir.

Ela quer ser a fiel do Rd a todo custo, mas ele nem dá tanta moral para ela – ela fala – na verdade Rd não tem paciencia para ficar pegando essas garotas daqui não, Ana é apenas o que ele pega para não ficar

Duvido – eu falo – se for que nem o primo dele, Perigo é capaz de pegar até as veias da igreja – ela começa a

Estou falando sério – ele fala – ele pega mulher, mas a única famosa é

chifruda – eu falo – acha que ser fiel é grande

gente nunca escutou que Rd bate em mulher – ela

Ainda, porque ele não tem fiel – eu falo – Perigo também não batia em ninguém, até eu virar fiel dele. Sua mãe tem razão quando te aconselha a não ficar com homem daqui não, todos eles são iguais, todos bandidos, não vai te dar futuro nenhum – ela suspira – eita, esse suspiro é

mãe não pode sonhar – ela

Para quem você senta em garota? –

- Ph – ela fala.

o sub do morro, é problema que nem o chef mulher – eu falo – faz isso

é diferente –

Todos são diferentes, todos vão te dizer isso, que você é única, perfeita, maravilhosa. Vai por mim, palavra bonita não vale de nada – eu falo – depois que tu se envolve tu não sai mais. Larga de mão