Mais uma vez acordo nos braços do Thomas. Só que dessa vez não me perco olhando para ele e admirando sua beleza. Tenho que chegar ao trabalho em trinta minutos. Claro que não vou chegar a tempo, nem se eu pudesse me teletransportar. Ainda assim, quero correr para chegar o menos atrasada possível.

Não transamos noite passada como eu esperava, mas gostei de conhecer sua família, mesmo que eu tenha dormido no meio de uma história muito bizarra da infância do Thomas. Em minha defesa, trabalhei o dia todo e depois fui assistir ao jogo do Thomas que durou quase uma eternidade. Eu estava exausta.

— Porque está se mexendo tanto? – Thomas resmunga com sua voz rouca pelo sono, enquanto aperta os braços em volta da minha cintura.

— Preciso ir trabalhar. – continuo tentando sair de seu aperto.

— Por quê? Tira o dia de folga.

— Eu tenho contas a pagar, não posso me dar ao luxo de ficar folgando no meio da semana por motivo algum. – continuo tentando sair do seu aperto.

— Mas você tem um motivo.

"Que droga de homem forte!"

— Tenho, é?

— Sim. – ele encosta mais seu quadril ao meu e posso sentir sua ereção contra a minha bunda.

O homem sabe como me tentar e eu, provavelmente, já estaria cedendo se não estivesse realmente preocupada em perder o meu emprego.

— Thomas, você é tentador, em todos os sentidos. E eu gostaria muito de passar o dia na cama com você. Não imagina o quanto. – sou completamente sincera – Mas eu, realmente, não quero perder o meu emprego.

— Se perder o emprego eu te contrato. Sabia que sou um homem rico?

— Sei – sou rude – E não estou nem aí! – faço um movimento brusco e consigo sair de seus braços.

"Quem ele pensa que eu sou?"

Eu sei que ele é um homem rico, mas não me importo nem um pouco com isso. Eu tenho meu trabalho e um salário muito bom que permite que eu pague minhas contas. Não preciso de nenhum homem me bancando.

— Ei! – ele chama, enquanto ajeito meu short e minha regata.

— Estou atrasada – procuro meu tênis ao redor e quando o encontro, pego e me encaminho para fora do quarto.

— Espere! – ele me alcança antes que eu possa sair porta afora – Baby, – ele segura meu braço – eu estava brincando.