PRESA COM O TRAFICANTE (MORRO) Episódio 27

sprite

FLORÊNCIA NARRANDO

Eu acabei dormindo nos braços dele, eu não sabia o que estava sentindo, mas eu me sentir segura e foi isso que aconteceu eu adormeci em seus braços. No dia seguinte quando despertei ele não estava mais ali, e já passava da meio dia, o que me fez ficar em pânico, eu não sei o que ele vai fazer comigo se eu não fazer o almoço dele, ontem até pode ser ele estava bêbado, mais hoje seria o cúmulo que eu dormisse até a hora que eu dormir, então rapidamente eu me levantei e corri para o banheiro, entrei no mesmo e fui tirando minhas roupas, eu primeiro fiz minhas necessidades e assim que acabei entrei no box, e comecei a tomar o meu banho, o que não quis demorar hoje, então assim que eu acabei meu banho me enrolei na toalha e sair dali fui para a pia, ao chegar na mesma eu comecei a fazer minha higiene pessoal, assim que acabei, sair do banheiro em direção ao closet.

Luísa: Amiga. - ela entra no closet como se não fosse nada e eu acabo me assustando com a entrada dela ali, e a mesma gargalha.

Florência: Mulher não faz isso, quer me matar? - pergunto séria com a mão no coração e ela continua rindo.

Luísa: Desculpa amiga, foi apenas a emoção mesmo. - diz rindo.

Florência: Sem graça isso amiga, pelo amor de Deus não faz isso comigo nunca mais. - digo séria e ela da risada.

Luísa: Vem, eu conseguir a chave da área externa dessa casa, e vamos tomar banho na piscina. - ela diz e começa a vasculhar minhas coisas, mais eu não tenho roupa de banho e eu não sei nadar.

Florência: Eu não posso, isso não vai dar certo, eu não tenho roupa de banho de piscina, e não sei nadar. - digo séria.

Luísa: Não é problema eu já volto, ela sai do meu quarto, e quando eu estava quase vestindo a minha lingerie ela aparece ali com um conjunto de lingerie.

Florência: Eu já tô vestindo o conjunto de lingerie não precisa obrigada. - digo e ela acaba rindo.

Luísa: Em que lugar do universo você estava? Porque isso aqui é um biquíni. - ela diz sorridente.

Florência: Você se esquece que eu fui criada trancada em um convento sem ver nada do mundo aqui fora? - digo irônica e ela rir.

Luísa: Perdão amiga, eu esqueci esse detalhe, mas isso é um biquíni, roupa de banho, agora veste que vamos tomar banho na piscina. - ela diz e eu olho ela desconfiada.

Florência: O seu primo não me deixa sair de casa, ele não me deixa nem passar das portas, e você quer me levar a essa lugar que vai acabar me deixando em maus lençóis. - digo e ela revira os olhos.

Luísa: Vista logo essa roupa, que eu tô te esperando aqui na penteadeira. - ela diz e sai do closet, eu fico pensativa, e acabo vestindo um biquíni, era um conjunto de oncinha, uma calcinha cintura alta, e a parte de cima era tomara que caia. Passei o meu creme e acabei vestindo o biquíni que ela me emprestou, quando fui para frente do espelho eu vi o meu corpo inteiro, e eu pude ver o quão bonito era o meu corpo, acabei sorrindo.

Florência: Com relutância eu acabei colocando a roupa que você me entregou. - digo aparecendo na porta do closet e ela me olha dos pés a cabeça.

Luísa: Por isso meu primo é louco por você, porque seu fosse eu no lugar dele, eu já teria te assumido para todo mundo. - ela diz e eu fico vermelha.

Florência: Não fala besteira. - digo vermelha de vergonha e ela me puxa para o andar de baixo, assim que chegamos na mesma ela me leva para a área externa da piscina, eu nunca tinha ido ali, mas era tudo muito bonito.

Luísa: Está linda minha gatona. - ela diz sorrindo, e eu fiquei olhando tudo.

Florência: Eu tenho que preparar o almoço. - digo tentando entrar.

Luísa: Deixa de coisa, vem curtir, a tia já fez tudo para que você curtisse um pouco. - ela diz e eu fico meia constrangida, e quando eu olho para cima tinha vários homens olhando pra baixo, e eu fiquei com mais vergonha ainda.

Florência: Eu vou entrar, não quero ficar aqui. - digo morrendo de vergonha e ela vem na minha direção.

Luísa: Deixa de coisa, vamos entrar na piscina, e ignora esses urubus. - diz e nesse momento eu me assusto com um estrondo enorme, e um grito, eu apenas sentir minhas pernas tremerem, e o meu corpo inteiro tremia.

Alemão: Que caralho tá acontecendo aqui? - diz nervoso e ele ao colocar seus olhos em mim, ele gritou. - O filho da puta que colocar um olho nela eu vou estourar os olhos, seus filhos da puta desgraçados. - diz e nesse momento não tem mais ninguém ali.

Luísa: Você sempre tem que estragar tudo. - ela diz e ele se controla, mas nesse minuto ele segurou nos meus cabelos e saiu me arrastando pela casa, e subiu comigo, eu achei que ele iria me jogar no meu quarto, porém quando eu vi eu estava no quarto dele, o mesmo fechou a porta e me jogou por cima da cama.

Alemão: Você perdeu a noção? - ele me pergunta e eu não consigo responder meu corpo está todo paralisado.

essa porta, Alemão. - ela grita e bate na porta.

Graziela: Meu filho, não faz nada, abre aqui pelo amor de Deus. - a dona Graziela e a Luísa imploram do lado de fora.

Alemão: Sumam daqui, eu não estou bom, e vai piorar a situação se continuarem aqui. - ele grita nervoso e avança na minha direção eu estava encolhida, meu corpo estava tremendo e não me obedecia, eu tremia demais. - Eu não sei o que caralho você tanto pensa Florência, eu acho que você quer me ver louco, ou que você quer que eu faça a favela inteira morrer, porque eu não sei o que caralho você fez comigo, que você me enfeitiçou bruxa. - ele grita e eu continuo quieta.

Florência: Eu não fiz nada. - digo em um fio de voz, e ele estava nervoso demais, ele ficou andando de um lado para o outro.

Luísa: Abre isso aqui, foi eu que insistir para que ela fosse tomar banho comigo solta ela. - ela diz chorando do outro lado da porta.

Alemão: Eu já mandei você sumir da porra da minha porta, eu não quero ouvir ninguém perto ou eu vou matar ela. - ele grita e e meu corpo estava tremendo muito, ele me olhou com os olhos negros e eu sentir o meu coração errar as batidas.

Florência: Me deixa sair. - digo sentindo as lágrimas molharem meu rosto, eu estava tão nervosa que só quando eu sentir ele próximo demais, foi que eu sentir as lágrimas molharem meu rosto.

Alemão: Eu não sei o que você fez comigo, mais eu não consigo, é mais forte que eu, é mais forte que tudo o que eu tô sentindo agora. - ele fala baixo e um pouco rouco, o que me deixa com medo do que ele vá me fazer. Então acabo me surpreendendo quando ele coloca sua mão sobre meu rosto e aproxima o seus lábios dos meus, ele toma meus lábios com um beijo ardente e eu acabo cedendo, eu não sei o porque, mas sei que meu corpo e minha alma inteira necessita disso.

Florência: Eu estou com medo. - falo em um fio de voz, e ele beija meus lábios com mais

Alemão: Não tenha medo, eu preciso de você, eu estou ficando louco, eu estou louco demais. - diz mordendo meus lábios e ele calmamente pega nas minhas mãos e vai me levando para a cama dele, ele me coloca sentada na cama, e ao me colocar sentada, ele pego o controle, e liga o ar e aperta em um outro botão e as cortinas de suas janelas são fechadas, então ele coloca o controle por cima de volta no lugar e me olha nos olhos. - Eu quero você pra ser minha. - ele diz me olhando com os olhos em chamas, e eu estava tão nervosa que não sabia o que era que ele queria, então eu me levantei da cama.

Florência: Eu não sei o que você quer. - digo com a voz trêmula.

Alemão: Eu quero que você seja minha, seu corpo seja meu. - ele diz e sinto um arrepio percorrer todo o meu corpo, e o meu rosto fica vermelho.

Florência: Não, eu não posso. - digo sentindo um enorme medo.

conte do que você tem medo. - ele diz e começa a beijar o meu pescoço, eu vou sentindo o meu corpo inteiro arrepiando, eu sentia algo na minha parte íntima, era como umas fisgadas intensas, eu não sabia decifrar o que eu estava sentindo. - Diga sim, sim para ser minha por completo. - ele diz em um sussurro no pé do

não sei, eu não entendo nada disso que você quer. - digo baixinho e o mesmo me puxa e coloca minhas costas colada contra o seu

só precisa dizer sim, e eu te ensinarei tudo que você precisa saber. - ele diz mordendo o lóbulo da minha orelha, o mesmo beijou o meu pescoço e me virou para olhar em seus olhos. - Diga sim, e seja minha. - ele diz e eu olho no fundo de seus olhos, o mesmo estavam comum brilho, algo que eu jamais vou conseguir

sim, eu confio em você. - digo baixinho e ele em um momento me pega nos braços e me leva até

Eu vou te fazer minha, eu vou te transformar em uma mulher. - ele diz e assim que ele me coloca em sua cama, ele olha todo o meu corpo, era como se ele estivesse com fome, eu não sei o que ele estava sentindo naquele momento, mais ele se abaixou um pouco, e com cuidado foi beijando todo o meu corpo, ele abriu a parte de cima da parte de cima do biquíni que eu estava usando, e ele colocou o meu seio em sua boca, ele mordiscou o mesmo e me fez fechar os olhos, era algo novo, uma sensação estranha que eu estava sentindo, eu apertei meus olhos e ele segurou nos meus braços para que eu não o tocasse. - Farei todo o trabalho agora, e você apenas sentirá. - ele diz com a voz rouca e eu não entendo o que ele quis dizer com isso, então ele intercala para o meu outro seio e coloca-o na boca e o suga com

Que sensação é essa? - pergunto ofegante, e ele mordisca novamente o meu seio, e vai descendo seus lábios pela minha barriga, e então ele abre minhas pernas e me olha

com as mãos onde eu deixei, ou eu vou amarra-las. - ele fala de uma forma autoritária. Eu estava com as mãos acima da cabeça, mais ele estava fazendo eu ter arrepios, e umas fisgada que eu não sabia o que era, mais estava bom, e eu apenas tentei controlar minhas mãos, e ele tirou a minha calcinha, e abriu bem as minhas pernas, ao abrir ele me olha nos olhos e ele passa a língua por cima da minha intimidade, eu tento fechar as pernas e ele abre elas novamente e segura com força, eu acabo gemendo involuntariamente, e ele coloca toda a sua boca na minha intimidade, eu abro a boca em um gemido alto e ele tapa minha boca com sua mão. - Não grita. - ele diz e eu fico vermelha de vergonha. Então ele vai intensificando as chupadas que ele me da, eu tento fechar as pernas mais ele volta a segurar firme, eu estava com o corpo todo exposto eu estava morrendo de vergonha, eu levei minhas mãos a sua cabeça, e ele foi chupando com tanta força que eu apertava os seus cabelos e gemia alto, eu estava louca de desejo, eu não sabia se tudo isso era ruim, mas a curiosidade esta tão

Aaah... aaah... aaaah... o que é isso? - gemo mais ofegante e ele continua indo mais intenso o que me faz sentir umas fisgada com mais intensidade, eu estava sentindo algo dentro de mim, o meu corpo começou a tremer e eu estava me tremendo inteira, até que acabei sentindo um líquido sair de dentro de mim e ele chupar com intensidade, ele da uma mordida e eu reviro meus

Puta que pariu, que gostinho deliciosa. - ele fala e se levanta, ao ficar de pé, ele tira a sua camisa, e em seguida a sua bermuda, eu olhei um pouco nervosa para baixo e ele sorrio. - Não tenha medo, ele vai caber perfeitamente dentro de você. - ele fala mordendo seu lábio, e o seu corpo era perfeitamente musculoso, com várias tatuagens pelo seu corpo, era algo lindo, o seu tanquinho totalmente definido, eu fiquei paralisada com aquela visão, mas eu estava mesmo era preocupada com aquele negócio dele, ele ficava apontando pra mim, e quando ele veio na minha direção ele se deitou por cima de mim, e beijou o meu pescoço, ele foi subindo até os meus lábios e agarrou a minha boca em um

estou com medo. - digo entre o beijo, e ele morde meus

Você confia em mim? - ele pergunta me olhando nos

Sim, eu confio. - digo sentindo confiança nele, e ele se encaixa no meio das

Vai doer, mais é apenas no começo, eu vou apenas me encaixar um pouco. - ele diz e eu o sinto forçando um pouco, eu sinto meus olhos marejarem, eu estava ofegante, e apertei com força