PRESA COM O TRAFICANTE (MORRO) Episódio 07

sprite

FLORÊNCIA NARRANDO

Quando aquele homem me deixou nesse quarto enorme eu só fazia chorar, afinal de contas eu estava mal, e não sabia o que fazer, eu só queria ir embora, só queria a minha mãezinha, só queria ficar ao lado dela e ela me abraçar, eu estou mal demais, a minha mãezinha passando por isso, a minha mãezinha passando por tantos problemas e ter que adquirir mais um por causa da Flora, ela me marcou pra sempre, eu nunca mais serei feliz, sabe lá Deus quando eu vou sair daqui, quando é que eu vou ter a paz. Então me deitei e ao me deitar eu me encolhi na cama e chorei em silêncio, eu estava mal demais, eu só queria que tudo isso fosse apenas um pesadelo, talvez se eu dormir agora, eu acorde bem, eu acorde na minha cama, na minha casa, eu espero que seja um pesadelo tudo isso. Fiquei ali por muito tempo chorando, era um tempo que eu não sabia como poderia fugir ou até mesmo me livrar desse homem mal, e tudo graças a minha irmã, mas eu sempre falei pra mamãe, que ela iria nós fazer passar inúmeras coisas, mas a mamãe sempre passou a mão na cabeça dela, a mamãe sempre disse que tudo se resolveria da melhor maneira, e não poderiamos soltar a mão dela, porque de qualquer forma ela é minha irmã e filha dela, o que me faz entender o lado dela, mas a gente foi criada em um convento e era para nós sermos mas unidas nós duas, mas a minha irmã foi na cabeça de uma outra pessoa, e hoje ela é essa pessoa má, essa pessoa que só ver as coisas por dinheiro na vida dela. Então fui tirada dos meus pensamentos quando ouvir uma batida na porta.

Florência: Pode entrar. - digo mesmo sem saber quem é.

XXX: Oi minha linda, me desculpe está lhe incomodando. - ela diz com um tom de voz triste.

Florência: Não se preocupe, pode entrar, a casa é sua. - digo e as lágrimas insistem em molhar meu rosto.

XXX: Não fique assim, meu filho só estar de cabeça quente e ele quando voltar ao normal ele não vai te deixar aqui. - diz tentando me animar.

Florência: Eu não acredito nisso, eu sei que vou passar muito tempo presa aqui, isso graças a minha irmã. - digo chorando.

XXX: Oh, minha linda, eu sinto muito por você está passando por essa situação. - ela diz tocando meu rosto. - Como você se chama? - ela pergunta amigavelmente.

chamo Florência senhora, mais minha mãe, e as freiras me chamavam de Flor. - digo mais tranquila.

XXX: Pode me chamar de Graziela, e você falou sobre freiras? - ela pergunta e eu afirmo com a cabeça.

Florência: Sim senhora Graziela, eu fui criada em um convento, eu e minha irmã, junto com minha mãezinha, mas a minha irmã não é como eu, ela é uma mulher de espírito livre, alguém que tem ambições, e eu não sou desse jeito. - digo baixando a cabeça.

Graziela: Não pense assim, dá pra se ver que você é uma jovem ingênua, e pode sim no futuro ter algo bem mais complexo, e sim pode mudar uma vida. - ela fala e sorrir. - Bom eu vou me retirar, não sei que horas meu filho vai retornar, então melhor eu está fora daqui, não sei o que ele pode fazer se me ver com você, talvez ele queira machuca-la, mas eu não vou permitir isso. - ela diz e vai saindo do meu quarto.

que ela saiu do quarto, eu me encolhi na cama e fiquei quieta, as lágrimas molhavam meu rosto, eu fiquei ali encolhida até que eu acabei dormindo. Despertei no dia seguinte com um barulho, era alguém batendo na minha porta, então eu me levantei assustada, e quando eu pensei em sair da cama para me levantar e ir ver quem tanto batia, ele entrou no meu quarto fumaçando, ele estava com raiva, ele estava me olhando com um olhar de ódio, e eu não sabia se eu poderia falar ou até mesmo fazer alguma coisa, então eu fiquei ali sentada e parada com a cabeça baixa, eu apenas sentir sua mão forte apertando o meu braço, e eu me sentir uma presa fácil ali, ele iria me matar e eu nem sabia que morreria tão jovem por causa da minha irmã. O meu Deus me ajuda, não me deixa morrer nas mãos desse homem, não me deixa acontecer nada, penso sentindo meu corpo tremer e os meus

você não foi fazer o café da manhã porra? Tá achando que está em uma colônia de férias porra? - ele grita comigo, e sinto meu corpo

desculpe, eu.eu.eu perdi a hora. - digo

Então trata de sempre levantar cedo e fazer a porra da comida, e também quero essa casa um brinco. - ele diz nervoso enquanto aperta meu braço, e então sai me arrastando pra fora do quarto, eu estava tremendo de tanto medo. - Vou te colocar na cozinha, e eu quero comida para meio dia, porque a minha mãe já tratou de fazer o café da manhã, mas quando eu chegar, eu quero essa casa brilhando, ou eu vou surtar. - ele falava alterado enquanto ele me arrastava, assim que chegamos na cozinha a mãe dele ao ver a cena ela olhou séria pra