Fórmula do Amor capítulo 15

sprite

(Quinta feira)

Léo

Chego em casa, jogo as chaves na mesinha e vou para o quarto, de todos os dias, hoje está sendo o mais difícil, minha tia irmã do meu pai morreu de leucemia aguda, meu pai também morreu de leucemia, agora todos da família do meu pai tem que fazer exames para saber se é hereditário ou não.

Cris me ligou mais cedo, só que não consegui falar com ele, ontem cheguei logo pela manhã na minha cidade Natal, que fica em São Paulo, quando desci do avião já tive a notícia de que ela tinha morrido, do aeroporto fui para a casa da minha avó, e logo em seguida foi o velório, não tive tempo nem mesmo de tomar um banho descente. Meu celular vibra, olho e vejo o nome do Cris.

—Fala aí.

—Como você está?

—Levando, mais tarde apareço aí.

Desligo o celular sem muita conversa, não estou afim de conversar agora, quero poder descansar um pouco. Tomo um banho e depois me jogo na cama, apenas com uma cueca box.

Cris

Ligo para o Léo e ele não atende, estou ficando preocupado, sei que ele gosta de espaço, mais eu não posso deixar ele ficar sozinho e ter outra recaída.

—Terminamos por hoje, amanhã não posso vim na parte da manhã. Mia fala pegando sua bolsa que estava no chão.

—Tudo bem, obrigado. Falo e ela se vira para sair.

Saio da academia e vou para casa, Lúcia está na cozinha, já pedi várias vezes para ela não fazer nada em casa, eu pago as pessoas para ele poder ficar quieta, Lúcia já trabalhou demais na sua vida.

—Ela já foi?

Ela pergunta vindo até mim.

—Sim, amanhã Ela vem na parte da tarde.

Falo e ela sorrir.

—Ela parece ser muito gente boa. Lúcia fala com um sorriso que nunca vi, quando ela se referia a Nicole.

—Sem chance, aquela garota me detesta, sem  dúvidas nós nunca daríamos certo. Falo indo para o quarto.

—Os opostos se atraem. Ouço ela falar antes que eu feche a porta.

Tomo um banho e deito, ligo para uma vez para Léo e dessa vez ele tende.

—Fala aí.

—Como você está?

—Levando, mais tarde apareço aí.

Olho o celular e ele desligou, que filho da mãe, desligou na minha cara.

Passei o dia jogando videogame, outra hora assistindo. Vejo a porta ser abrir e Léo passa por ela.

—Estava com saudade de mim?

Ele pergunta se jogando no sofá.

—Só estava preocupado. Falo assistindo supernatural.

—Eu sei que está com medo de eu ter outra recaída. Ele fala me encarando.

—Também, amanhã tem reunião, sabe disso não é. Falo olhando para ele

—Sei sim, mas eu não queria ir mais. Ele fala e eu encaro ele.

de brincadeira não é, aquilo lá é para você falar o que está sentindo, para as pessoas ajudar você. Falo com raiva

bando de idiota não ajuda ninguém, só falam de como começaram a usar, e de como estão se recuperando, minha tia acabou de morrer porra, eu não tenho cabeça ir em reunião de AA. Léo levanta e sai batendo a porta.

—Volta aqui seu cabeça dura. É em vão, ele já foi embora, pude ouvir ele batendo a porta da sala.

Que ótimo, agora tenho que me preocupar com isso também. Maravilha. Já não basta eu está aqui com essa perna toda dolorida, ainda tenho que me preocupar com o

—O que houve filho? Lúcia pergunta entrando no quarto.

Léo que parar de frequentar o AA. Lúcia sempre soube do seu envolvimento com drogas, ela quem deu a ideia de levar ele para o AA, eu não posso deixar ele desistir assim.

A noite chegou logo, não pude ir atrás dele, ainda estou muito debilitado das maletas e da minha cama.

(Sexta feira)

Mia disse ontem que só poderá vim na parte da tarde, caminho devagar até a academia, adentro o lugar e me olho no espelho, os quatro cantos do cômodo tem espelho, meu reflexo reflete que não estou bem, estou cansado psicologicamente, primeiro toda a situação do acidente, depois o término de da pior maneira possível, e agora o Léo desse jeito.

Eu não sabia o que fazer para poder ajudar meu amigo. Sento e pego um dos pesos, levanto em cada braço trinta vezes. Estou fora de forma, só essas trinta vezes e já fiquei

Lúcia me chama para almoçar, ela coloca a comida para mim, ainda estou com dificuldade de andar então ela me serve.

—Obrigado. Pego o prato e começou a comer, e como sempre o tempero especial dela está presente nas

Depois que almocei fui para o quarto, peguei um livro de Machado de Assis, eu sempre gostei de ler, não fazia com frequência, mais nós momentos de pânico quando meu pai me batia eu pegava um livro e ir ler no jardim atrás das árvores, por um longo tempo eu deixei de lado esse hábito, agora tenho vontade de ler novamente.

—Teus olhos são meus livros.

Que livro há aí melhor,

Em que melhor se leia

A página do amor?

Flores me são teus lábios.

Onde há mais bela flor,

Em que melhor se beba

O bálsamo do amor?

(Machado de Assis)

diria que um play boy como você gostasse de ler. Mia fala parada na porta do

deixasse eu falar talvez conseguisse ver que não sou esse play boy que pensa. Falo e ela

—Podemos começar?

fala apontando para a maca, pelo visto ela é mais difícil do que

que eu dobre a perna que foi quebrada, ainda não tinha feito tais movimentos, sua mão vai para o músculo da minha coxa, um arrepio toma conta do meu corpo, ela olha para meu rosto e posso sentir que estou levemente corado com esse acontecimento, não é normal uma mulher me deixar assim, principalmente uma a quem eu tenha

a mentalizar coisas aleatórias, se eu continuar tendo essas sensações posso ficar até mesmo com tensão, só com o toque dela na minha pele, isso seria um

se ama duas vezes a mesma mulher." Droga isso não ajudou, essa não foi uma das frases motivadoras do Machado, tenho que foca em

—Podemos parar um pouco?

está tão concentrada em seu trabalho que nem mesmo

—Mia podemos parar?