Fórmula do Amor capítulo 33

sprite

—Essa ideia é uma loucura. Léo fala zangado.

—Não tem nada de loucura, pega logo meu moletom. Entrego meu moletom para ele.

Estávamos no meu carro, o do Léo estava na garagem, coloquei o meu e entrei no dele. Eu já estava planejando isso, vou sair daqui no carro dele, dar umas voltas na cidade para ver se não estou sendo seguido e depois ir encontrar a Mia para explicar tudo que aconteceu hoje, espero que ela me entenda.

Saio de casa e pelo visto ainda não tem ninguém me seguindo, dou algumas voltas na rua, sempre atento se não tem ninguém atrás de mim. Sigo para a casa da Mia depois de ter certeza que não vamos ter surpresa.

Estacionou o carro do Léo na frente da casa dela, olho se não tem nenhum carro por perto e desço, vou até a porta e toco a campanhia.

—O que faz aqui?

Lília pergunta me olhando séria, com certeza a Mia falou o que aconteceu mais cedo na minha casa.

—Deixa eu explicar. Falo entrando na casa delas.

—tem dois minutos. Ela fala seria.

Tento explicar da melhor forma possível o que estava acontecendo e por que tive que fazer aquilo.

—A essa altura se você achar ela, com certeza ela vai está chapada. Ela diz olhando para as unhas, por que as mulheres fazem isso quando quer mandar a gente se foder ou para falar que a gente já está fodido?

—Onde ela está?

—Cris...

Taylor grita vindo até onde estou.

—E aí garoto, parece que cresceu de sábado para cá. Falo passando a mão em seu cabelo.

—Veio jogar comigo?

—Hoje não, quero saber onde está sua mãe. Falo olhando dele para a Lili que está bem tranquila.

—Eu estava dormindo quando ela saiu, Lili disse que mais tarde ela chega. Ele fala despreocupado.

—Já sei que não vou conseguir nada com a Lili, eu vou ligar para ela. Falo e ele vai para a cozinha.

Me afasto um pouco dela e ligo no celular da Mia, chama e nada dela atender.

—Ela não atende, eu vou embora. Na verdade eu não vou embora, vou procura ela na cidade, nem que eu rode por todos os lugares da cidade, mais eu preciso explicar o que aconteceu.

Me despeço do Taylor que me cobra mais uma vez o dia que vou jogar com ele. Saio da casa dela e entro no carro.

—Droga Mia, onde você está?

Dou partida no carro, onde ela pode estar, de uma coisa eu tenho certeza, ela está muito magoada pelo que eu fiz, eu não consegui explicar antes, só quero proteger ela e o Taylor.

Já dei não sei quantas voltas pela cidade, e não encontre ela, meu celular começa a vibrar, o nome dela aparece na tela, meu coração acelera, estacionou o carro e atendo.

—Mia, aonde você está?

—O que quer...

Pelo tom da sua voz ela já está bem bêbada.

—Onde você está, eu vou te buscar.

—Para que? Para dizer que não quer nada comigo, que não sirvo para você? Você me machucou, me deixa em paz.

—Vamos entrar no mar?

Ouço uma mulher falar.

—Mia onde você está?

—Longe de você.

Fico puxando assunto com ela para conseguir rastrear o número dela.

—Tchau senhor perfeição.

Ela desliga e tenho a localização dela, não está tão longe daqui, tenho que chegar antes que ela entre na água, Mia está bêbada, mar e bebida não dar certo. Arranco com o carro, não demora muito para mim chegar onde meu celular indica, tenho certeza que o Léo vai quere me matar, por que avancei dois sinal fechado.

Desço do carro rapidamente, vejo o carro dela parado mais a frente, procuro seu rosto entre as pessoas que estão em um quiosque, mas não vejo ela, de todas as pessoas que estão ali, eu a reconheceria em qualquer lugar.

—Você viu essa mulher?

um casal que está mais afastando das outras

fala olhando a foto no

—Obrigado. Falo me afastando.

algumas pessoas mais eles dizem a mesma coisa, me aproximo do mar, será que

saem de dentro

se afogando. Uma das meninas

—Mia?

na água sem pensar

—Mia...

—Cris... Cris.

e vou até onde ela está, puxo ela para fora da água, deito ela na areia e começo a fazer respiração boca

—Mia, acorda...