NO MORRO DA ROCINHA 23

sprite

Malu narrando

Eu fico sentada na frente de Rd e ele me encara um pouco sem paciência.

- Vaza – ele fala.

- Eu não vou vazar – eu falo para ele.

- Malu não enche a minha paciência porra – ele fala exaltado – já te falei de mais.

- Você imagina o quanto é dificil para mim? – eu pergunto a ele – saber todas essas coisas, assim do nada?

- Você achou que seu pai era santo? – ele pergunta. – vivendo no morro, mexendo com drogas. Seu pai era um fodido que nem eu e Perigo.

- Ele foi o melhor pai para mim – eu falo para ele.

- O meu também foi, ele era o melhor pai do mundo para mim, mas matava as pessoas por aí – Rd fala – e o seu era igual , dentro de casa ele era tudo para você, mas fora – ele me encara – ele era o demônio, eu não consigo contar nos meus dedos quantas pessoas ele matou

Eu olho para ele, eu sempre soube dessa realidade mas ela nunca foi jogada na minha cara dessa forma.

- Você diz que Perigo me trata dessa forma pela traição do meu pai? – eu pergunto para ele e Rd assente com a cabeça. – isso é sem cabimento, porque eu tenho culpa das coisas do meu pai?

- Seu pai fez você se envolver com ele – Rd fala – no fundo perigo sabe que você não tem nada haver com a história, mas mesmo assim acredita que você estava no plano junto e que fazendo sua vida um inferno era uma forma de se vingar pela traição.

Eu olho para ele sem acreditar no tamanho absurdo.

- Eu me envolvi com ele porque me apaixonei , eu fiquei no morro porque eu queria ficar com ele – eu falo para ele e ai me lembro da escuta e fico em silêncio – deixa para lá – eu falo me levantando.

- Você não sabe de nada – ele fala.

- Não eu não sei – eu olho para ele – eu preciso descansar, eu preciso passar no posto pegar um calmante.

- Fique a vontade – ele responde.

Eu saio da boca e desço até o posto sem acreditar em tudo que eu tinha escutado, a minha cabeça girava dentro o tempo todo. Perigo sempre me tratou mal porque achava que eu estava junto do meu pai em um plano que eu nem sabia de nada, eu paguei pelos erros dele e meu pai era um traidor.

- Aqui está – a médica fala me entregando – apenas um comprimido por noite. Uma dosagem maior é perigosa.

- Ok – eu falo para ela.

Assim que saio do posto um carro para do meu lado, a porta abre e eu olho para todos lados e um vapor armado faz sinal com a cabeça para que eu entre, eu nunca tinha visto aquele vapor, eu arregalo os meus olhos.

- Kaio quer falar com você – o vapor fala baixo perto de mim.

- Se alguém me ver – eu respondo

- Tá tranquilo – ele fala e eu o encaro e entro dentro do carro.

- Se abaixa – foi o comando que eu escutei e rapidamente eu obedeci.

Eu me abaixei e o carro começou andar a mil e eu imaginei que eu já estava fora do morro. Eu fiquei com medo de me negar entrar no carro, então eu entrei e estava indo para algum lugar.

Eu me sento no banco e vejo que estamos em uma estrada de chão, o motorista para na frente de uma cabana e Kaio me esperava no lado de fora.

Eu desço do carro.

- Que bom que você veio – ele fala.

- O que você quer? – eu pergunto vendo que ele estava uniformizado de policia . - eles podem sentir a minha falta.

- Fica calma – ele fala – eles vão está bem ocupados com uma tentativa de invasão no morro do alemão. – eu o encaro – vem, entra.

Eu sigo ele para dentro da casa onde está apenas ele e não tinha mais

- Quer tomar algo? – ele pergunta.

- Vai está batizada? – eu pergunto e ele me

peço perdão pela forma que a gente batizou a bebida aquele dia, mas a gente precisava fazer eles acreditarem na situação – ele fala.

- Eles acreditaram – eu falo.

- Estou acompanhando todos os aúdios, você fez com excelência o seu trabalho – ele fala.

- Então você vai me deixar ir embora? – eu pergunto.

Ainda não – ele fala – eu vou precisar de uma confissão de alguns crimes – ele fala colocando na mesa as fotos de alguns policiais.

- Que crimes? – eu pergunto.

Preciso que você se envolva mais com Rd, e da mesma forma que ele te falou sobre seu pai, eu quero que ele fale quem é o mandante da morte desses policiais – ele aponta para cada um

acho que eu não tenho todo esse poder Sargento Kaio – eu falo – ele vai achar estranho eu ficar questionando a ele sobre essas

Essas mortes aconteceram quando seu pai ainda estava vivo, pode questionar se foi ele – ele fala – pode querer saber mais sobre o seu pai, vai ser convincente a

E se for meu pai que tenha matado? – eu pergunto para

Ai já houve a vingança –

E se vocês quiserem descontar em mim? –

gente não faria isso – ele fala me olhando – eu dei a minha palavra que vou te proteger e é isso que eu

para ele e

Eu preciso voltar para o morro – eu

- Claro – ele fala.

Mas tente ficar mais relaxada – ele fala – seu tom de voz está tenso e isso pode não ser

dificil me manter calma – eu me levanto e ele também. Ele se aproxima – quando você tem várias armas apontadas para você. Até mesmo Fernanda está desconfiando de