NO MORRO DA ROCINHA 24

sprite

Malu narrando

Antes de sair, eu olho para Kaio.

- Se eu te pedir uma coisa – eu falo para ele – você faria?

- Depende o que for – ele fala.

- Deixa eu ver minha mãe – ele me encara.

- Não – ele fala – seria contra a regra.

- Por favor Kaio, sargento Kaio – eu olho para ele – eu estou me sentindo sozinha, com medo, eu não tenho para onde fugir. Eu estou fazendo tudo conforme você está me pedindo, eu só quero ver a minha mãe, uma única vez. – ele me encara bem sério – por favor.

- Eu vou ver o que eu consigo fazer – ele fala e eu sorrio fraco assentindo.

- Outra coisa. – eu falo

- Pode falar – ele fala.

- Você tem certeza que Perigo não vai sair da cadeia enquanto eu estiver no morro? – eu pergunto.

- Eu te dei a minha palavra que ele não vai voltar – ele fala – eu não vou tirar de onde ele está até que você saia de lá. Não precisa ficar com medo, ele não encosta mais um dedo em você.

- Ok – eu falo para ele.

- Mais alguma senhorita Maria Luiza? – ele pergunta.

- Eu acho que não – eu falo.

- Tem um carro te esperando lá fora – ele fala.

- Na verdade tem sim – eu falo e ele me encara.

- Pode falar – ele fala.

- Para onde eu vou depois que tudo isso acabar? – eu pergunto.

- Você pode escolher alguns lugares e vamos ver qual é o lugar mais seguro – ele fala – para você.

- Entendi – eu falo. – ta bom, boa noite.

- Boa noite – ele fala.

- Espera – eu me viro de volta e ele me encara com as mãos cruzadas. – Você consegue descobrir uma coisa para mim?

- Depende – ele fala.

- Qual era o envolvimento entre Fernanda e meu pai? – eu pergunto e ele me encara.

- Complexo – ele fala.

- Acho que é de mais isso – eu falo.

- Eu te aviso se conseguir algo – ele fala.

- Obrigada – eu falo. – agora é, boa noite – eu falo olhando para ele e ele assente.

- Boa noite – ele fala.

- Boa noite – eu falo e me viro para sair.

Eu entro dentro do carro e o carro me deixa no posto de saúde, eu subo para ir para casa do Rd, passo pela boca eles me vê , estava junto de Bn e Ph mas não diz nada. Eu encontro Fernanda na subida que apenas me encara e eu passo reto por ela.

Eu entro dentro da casa do Rd, subo para o meu quarto, tomo um banho e me deito na cama de camisola mesmo. Kaio quer que eu me envolva mais com Rd e pergunte ainda mais coisa sobre o meu pai porque assim ele poderia ter alguma resposta sobre aquelas mortes.

Eu coloco um vestido e desço a escada encontrando Rd, Ph, Bn e Julia na sala.

- Você acordou – Julia fala – vem, senta aqui.

Eles estão jogando video game.

- Achei que vocês só sabiam matar – eu falo

- Engraçada você – Rd fala.

Estamos matando no video game – Bn fala e eu encaro vendo o jogo que

Julia está sentada ao lado de PH em seus braços, eu me sento ao lado dela mas me afasto para não atrapalhar o casal e Rd está do

- O calmante não resolveu? – Rd pergunta.

tomando calmante? – Julia pergunta.

- Para dormir apenas e mesmo assim não consigo pegar no sono – eu falo.

- Está tensa de mais – Bn fala.

- E o que você sabe sobre isso? – Julia

- Ué – ele fala rindo.

- Presta atenção ai no jogo cara – Rd fala

- Nervosinho – eu falo para ele que me encara.

boca – ele fala e eu abro um sorriso de canto para

os pais de vocês estivesse vivo – Julia fala – estaria morrendo

E o seu então, tá ai de agarra agarra com Ph –

Seu pai está morto? – eu pergunto

Faz alguns anos –

pega lá uma cerveja para nós –

Sou sua empregada Ph, sua namorada está ai do lado – eu

Tá mal educada em – Ph

Eu pego – eu falo me levantando – só vou porque estou

vou até a cozinha e abro umas caixas de pizza e pego uns pedaços para comer, quando me viro para pegar a cerveja eu dou de cara com Rd atrás de

- Opa – ele fala.

Você está bêbado – eu

você está linda – ele

Cala boca – eu falo – toma jeito. Já que você veio, você pega a

- Folgada – ele fala.

A cerveja é para vocês –