Bela Flor - Romance gay Capítulo um

sprite

"Jaejun"

Hoje é primeiro de setembro, meu aniversário!

Sou Jeon Jaejun e hoje estou completando dezenove anos. O intuito de ter saído de casa junto aos meus melhores ㅡ ou piores ㅡ amigos hoje, foi de comemorar até não conseguirmos mais ficar de pé.

O negócio era beber álcool até não aguentar e um de nós sempre ficar responsável por todos os outros para levar-nos em segurança para casa.

Isso sempre deu certo? Não, uma vez, por exemplo, Jack me deixou dormindo no jardim da casa da Minah, e eu só acordei às oito da manhã com os regadores de grama me molhando todinho. Ok, eu ainda era menor de idade e não tinha como me levar até a pensão que naquele tempo eu morava, sequer me aguentava de pé e a dona reclamaria muito. Por isso ele me deixou lá com Yejun.

E você deve se perguntar: "mas e o Jack?", certo? Ele também dormiu no jardim, não conseguimos adentrar a casa e dormir em um dos diversos quartos que haviam lá, mas ele foi mais cuidadoso, dormiu numa espreguiçadeira e debaixo de um guarda-sol.

Depois disso, Jackson nunca mais foi o responsável pela galera.

Mas como hoje é meu aniversário, já havíamos passado o dia todinho na casa de Minah, ela era amiga que mais tinha dinheiro e seus pais geralmente não estavam em casa. E mesmo que Jack também fosse bastante rico, a casa dela era a mais próxima, nós sempre nos reuníamos em ocasiões boas.

Passamos a tarde toda na piscina, bebendo tudo o que tivesse álcool como mandava o nosso regramento e rindo deliberadamente de qualquer coisa.

Quando a noite chegou, decidimos que íamos à procura de boates boas e novas, que fosse conveniente o suficiente para que um grupo de jovens-adultos dançarem em paz e beber um pouco mais.

Mas o resultado disso? Passamos por quatro boates diferentes e nenhuma era legal o suficiente.

A primeira era quente demais e a segunda era escura e tinha muitas pessoas estranhas. E não que isso fosse ruim, mas um homem com a cabeça raspada e com um alargador no nariz ficou me encarando por dez minutos, aquilo me deixou tão assustado que fomos para a terceira, mas lá tinha tanta fumaça de cigarro, que tínhamos a certeza de que sairíamos com um câncer de pulmão!

A quarta foi a mais de boa, não tinha tanta coisa estranha, a música era legal, mas ainda assim, não nos agradou.

E quando já estávamos cansados e um pouco tontos devido às bebidas, propus que fossemos para casa dormir, mas é claro, um voto contra todos os outros, não fez que nenhum me ouvisse.

ㅡ Eu vi algumas pessoas falando de uma boate que está sendo bastante falada no momento.

ㅡ Twitter? Tô fora, nada que vem dali é bom!

ㅡ Deixa de bobagem, Jae, vamos nessa e ponto, será a última.

Olho para Jackson e reviro os olhos.

ㅡ Qual o nome? ㅡ pergunto.

ㅡ Space sirena. ㅡ Song responde, olhando a tela.

ㅡ Tem nome de cabaré. ㅡ Rini diz, abraçando Minah pela cintura. ㅡ o que você acha, amor? ㅡ a pergunta.

Minah apenas dá de ombros.

ㅡ Vamos nessa e ponto. ㅡ anuncio parado no meio fio. É tarde, mas ainda existem alguns jovens meio bêbados caminhando. ㅡ Space sirena.

Não é boate hétero, é? ㅡ Yejun torce o nariz. ㅡ não gosto de ambiente com homem suado tirando a camisa e achando que isso é a coisa mais sensacional do mundo.

Até parece. ㅡ Jackson negou vagamente, olhando-o

O lugar se chama Space sirena, com certeza não é balada hétero. ㅡ Taeshin fala, aproximando-se de mim e circula seu braço direito em meu pescoço. ㅡ Jaejae não gosta de lugares com mulheres bonitas, ele da erro.

Deixa de besteira, é claro que eu gosto de mulher! Até porque eu sou hétero. ㅡ falo.

Você não engana ninguém, ruivinho. ㅡ Taeshin diz, puxando minha bochecha. ㅡ pode ser bi, pan, ou qualquer outra coisa, mas hétero? Não... você com certeza gosta de paus.

ㅡ Vai se foder, Taeshin, pelo amor de Deus!

É uma boate LGBT ㅡ Jack volta a fala, mostrando-nos a tela de seu celular.

Não importava realmente o local cujo iriamos, não, mas precisava ser, com certeza, um lugar que nos respeitasse como seres humanos e que respeitasse nossas sexualidades. Um lugar onde pudéssemos ser nós mesmos, sem ouvir as rotineiras

E já havíamos ouvido tanto daquilo que por isso era tão importante verificar o ambiente antes de apenas irmos. Tínhamos casal lésbico no grupo. Tínhamos amigos gays, e eu, que, mesmo um pouco confuso comigo mesmo às vezes, gosto de que mantenham o respeito. Não aceito que brinquem com esse tipo de coisa.

E se quer saber porque sou confuso, a culpa é todinha do Yejun. Um dia perdi uma aposta para ele e tive que ir até uma loja de produtos eróticos e comprar o pau de borracha mais bonitinho que eu visse. Eu não sabia que estava escolhendo aquilo para mim, sinceramente, escolhi porque achei que Yejun queria aquilo, mas hoje eu o guardo na minha gaveta de baixo em meu guarda-roupa, e vez ou outra, me pego observando-o e pensando: Como será?

Mas eu nunca usei! Nunquinha mesmo!

medo de me precipitar em algo e também tenho medo do que minha tia acharia caso soubesse que eu também gosto de paus... Digo, ela não deveria importar, mas seu ódio por mim já é tão grande, tudo só iria

Parece ser uma boate legal ㅡ anuncio ㅡ mas só há um problema... ㅡ sorrio sem

ㅡ Qual? ㅡ Yejun pergunta.

Eu já tô liso. ㅡ digo sem graça. ㅡ Meu salário ainda não caiu na conta, e o que eu tinha, acabou naquela

Oh, meu querido plebeu... ㅡ Jackson diz, se aproximando e também me abraça. ㅡ hoje é o seu dia, não se importe com

assim eu fico mal... eu não gosto que gastem

Pois deveria gostar. ㅡ Taeshin diz. ㅡ não há coisa melhor do que ser bancado

Você já foi? Porque pelo que eu me lembre, seu último namorado

Pois é, mas estou a procura de um. Vai que acho um suggar daddy? ㅡ riu alto, fazendo-me

serei seu suggar daddy ㅡ Jack fala me largando e parando a minha frente. ㅡ até porque, eu não gosto de ruivos