Loucos Por Ela Capítulo 31

sprite

Continuação….

Felipe

— Obrigado! É o que eu mais quero!

Pensei bem e optei por não falar que ela é a dona de meu coração, pois não quero que rejeite minha companhia e depois de tudo que ouvi, acho que é exatamente o que ela faria. Em resposta, ela apenas sorriu e em seguida se levantou.

— Vou tomar um analgésico, minha cabeça está doendo. Quer um? Acho que você vai precisar…

— Eu aceito!

Permaneci no mesmo lugar enquanto ela foi até a geladeira e voltou trazendo-me um copo de suco e um comprimido.

— Aqui está!

— Obrigado! Está se saindo uma ótima enfermeira, viu?! — Nós rimos e eu engoli o remédio.

A conversa estava tão agradável que nem vimos a hora passar e quando nos demos conta, já passava do meio dia. A convidei para irmos almoçar, mas ela disse que não queria sair porque estava com receio de encontrar Igor, então liguei no restaurante e pedi comida.

Não demorou muito e o pedido chegou. Desci para receber, nós comemos e depois limpamos a cozinha, já que ela deu folga a empregada que está com o filho doente. Sentamos na sala novamente e o celular dela não parava de tocar.

— Insistente, né?!

— Nossa, demais! Vou ter que bloqueá-lo.

— Faça isso ou não terá tranquilidade. — Ela mexeu no aparelho e em seguida colocou na mesinha ao lado.

— Pronto! — O telefone começou a tocar novamente e eu fiquei confuso.

— Tem certeza que bloqueou? — Ela assentiu.

— Sim! Agora é o meu irmão.

— Não vai atender? — Perguntei ao ver que ela o deixou no mesmo lugar.

— Não! Ele está ligando em vídeo chamada e eu não posso deixar que vejo meu pescoço assim.

— Você não acha que deveria contar para ele?

— De jeito nenhum! Ele viria para o Rio hoje mesmo e eu não quero mais brigas… já basta você com esse machucado por culpa minha.

— Pode parar de se culpar! Igor só teve o que mereceu e quanto a isso… — Levei a mão até o corte. — São apenas consequências.

— Mas não deveria ter acontecido!

— Por favor, pare! — Pedi e ela me olhou em silêncio. — Não se preocupe mais com isso ou eu ficarei chateado! Pode ser?

— Vai ser difícil, mas vou tentar… prometo!

Ótimo! — Ela sorriu e novamente o toque do aparelho ecoou no ambiente. — Melhor atendê-lo… ele não vai

Pior que não vai mesmo! E já deve estar doido porque não atendi.

— Eu ia dizer isso! — Nós rimos.

— Vou enviar uma mensagem alegando que estou ocupada e depois retorno… ao menos assim ele desiste.

Bom… já sabe minha opinião, mas eu respeito sua decisão!

— Obrigada! — Ela enviou a mensagem para o irmão e conectou no carregador. — O que acha de assistirmos um filme?

— Boa ideia! Tem alguma sugestão?

— Hum… deixo por sua conta! Qual gênero você prefere?

— Ação.

— Pelo visto a briga com Igor te deixou empolgado! — Eu gargalhei.

— Vamos escolher juntos, vai! — Ela também riu.

— Está bem!

Após alguns minutos conseguimos entrar em acordo, então ela foi até a janela, fechou as cortinas e voltou para a mesma posição, deu play no filme e começamos a assistir. Pouco tempo depois olhei para o lado e a vi dormindo.

a tv, mas estava difícil me concentrar com ela dormindo ao meu lado e quando me dei conta, meus olhos eram só

cada traço de seu rosto, que no momento tem uma expressão serena… tudo nela é perfeito! Os lábios rosados bem preenchidos, cílios ralos que acompanham a cor do cabelo e sobrancelhas devidamente alinhadas.

pude deixar de admirá-la e muito menos negar que minha boca até salivava querendo sentir seu sabor, mas me controlei e voltei o filme do início para conseguir prestar atenção e quando estava quase no final, ela

Que horas são? — Perguntou passando a mão

— São quase 18 horas.

— Nossa… você ficou aqui para me fazer companhia e eu dormi e nem te dei atenção, me

Não se preocupe, está tudo bem! Você chorou muito e além disso, estava com dor e precisava descansar… Está se sentindo melhor? — Ela assentiu. — Que bom, fico feliz! Agora já vou, não quero te incomodar

Se não tiver nada importante para fazer, não precisa ir agora. — Não vou mentir, estava torcendo para ela falar isso.

Na verdade eu só queria saber se ainda quer minha companhia. — Joguei limpo e nós

sim! Sua presença está me fazendo muito bem… me

Não sabe como me alegra ouvir isso! — Percebi que a deixei constrangida mas rapidamente ela mudou

um uísque? — Indagou chegando até o

Claro que sim! Você me