Loucos Por Ela Capítulo 40

sprite

Bônus*

Gustavo

Tive uma manhã de trabalho tranquila, sem ligações importantes, clientes insatisfeitos ou problemas no financeiro, tampouco reuniões demoradas e exaustivas, com divergências que só trazem dor de cabeça. Estava tudo tão quieto, que comecei a estranhar.

Com a manhã concluída, decidi ir almoçar em casa… Saí da empresa dirigindo e no caminho meu celular começou a tocar. Vi que tratava-se de Felipe e para ele estar ligando em pleno horário de almoço, sinto que minha teoria estava certa, algo não anda bem com a empresa. Liguei o viva do carro e atendi intrigado.

Ao ouvir o que está acontecendo com minha irmã, a ira tomou conta de mim e eu só pensava em ir a seu encontro o mais rápido possível. Anunciei minha ida ao Rio no mesmo instante e encerrei a ligação.

Aumentei a velocidade sem conseguir parar de pensar em Allana e em como darei essa notícia aos meus pais. Não posso me ausentar sem uma justificativa. Ao menos para meu pai devo dizer a verdade.

Cheguei e os vi sentados na sala, com certeza estavam me esperando para almoçar, o que vai ser impossível porque perdi a fome.

Os cumprimentei e chamei meu pai para conversar a sós, pois não quero preocupar minha mãe.

— Pai, tenho que tratar sobre um assunto da empresa com você. Podemos conversar um minuto?

— Claro, vamos até o escritório. — Ele se levantou e caminhou.

— Está tudo bem, Gus? — Minha mãe perguntou desconfiada, então tive que forçar um sorriso que quase não se formou.

— Sim, mãe. Só um fato que ocorreu na empresa, mas nada grave. Com licença. — Falei e dei um beijo em seu rosto, tentando parecer calmo e ela retribui.

Seguimos para o escritório e ao entrar meu pai Indagou:

— Qual é o problema filho? Porque eu não acredito que seja nada com a empresa. Acabei de sair de lá e estava tudo em ordem. Vamos, fale. — Proferiu seriamente, então pensei por um instante e comecei a falar:

— Pai, pedi para conversarmos a sós porque não quero que minha mãe saiba. — Expliquei e continuei. — Felipe me ligou porque Allana está com problemas com o Igor, que não está aceitando o fim do relacionamento e coincidentemente os dois são amigos. Creio que para ele ter tomado a decisão de me alertar, é porque teme que ela esteja correndo perigo.

— Não posso acreditar que minha filha esteja passando por isso. Ele a agrediu? Fez algo a ela? — Questionou alterado e como sei que ele seria capaz de matär aquele infëliz com as próprias mãos se souber, decidi ocultar parte da informação para não deixá-lo ainda mais nervoso.

— Ainda não sei, mas acredito que não, senão Felipe teria dito. Estou indo para lá justamente para assegurar que ela esteja bem. Talvez com a minha presença ele a deixe viver em paz.

— Então vá e fique o tempo que for preciso, mas garanta a segurança de sua irmã. — Ordenou preocupado, e logo em seguida perguntou confuso. — Espera… Felipe e Allana se conhecem?

— Pelo que entendi, Allana é amiga da irmã dele. — Comuniquei o que ouvi de Felipe e ele apenas ficou pensativo. — Pai, vou fazer as malas e já vou.

— Não vai nem almoçar?

— Não… como alguma coisa no avião. Quero chegar o mais rápido possível!

— Ok! Me mantenha informado e cuide muito bem de sua irmã!

— Conte com isso, pai!

Saí do escritório já seguindo para a escada, quando minha mãe me abordou.

— Onde vai, filho? Estávamos te esperando para comer.

eu preciso viajar para o Rio! Recebemos uma proposta irrecusável e Felipe está precisando de minha ajuda para resolver algumas questões pendentes. Assim já aproveito para passar um tempo com Allana. — Discursei inventando uma desculpa e dei um sorriso inverídico.

— Que notícia boa! Fico feliz que esteja tudo indo bem e que você vai fazer companhia para sua irmã. Desde que ela se mudou, não veio nos visitar... Deve estar se sentindo sozinha.

mãe, mas logo ela vem! Bom, agora preciso fazer as malas, o avião já deve estar pronto. — Expliquei e subi para o meu quarto.

Após tudo organizado, me despedi de meus pais e fui rapidamente para o aeroporto. No caminho liguei para minha secretária, que me confirmou estar tudo pronto, então assim que cheguei já embarquei e o avião

Uma hora depois, pousamos no aeroporto do Rio, onde havia um carro da empresa à minha disposição. Entrei no veículo e fui direto ao edifício. O porteiro liberou minha entrada de imediato, a mando de Felipe e no estacionamento vi o carro de Allana e pedi a Deus para não encontrá-la antes da hora.

Segui as informações passadas por ele via mensagem WhatsApp e subi para o 7 andar. Ao avistar seu apartamento, apertei a campainha e quando ele abre a porta entrei ligeiramente pedindo que me contasse tudo.

— Calma, cara… senta aí! — Convidou fechando a porta e caminhamos até a sala. — Quer beber alguma coisa?

Uísque sem gelo. — Respondi e enquanto ele foi pegar, acrescentei. — Estes hematomas em seu rosto, são pelo mesmo motivo que me trouxe aqui?

— Sim, vou te explicar! — Juntou-se a mim, entregando-me o copo com a bebida, sentou em minha frente e começa a relatar. — Sua irmã e a minha são muito amigas. Domingo a noite Allana ligou desesperada para Kate porque em meio a uma discussão, Igor tentou enforcá-la.

Desgraçadø! Eu vou matär aquele filho da püta! Como ele ousa machucar minha irmã?! — Expressei-me completamente enfurecido.

Entendo o que está sentindo, mas deixe-me continuar. — Assenti e ele continuou. — Kate não deixou que Allana voltasse para dormir em seu apartamento, porque Igor pegou uma das chaves sem permissão, então ela dormiu na casa de meus pais. Segunda de manhã eu a trouxe de volta e para assegurar que ele não estava no apartamento, entrei para vasculhar tudo. Como não o encontrei, me ofereci para ajudá-la com um chaveiro de confiança para trocar a fechadura. O problema foi que ele me viu saindo de lá e interpretou mal a situação, então esperou que eu fosse embora e entrou. Eles discutiram novamente e ele tentou forçá-la a ficar com ele. Sorte que eu voltei na hora pra lhe entregar o contato e o tirei de lá, ou então ele teria conseguido o que queria... Allana é muito frágil, não tem chances contra ele.

— Verme malditø! Vou procurá-lo agora! — Me exaltei já me levantando e fui em direção a porta, mas ele me impediu de sair.

— Gustavo, eu sei que é difícil, mas você precisa se controlar para que eu termine de

tem mais? —

Sim. — Sua seriedade me fez temer, então virei o copo de uísque tomando tudo em um só gole e voltei a me sentar. Ele pegou a garrafa e sentou-se também, serviu mais duas doses e

fui almoçar no restaurante de minha preferência e lá encontrei Allana e Kate. Minha irmã me convidou para sentar com elas enquanto Caio não chegava. Logo apareceu o Igor que começou a insultá-la e quis levá-la à força então tive que intervir novamente e nós acabamos brigando mais uma

Por que não me contou antes, Felipe? Eu viria na hora colocar aquele infëliz no

sei e por isso mesmo, desde a primeira agressão eu pedi que ela contasse, mas ela negou e me proibiu. Você conhece sua irmã muito mais do que eu, sabe que

Mesmo assim! Você deveria ter me ligado na primeira vez. Se trata da segurança dela pørra! — Esbravejei completamente irritado.

que errei e peço que me desculpe por isso, mas pensei que trocando a fechadura e barrando a entrada dele aqui no edifício, conseguiria ajudá-la sem a contrariar. O

ela não quer mais que eu me aproxime, porque não gostou que brigamos no meio do restaurante, então não tenho como controlar a situação e sem saber mais como ajudá-la decidi te ligar. — Alegou em sua

Isso não justifica! Você sabe que ela é tudo para mim. Mas vou relevar porque sei que ela é teimosa. Essa mania de querer ser independente e se cuidar sozinha me tira do sério. — Desabafei