Loucos Por Ela Capítulo 42

sprite

Felipe

Após a saída de Gustavo eu não consegui parar de me martirizar.

— Por que fui ligar para ele? Agora Gustavo quer levá-la de volta e eu não tenho como impedir… Mërda! — Andei de um lado para o outro e enfim sentei no sofá.

Abri meu computador e tentei trabalhar para me distrair, mas foi impossível. Não consegui me concentrar. Preciso conversar com alguém e sem dúvidas, Kate é a melhor opção.

Fui até o closet e como eu já estava com uma bermuda jeans, vesti apenas uma camiseta polo e um tênis, peguei as chaves do meu carro e saí.

Já no estacionamento, dei partida no carro e comecei a dirigir. O trânsito estava controlado então decidi ligar o rádio e nesse exato momento, ouvi minha vida resumida em uma música. "Superhuman", o feat entre Chris Brown e Keri Hilson, me fez lembrar de Allana e dei socos no volante enquanto escutava sua voz ecoando que não me quer por perto.

Mais alguns minutos de rodovia e cheguei no condomínio. Guardei meu carro na garagem e ao entrar percebi que tudo estava quieto. Cláudia veio ao meu encontro e informou que minha mãe saiu com Ayla e Kate está trabalhando em seu quarto. Agradeci e subi para falar com ela.

Estava prestes a bater na porta quando ouvi ela ao telefone, então fui até a cozinha beber um copo d'água e fiquei conversando com Cláudia, até que minha irmã apareceu de repente.

— Fe… não sabia que estava aqui! — Disse ao pegar uma maçã da fruteira.

— Cheguei a pouco... Fui ao seu quarto, mas você estava em ligação e eu não quis interromper. Tem um tempo livre? Estou precisando conversar contigo. — Perguntei ansioso enquanto ela mordia a fruta.

— Claro, vamos subir. Só preciso responder um e-mail e conversamos.

Caminhamos para a escada e minha inquietação ficou evidente a ponto de fazê-la comentar:

— Presumo que seja importante… Parece angustiado!

— Sim, estou! Preciso que me ouça e me aconselhe. — Confirmei ao entrarmos em seu quarto e ela se expressou facilmente.

— Pelo visto a coisa é séria! Espera só um minutinho, tá?! É rápido. — Assenti e a mesma foi até o computador.

— Sem problemas, não tenho mais nada para fazer hoje. — Desanimado, deitei na cama e fiquei encarando o teto enquanto ouvia o barulho das teclas misturadas à sua pergunta.

— Não vai voltar para a empresa?

— Não. Estou sem cabeça para trabalhar.

Poucos minutos depois ela terminou e deitou-se ao meu lado.

— Pronto! Primeiro me diz, como estão esses machucados aí?

— Um pouco doloridos, mas não importa. — Me sentei e ela me acompanhou.

— Então me diz, o que está te deixando tão inquieto?

— Você falou com Allana depois que saiu do restaurante?

— Não… Ela estava muito mal, parecia confusa. Achei melhor deixá-la pensar um pouco.

— Confusa? Como assim? — Agora fiquei intrigado.

— Sim! Ela saiu rápido, falando que precisava ir. Não entendi muito bem. Mas o que também não entendi, foi o que aconteceu naquela mesa enquanto eu não estava. O que o Igor viu, que fez com que vocês dois terminassem brigando daquele jeito? — Colocou a mão no queixo e me perguntou fixando nossos olhos e eu prontamente abaixei a cabeça, esquivando-me de tal pressão.

— Você sabe que o Igor está descontrolado. Ele não precisa ver nada de mais para agir daquela forma. Aliás, brigamos porque ele queria levá-la à força e estava a ofendendo. — Justifiquei-me, mas ela não acreditou.

— Tá bom! Digamos que vocês estivessem se comportando adequadamente. — Sorriu e completou. — O que está rolando entre vocês? Perguntei e ela não quis dizer.

— Na verdade nada. Estou tentando, mas ela não quer. — Expliquei cabisbaixo.

— Naquele dia que você estava no apartamento dela, vocês ficaram?

— Ficamos! Mas depois ela falou que foi um erro e desde então está me evitando. Não viu que a expressão dela mudou quando me convidou para sentar com vocês?!

Realmente! Eu percebi mesmo, mas não pensei que meu convite iria incomodá-la.

— A culpa não é sua. Eu que não devia ter aceitado, porque percebi na hora que ela ficou descontente. E talvez, se eu tivesse recusado, nada daquilo teria acontecido, mas eu precisava de respostas!

— Que tipo de respostas?

Sobre os sentimentos dela. Às vezes demonstra se importar, do nada já não quer aproximação. Não consigo entender!

Olha, uma coisa é fato, sua presença deixa ela muito nervosa. Isso ficou claro para todos, desde aquele almoço. E não só ela, como você também muda. Mas os seus motivos nós já sabemos, agora os dela…

— Você acha que ela não sente o mesmo?

— Acho que ela tem medo.

— Do Igor?

De relacionamentos! Ela tem 21 anos, e Igor foi seu primeiro namorado. Acredito que depois dessa experiência tóxica, ela vai demorar para aceitar alguém em sua vida de novo, até mesmo

ela havia me dito que nunca namorou antes e com certeza vai se fechar de novo. Mas na verdade o problema maior é outro. — Pronunciei coçando a cabeça

— Então me conta, o que está te preocupando?

Tentei conversar com ela do lado de fora do restaurante, mas ela não quis nem me ouvir e com sua rejeição, a situação saiu do meu controle, então me vi obrigado a comunicar o Gustavo. — Falei e ela arregalou os olhos totalmente desacreditada.

— Você fez o quê?

eu não tive escolha. Aquele imbecil do Igor não a deixa viver tranquilamente e ela não me quer por perto. Eu a amo, e não posso protegê-la. Entende?

Fe, presta atenção, eu acho que você fez o correto. Aliás, isso deveria ter sido feito desde a primeira agressão, mas quando ela souber que você avisou o irmão contra a vontade dela, a sua situação vai se complicar ainda mais.

Já se complicou! — Pronunciei ao respirar fundo e ela interrogou-me

que quer dizer? Ela já

mas agora não consigo parar de me culpar porque o Gustavo já está no Rio e veio disposto a levá-la de volta. — Desabafei completamente desolado e a mesma tentou

Irmão, não se culpe… você fez o melhor que podia! Agiu pensando na segurança dela e mesmo que ela fique distante, ao menos saberemos que estará

conversa foi interrompida por batidas na

— Nossa mãe perguntou ao abrir a

que não mãe! Junte-se a nós. — Minha irmã discursou sorrindo e eu também

Que machucados são esses filho? — Indagou aflita ao colocar uma das mãos sobre

Ai! — Reclamei fechando os olhos. — Não foi nada

é resultado dos sentimentos de meu irmão por Allana, mãe! O Fe presenciou Igor insultando ela. — Kate falou sem cerimônias e eu a olhei

Felipe, as coisas não se resolvem com agressões. — Minha mãe

sei mãe, mas perdi a cabeça. — Aleguei tentando fazê-la desistir da advertência, mas não

Então se controle! Ao longo da vida existirão muitas situações desagradáveis, onde você precisará respirar fundo e seguir em frente sem violência. — Encerra a bronca e em seguida pergunta. — Mas falando em Allana, aconteceu alguma coisa? Achei ela um pouco agitada

eu nos encaramos confusos, então ela

não estamos entendendo. Do que está falando?