O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 332

A senhora deu de ombros e disse:

― Não posso fazer nada. Este protocolo não está registrado no banco de dados. ―

― Você está insinuando que minha filha apresentou um documento ilegal? Como ousa! Deve haver algo errado com seu banco de dados! ―

― Já atualizei várias vezes. ― A senhora ficava impaciente. Afinal, ainda havia pessoas na fila.

― Tente de novo... ― Sarah queria entregar o protocolo para a senhora, mais uma vez, mas Anne a impediu.

― Vamos embora, mãe. ―

Assim que as duas saíram, a senhora telefonou para os seus superiores, avisando-os da sua situação.

― O que está acontecendo? Como isso é possível? ― Sarah esbravejava, indignada.

Mas, por outro lado, Anne não ficou nem um pouco surpresa e continuava tão calma quanto antes.

― Mãe... Você sabe exatamente o que está acontecendo. Eu só não esperava que Anthony agiria tão rapidamente. ― Ou o magnata tinha conseguido impedir o cadastramento do protocolo ou a identidade de Anne tinha sido deletada do banco de dados.

Com melancolia, a jovem abaixou os olhos e sentiu que não havia mais esperanças para ela, naquela vida.

― Vamos voltar para casa... ― decidiu Sarah, com a voz carregada de tristeza e Anne apenas a seguiu, sem dizer nada.

Ajudando a carregar as malas da mãe, Anne apenas a seguia de um lado para o outro, como se fosse um ser sem vontade ou opinião própria. Mas, depois que chegaram, por mais que Sarah tivesse tentado persuadir a filha de ficar morando na mansão, Anne apenas se despediu e voltou para seu apartamento.

Como as crianças ainda estavam na escola, Anne apenas se jogou no sofá de seu apartamento e se deixou envolver por pensamentos. Se Anthony tivesse mesmo conseguido apagar os documentos da jovem dos bancos de dados, mesmo que o monstro devolvesse os documentos, eles não serviriam de nada.

O magnata era realmente um demônio e aquilo era assustador. Anne não via escapatória e se sentia sozinha e impotente.

Entretanto, um pensamento cruzou sua mente e sua expressão, antes apática, ficou extremamente tensa e ela se ajeitou no sofá, enquanto checava a posição de Anthony no aplicativo e, assim que abriu, seu corpo congelou e ela olhou para a porta fechada com uma cara assustada, como se o diabo estivesse esperando do lado de fora.

Tudo parou por um momento, exceto pelas batidas rápidas de seu coração.

― Abra a porta. ― A voz grave e cruel soou e o telefone na mão de Anne caiu no chão. Ela quase parou de respirar.

Como o aplicativo tinha mostrado, o demônio realmente estava do lado de fora. Mas, Anne recobrou o juízo, pegou o celular no chão e desligou. Então, se levantou, organizou suas emoções e caminhou para abrir a porta.

Mas, assim que a porta se abriu, mãos fortes do lado de fora se estenderam e agarraram seu pescoço.

O pescoço delicado de Anne estava tenso a ponto de ela não conseguir respirar, enquanto seu corpo foi empurrado contra a parede e seu rosto ficava vermelho pela interrupção da circulação de sangue. Ela tentou se livrar dos dedos fortes, mas ele não se mexeu.

O rosto diabólico de Anthony se aproximou do dela.

― Como você ousa tentar fugir? Não fui claro? ―

― ...Eu não... não fugi... ― Anne disse, com os dentes cerrados.

Anthony tinha um sorriso sarcástico no rosto, enquanto perguntava:

― Você acha que é divertido, não é? ―

Anne sentiu que o aperto em seu pescoço aumentava em intensidade e seu cérebro ficou confuso, devido à falta de ar.

― Você tem que... ser tão cruel? ―

― Eu deveria ter deixado aquela cadela morrer e ordenado que você recolhesse o corpo dela! ― O rosto de Anthony era sombrio.

― Eu preferiria que você simplesmente me matasse... ― Anne não conseguiu dizer mais nada depois disso.

Todo o campo de visão da jovem se tornou um borrão e quando ela teve certeza de que seria estrangulada até a morte, os lábios finos do demônio pressionaram os dela, beijando-a profundamente enquanto, ao mesmo tempo, ele soltava o aperto do pescoço.

Anne sugou o ar avidamente, inalando o cheiro de Anthony ao longo do caminho. Os dois estavam tão emaranhados que não podiam ser separados.

Os olhos de Anthony estavam sombrios enquanto enlaçava a cintura de Anne. Entretanto, tudo o que a jovem conseguia fazer era lutar por oxigênio.

Mas, conforme sua consciência voltava, a jovem era inundada por tanta raiva que desistiu da passividade e partiu para o ataque. Anthony foi pego de surpresa, recuou, e suas costas fortes bateram diretamente em um dos móveis que caiu no chão.

Anne parecia estar perdendo a cabeça, enquanto continuava o ataque, violentamente, como se quisesse lutar até a morte para se vingar de sua violência contra ela.

Anthony caiu para trás, tropeçando no banquinho onde Anne costumava trocar os sapatos, e sua adrenalina aumentou de excitação quando viu que Anne realmente tentava machucá-lo.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata