O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 344

Vendo o sorriso triste do pai, ao falar de Sarah, Anne não sabia o que pensar, pois, conhecendo toda a verdade, começou a sentir o peso das injustiças que sua mãe sofreu e também lamentava por si mesma.

Sua mãe e seu pai estavam perto dela, mas eles não eram família, nunca tinham sido. Durante quase metade de sua vida, Anne vagou por aí, em famílias que não eram a sua.

― Você ainda tem sentimentos por minha mãe? ― perguntou Anne.

Nigel não esperava que ela perguntasse aquilo e ficou sem palavras, sem conseguir pensar no que responder. Então a jovem cansou de esperar e fez uma nova pergunta:

― Você voltou com Dorothy só por causa de Bianca? ―

Nigel também não respondeu, mas a resposta ficou óbvia. Ela já sabia daquilo, mas, uma coisa era Tommy dizer a ela, outra coisa era ele mesmo provar.

No final, Nigel teve sorte. Sarah não contou a ele que estava grávida, então não precisou escolher.

Anne não perguntou a ele qual seria sua escolha se ele soubesse da gravidez de Sarah, pois, apesar de tudo, não queria que Nigel ficasse envergonhado. Entretanto, como se lesse seus pensamentos, Nigel respondeu:

― Se eu soubesse que sua mãe estava grávida de você, minha escolha teria sido diferente ―

Anne olhou para ele com surpresa e Nigel levantou a mão e tocou a cabeça dela, mostrando o amor de seu pai.

― Eu realmente não esperava ter uma filha tão incrível. ―

Anne parecia um pouco desconfortável.

― Eu não sou incrível. Sou muito pior que Bianca... ―

― Como minha filha pode não ser incrível? Anne, você não precisa se comparar com ninguém. Você já é muito boa, na minha opinião. ―

Anne não refutou e até gostou quando ele disse aquilo, mesmo sabendo que o homem não sabia nada sobre ela.

― Eu sei que você começou um ensino superior em uma universidade prestigiada na França, o que significa que seu QI é muito alto. A propósito, eu me formei lá, acredita? ―

Os olhos de Anne brilharam e ela se sentiu animada. Como poderia haver uma coincidência como aquela? A universidade que frequentou para deixar Hubert era a mesma que seu pai tinha frequentado.

Por algum motivo, aquilo a deixou feliz.

― Pelo contrário, Bianca é mais inclinada para a arte e herda os talentos de sua mãe. ― Nigel fez uma pausa. ― Mas, por que você saiu sem se formar? Foi por causa das mensalidades? ―

Anne virou o rosto. Ela não poderia dizer que foi forçada a abandonar a escola porque deu à luz três filhos.

― Eu tinha uma bolsa de estudos, mas tinha outros gastos... ― disse Anne.

Então, Anne não tinha dinheiro. Nigel sabia que quando a jovem foi para o exterior, tinha cortado todas as conexões com Sarah e se sentiu ainda mais culpado.

― Vai ficar tudo bem daqui para frente. Vou te proteger. Como da última vez, não importa o que aconteça, você deve ligar para mim, o mais rápido possível para que eu apareça a tempo. Você entendeu? ― Nigel disse.

A educação paterna era de extrema importância no crescimento de uma criança e Anne agora entendia porquê. Além de Sarah, agora existia mais uma pessoa disposta a estar por perto a qualquer custo

Anne ficou de bom humor e sorriu.

― Eu vou ligar. ―

Nigel deu carona para Anne, a deixou na frente do prédio e ficou esperando até que ela entrasse, antes de partir.

Anne fechou a porta, deitada no sofá e abraçada ao travesseiro, sentindo-se muito feliz.

Ela tinha um pai que não a abandonou. Melhor que isso, ele havia dito que teria feito outra escolha se soubesse de sua existência.

Anne não esperava que seu pai sentisse remorso pelo que fez e ficou surpresa com a descoberta.

Quando a batida na porta tocou, Anne pensou que era Nigel, que havia saído e voltado, levantou-se apressadamente e correu, abrindo a porta.

― O que... ―

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata