O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 478

Anthony parou abruptamente e encarou Anne de forma intimidadora.

— Lucas Newman está parado a dez metros de nós. Você já descobriu o que vai fazer? — Seus olhos fixaram-se nos do outro homem.

O coração de Anne disparou, enquanto tentava recuperar o fôlego diante da situação. Ela não podia ignorar o fato de que Lucas não desistiria facilmente. Suas palavras na escola haviam deixado uma lacuna que ele estava determinado a preencher com uma explicação. Anthony, por sua vez, já havia previsto essa possibilidade.

Anne tomou uma inspiração profunda e decidiu agir. Se aproximou de Anthony e parou bem diante dele. Com um gesto rápido, envolveu os braços ao redor do pescoço dele e pressionou seus lábios contra os dele, movendo-se com delicadeza, como se estivesse beijando o homem que amava verdadeiramente.

Anthony correspondeu ao beijo, envolvendo-a pela cintura e a puxando ainda mais para perto. A intensidade do momento era evidente, mas Anne não conseguia ignorar o olhar de Lucas à distância. O diretor, com os punhos cerrados, observava a cena, seu peito pesado de emoções. Seus olhos, de início cheios de choque, se transformaram aos poucos em indiferença antes de ele se virar e partir.

Ao notar a partida dele, Anne se afastou rapidamente de Anthony. Sua voz soou um tanto frustrada quando disse:

— Ele se foi agora. Satisfeito? —

— Isso deveria ser uma pergunta para mim? — Anthony estreitou os olhos perigosamente, desafiando suas palavras.

Percebendo que estava agindo de forma impaciente, a jovem forçou um sorriso falso:

— Esqueça. —

Anthony olhou-a nos olhos por um momento antes de entrar em seu carro. A porta se fechou e o Rolls-Royce desapareceu ao longe.

Anne voltou seu olhar para o local onde Lucas estivera, sentindo um vazio deixado para trás, uma conexão que deveria ser destinada a outra pessoa. Ela sabia que havia machucado Lucas, mas acreditava que acabar com isso era a melhor escolha, tanto para ele quanto para si mesma.

Com um suspiro resignado, Anne voltou para o sexto andar, onde seus filhos a aguardavam. Seus olhares inocentes e sorrisos calorosos derreteram o coração de Anne. Ela reconhecia, do fundo de seu coração, que sem a ajuda de Lucas, ela não teria sido capaz de cuidar de seus filhos. Sentiu-se grata por todo o apoio que ele havia fornecido, enquanto uma pontada de tristeza a invadia por ter causado dor a alguém que um dia significara tanto para ela. Anne sentia-se culpada por Lucas e esperava que ele não guardasse ressentimentos, mas sabia que não havia nada que pudesse ter feito para evitar a situação.

-

Era tarde da noite quando Bianca chegou à área onde Anne morava. Ela percorreu todo o caminho para verificar Anne, em busca de possíveis marcas suspeitas em seu corpo, conforme as palavras de Dorothy. Uma vez que Bianca confirmasse isso, ninguém mais associaria o desaparecimento de Anne a Anthony.

Bianca bateu na porta de Anne com desprezo, mas ninguém atendeu. No entanto, eram apenas nove horas, e era improvável que Anne já estivesse dormindo. Ela continuou batendo e chutando a porta, mas o único som que ouvia era o silêncio que permeava o apartamento.

Bianca pegou o telefone para ligar para Anne, mas hesitou antes de discar o número. Se Anne não estava em casa, poderia estar com Anthony? Decidida, ela dirigiu-se imediatamente ao escritório do Grupo Arquiduque e encontrou Anthony trabalhando em sua mesa.

— Por que você está aqui a essa hora? — Ele perguntou, sem expressão.

— Estava a caminho de casa e resolvi passar para ver você. — Bianca observou os diversos documentos espalhados pela mesa, impressionada com a intensidade da vida profissional de Anthony. — Na verdade, vim do apartamento de Anne, mas ela não estava lá. —

— É mesmo? — Anthony respondeu, desinteressado.

— Sim, bati várias vezes na porta e até chutei, mas não obtive resposta. Ela também não atendeu o telefone. Talvez esteja hibernando. — disse Bianca.

— Talvez. — Ele não demonstrava grande interesse pelo assunto.

— Quanto tempo mais você precisa ficar aqui? Posso te fazer companhia. —

— Está tudo bem. Vá para casa. Isso vai levar muito tempo — respondeu Anthony, mantendo sua postura séria e focada no trabalho.

Bianca suspirou, compreendendo que não havia muito o que pudesse fazer. Ela se despediu de Anthony e saiu do escritório, preocupada com o paradeiro de Anne. Enquanto dirigia de volta para casa, Bianca se perguntava onde aquela mulher medíocre poderia estar.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata