O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 534

— Olá! Quem é? —

— É Anne! —

— O quê? Senhorita Vallois? Senhorita Vallois, é você mesmo? — A babá disse em estado de choque.

Anne estranhou o tom exagerado na voz da mulher, mas quando estava prestes a perguntar, ouviu as vozes animadas das três crianças.

— Mamãe! —

— Você está bem? —

— Quero ouvir a voz da mamãe! —

A babá ligou o viva-voz e ouviu-se a voz de Anne.

— É a mamãe! Sentiram minha falta? —

— Nós sentimos! — As três crianças disseram em uníssono.

— Não consegui dormir. Fiquei pensando na mamãe a noite inteira! —

— Mamãe, uma mulher má disse que seu avião caiu no mar! É verdade? — Chris perguntou.

Os outros dois aguçaram os ouvidos para ouvir.

— Claro que não! Se fosse, como eu ainda poderia ligar para vocês? — Anne explicou rapidamente.

— Então eu quero fazer uma videochamada para mamãe! — disse Chloé.

— Ah, na verdade... — Anne não esperava que eles quisessem uma videochamada. — Mamãe não está podendo agora. Haverá pessoas nos inspecionando hoje, e terei que trabalhar horas extras se for pega usando o celular. —

— Mamãe, já são quase seis horas! Você ainda não saiu do trabalho? — Charlie perguntou.

— Eu saio do trabalho às seis horas. Que tal eu ligar para vocês às oito? —

— Ótimo! —

Anne queria dizer mais alguma coisa, mas houve uma batida na porta, que se abriu em seguida, então a moça rapidamente desligou o telefone. A doutora Brown viu a acamada jogar o telefone de lado e observou seu rosto brilhar de pânico.

— Vou fazer uns exames em você. Como você está se sentindo hoje? —

— São exames demais! Eu não sinto mais dor! — Disse Anne.

A doutora Brown sorriu e disse:

— Eu também acho, mas devemos seguir as ordens do senhor Marwood. Ele se preocupa muito com você, sabia? —

— Anthony se preocupa comigo agora, mas estaria disposto a me jogar no mar para alimentar os peixes no minuto seguinte a minha melhora. — Disse Anne.

A doutora Brown não respondeu.

— Ele causou tudo o que aconteceu com ela, você sabe, não é? Você está me dizendo que minha filha tem que agradecer àquele demônio? — Sarah empurrou a porta e olhou para a médica com desgosto. — Podemos pular a conversa fiada. —

— Desculpe. — A doutora Brown saiu depois de checar Anne.

— Mãe, por que você disse isso a ela? A doutora Brown sempre cuidou bem de mim. — Anne reclamou.

— Ela é a médica de Anthony e fará qualquer coisa de acordo com o que ele mandar. Enquanto o homem der ordens, ela as seguirá. — Sarah notou que a expressão de Anne ficou feia e acrescentou: — Está bem! Se finja de cega! —

— O que você disse ao papai? —

— Nada! O que tinha para falar? Voltei depois que ele entrou no carro. —

Anne pretendia fazer uma videochamada para seus filhos à noite, então ela queria fingir ir para a cama cedo para que Sarah retornasse ao seu próprio quarto.

— Não são nem sete horas, e você já está querendo dormir? —

— Eu me sinto um pouco sonolenta. —

— Certo, quanto mais você descansar, mais rápida será a sua recuperação. —

Sarah fez a cama para Anne, cobriu-a com uma colcha, apagou as luzes, deixou uma lamparina para ela e saiu. Assim que a mãe sumiu de vista, Anne abriu os olhos imediatamente, pegou o celular e fez uma videochamada para as crianças. Assim que a ligação foi conectada, os rostinhos de seus três bebês apareceram na tela.

— Mamãe! — As crianças gritaram, ao mesmo tempo.

Anne conseguiu se conter quando estivera no telefone mais cedo, mas agora que via as três crianças em tempo real, seus olhos estavam cheios de lágrimas.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata