O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 573

Anne disse:

— Nada demais. Só dormi demais durante o dia. —

Nigel verificou o travesseiro atrás dela e disse:

— Você não está usando o travesseiro de penas que comprei para você? —

— Felizmente, eu tinha o travesseiro de penas. Caso contrário, eu ficaria acordada a noite toda. — disse Anne.

Nigel riu.

— Apenas me avise sempre que precisar de alguma coisa. —

— Eu irei. —

Sarah sentou-se ao lado da cama, Nigel sentou-se no sofá e os dois observaram Anne comer. Logo, Sarah perguntou:

— O que o manteve ocupado recentemente? —

— É mais ou menos a mesma coisa todos os dias. — Nigel disse.

— Por que você ainda está trabalhando tanto? Suas filhas estão crescidas e seu futuro genro é a pessoa mais poderosa de Luton. Mesmo que sua esposa seja uma grande gastadora, você não precisará de tanto dinheiro. — Disse Sarah.

— Não, só estou acostumado a viver assim. —

— Você ainda é o mesmo de antes. — Disse Sarah.

Os dois ficaram um pouco estranhos quando o passado foi mencionado. Anne ouviu em silêncio ao lado e não interveio na conversa, fingindo que era invisível. Ela sentiu que seu pai não devia saber sobre as crianças. Caso contrário, o homem não estaria se comportando com tanta calma.

Então, Anne deveria aproveitar que os dois pais estavam lá para contar? Talvez, mas, justamente quando a moça estava debatendo consigo mesma sobre a possibilidade de contar a eles ou não, a porta da sala foi aberta, de uma forma tão agressiva que até Sarah e Nigel ficaram chocados. Dorothy entrou furiosa e imediatamente apontou para Anne.

— Sua vagabunda, preciso te ensinar uma lição hoje! —

Então, ela avançou, e Bianca, que estava atrás da mãe, não a impediu. Dorothy agarrou e puxou o cabelo de Anne.

— Ai! Me solta! — Anne sentiu a dor.

— Dorothy! — Sarah gritou em choque.

Nigel não esperava que Dorothy fizesse aquilo, então a puxou tarde demais.

— Solte ela, Dorothy! —

— De jeito nenhum! Eu não vou deixá-la ir! — Dorothy não se importava mais com sua imagem e puxou o cabelo de Anne teimosamente.

Nigel não teve escolha a não ser arrancar os dedos de Dorothy com força, fazendo a mulher gritar de frustração, antes de ser empurrada.

— Nigel, como você ousa me tratar assim?! — Dorothy não podia acreditar e estava gritando furiosamente.

Nigel verificou o couro cabeludo de Anne com pesar e virou-se para Sarah, que tinha uma expressão de raiva pura.

— Sua louca! Você deveria ser presa! — Sarah estava se segurando para não voar na agressora de sua filha, até que não resistiu, avançou até Dorothy e lhe deu um poderoso tapa na cara.

— Mãe! — Bianca avançou para proteger Dorothy. Ela se virou e olhou para Sarah com raiva. — Eu vou fazer você pagar por isso, sua puta! —

— Quem foi que começou a briga? Vamos, cachorra, eu consigo quebrar você até doente! Um tapa não bastou! — Anne também ficou com sangue quente.

Sarah foi o maior inimigo de Dorothy em sua vida, então embates físicos sempre estiveram a uma fagulha de acontecer. Assim, a mulher avançou contra a mãe de Anne mais uma vez, e nem mesmo Bianca conseguiu detê-la. Anne, com medo de que Sarah pudesse se machucar, queria sair da cama para detê-las, mas teve dificuldade. Felizmente, Nigel avançou para separá-las e disse:

— Chega! —

Dorothy começou a chorar.

— Nigel, eu sou sua esposa! Você está ficando do lado dessa suja?! Você sabe quanta injustiça sua filha sofreu por causa delas?! —

— Você está louca, Dorothy?! Isso é jeito de se comportar?! Você acha que está certa em algum sentido, agindo assim?! — Nigel estava bastante irritado.

Anne conseguiu sair da cama e puxou a mãe para o outro lado para que ela não voltasse para a briga. As duas sabiam que Dorothy não pararia nunca de agir daquela maneira com elas, então caberia a Nigel colocar um basta na situação.

— A vagabunda da sua filha com aquela vadia teve três filhos no exterior, anos atrás! — Dorothy apontou para Anne. Seus dedos afiados desejavam sufocá-la até a morte.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata