O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 630

Tinha mais estilos do que uma loja infantil. Anne apenas casualmente navegou e notou que eram todas as marcas de luxo com as quais ela nunca sonharia. Aquela era a diferença entre deixar os filhos morarem com o pai deles e com a mãe, que não tinha recursos. Havia um mundo de diferença entre os dois. Enquanto pensava nisso, a moça se virou e notou Charlie fechando um armário e parando ali com uma expressão cautelosa. Nem é preciso dizer que Chloe certamente estava escondida no armário.

— Deixa eu dar uma olhada. É aqui... — Anne não podia deixar Chloe se esconder por muito tempo, para não ser injusta. Assim, ela abriu as portas do armário.

— Ah! Mamãe me encontrou! — O rosto de Chloe corava animadamente.

Anne se ajoelhou na frente dela e a cutucou em suas bochechas gordinhas.

— Te encontrei, porquinha! —

— Mamãe, não, não me pegue! — Disse Chloe enquanto corria para fora.

— Hahaha! Não! — Anne seguiu Chloe, fazendo cócegas sob seus bracinhos.

— Papai! —

— Não adianta, o papai não vai vir. Deixa a mamãe te morder! — Anne corria atrás.

— Ah! Mamãe, socorro! — Chloe pulou na cama.

— Mamãe vai pegar e fazer mais cócegas! —

— Mamãe, socorro! Chris! Charlie! —

Anthony ficou sem palavras enquanto olhava para Anne, cujos shorts deixavam escapar a popa da bunda, enquanto a moça não percebia, distraída na brincadeira com a filha. Ele caminhou e levantou diretamente a bainha do pijama dela.

— Ai, meu Deus! — Anne, que estava feliz mordendo Chloe, de repente sentiu a roupa cobrir a brisa que nem percebia que sentia na bunda. Ela pensou que era obra de Charlie, mas então pensou que os filhos não ligariam para isso. Num instante, sentou-se no chão para ver Anthony de pé, encarando-a com um olhar escuro e frio.

Uma pitada de mal-estar passou pelo rosto de Anne, pensando em como o homem deveria tê-la visto brincando como uma criança há pouco. Ela se recordou que Chloe havia chamado o pai, então Anthony deve ter ouvido e ficado ali, desde aquele momento. Que vergonha...

No entanto, mesmo que fosse esse o caso, o homem ainda não deveria ter levantado o pijama dela como se fosse um crime, certo? Não havia qualquer tipo de tabu entre ela e as crianças em relação à nudez, que sempre tratara com naturalidade.

— Eu estava apenas brincando com Chloe... — Anne disse enquanto ajeitava o abraço da filha ao redor de seu pescoço. Chloe sorriu tanto que suas bochechas estavam corando. Ela largou a mãe pulou em direção a Anthony.

— Papai, por que você está aqui? —

Anthony a pegou e arrumou seu pijama.

— Eu sei! Você está aqui para dormir com a gente! — Com esse pensamento, Chloe ficou encantada. Em seguida, ela perguntou: — Papai, você ainda não tomou banho, né? Você só pode subir na cama depois que tomar banho. —

— É tarde, vá para a cama com seus irmãos. — Anthony determinou.

Anne se perguntou se Anthony realmente iria dormir com eles, mas concluiu que era improvável. No entanto, tudo se desviou severamente do que ela tinha em mente, porque o magnata realmente tinha esse objetivo, e apareceu lá depois de tomar banho. Os adultos se posicionaram dos dois lados, enquanto as crianças estavam no meio. Os trigêmeos ficaram excepcionalmente felizes, olhavam para o pai por um tempo, depois olhavam para a mãe. Eles até ousavam se jogar sobre Anthony para perturbá-lo, enquanto Anne fingia que não percebia.

— Durmam. — Anthony colocou Charlie para baixo e parou os trigêmeos. — Fechem os olhos. —

— Quero que papai e mamãe durmam comigo todas as noites no futuro! — Os olhos enormes de Chloe pareciam muito sérios.

Anne olhou para Anthony e começou a se perguntar como ele responderia às crianças. O magnata sempre foi um homem sem coração, mas tratava as crianças de forma diferente de como a tratava. A mulher não se importava se fosse ela mesma, mas esperava que o homem tratasse bem os seus filhos, para que ninguém pudesse intimidá-los, o que, naturalmente, incluiria pessoas como Bianca e os outros...

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata