O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 638

Se funcionasse, o trabalho de Anne e Sarah seria desperdiçado e elas ficariam completamente destruídas. Assim, Dorothy foi embora do hospital mas, ao chegar em casa, viu Nigel, que estava saindo, por isso perguntou:

— Você voltou? —

Nigel entrou no carro e disse friamente:

— Voltei para pegar alguns documentos. —

Dorothy sentiu uma onda de raiva no coração e disse imediatamente:

— Bianca está hospitalizada. Você não sabe disso, não é? —

Nigel fez uma pausa quando abriu a porta e olhou para ela.

— Olha como você é ignorante. Você nem sabe o que aconteceu com sua filha. — Dorothy tentou deixá-lo com remorso.

— O que aconteceu com ela? Isso é sério? — Nigel viu Bianca em casa no dia anterior e ela parecia bem naquele momento.

— Ela encontrou Anne quando foi para a Mansão Real, e as duas conversaram, mas Bianca foi empurrada escada abaixo e teve uma concussão. Sua filha a empurrou! Ela estava tentando matar Bianca? — Dorothy pareceu indignada.

— Impossível! Anne não faria isso! — Nigel não conseguia acreditar.

— Até Anthony acredita, por que você não? Ela entrou para a família Marwood quando tinha doze anos, você acha que a conhece melhor do que Anthony? — Dorothy argumentou.

Nigel levantou o vidro e deu a partida. Enquanto dirigia, o homem ligou para Bianca e quis saber em que hospital ela se encontrava, para lhe fazer uma visita. Meia hora depois, entrando na enfermaria, viu que só Bianca estava lá. Observando a gaze enrolada na cabeça da filha, Nigel perguntou preocupado:

— Como você está se sentindo? O que a médica disse? É grave? —

— Tive uma concussão e quase fiquei em estado vegetativo. Felizmente, a doutora Brown tem excelentes habilidades médicas. Ela disse que eu poderia ir para casa e me recuperaria em alguns dias. —

— Por que você não me ligou antes? Eu teria vindo na hora! —

— Eu não queria chatear você, então não quis contar. Até porque você me perguntaria sobre o ocorrido e eu diria que Anne me empurrou. O que mais você poderia fazer sobre isso? Ela é sua filha preciosa, não é? Não é ela a sua favorita? — Bianca atacou os sentimentos do pai.

— O que quer que você diga, vocês duas são minhas filhas. Não importa quem seja a culpada, as duas são repreendidas quando precisam ser. Por que vocês duas não podem viver em harmonia? Vocês são irmãs! — Disse Nigel.

— Você acha que o problema é meu? Anthony é meu noivo, mas ela quer tirá-lo de mim só porque tem três filhos. Eu já disse que tratarei bem os filhos dela, mas olha o que ela fez comigo! Ela seduziu Anthony quando ele e eu estávamos prestes a obter nossa certidão de casamento. Não vou esquecer isso! Se você tivesse resolvido o problema da última vez, o que aconteceu hoje não teria acontecido. Agora não preciso que você procure justiça para mim, eu tenho Anthony, é o suficiente. —

Nigel sentiu que a última frase parecia errada.

— O que Anthony fez com Anne? —

— Não sei, mas tenho certeza de que ela terá o que merece, ou meu sofrimento será em vão. —

Nigel se levantou e disse:

— Descanse bem, virei te ver mais tarde. —

Bianca observou Nigel sair e soube que iria procurar Anne, mas isso não importava. Com Anthony ao lado dela, ninguém poderia ajudar sua irmã.

-

Enquanto isso, Anne não conseguia se concentrar em nada, e seu cérebro parecia confuso. A moça pensava que os filhos eram sua última esperança. Se as crianças implorassem pela presença dela, Anthony a perdoaria? Ela teria a chance de ir à Mansão Real ver seus filhos? Talvez as crianças começassem a sentir falta dela e a visitassem em casa, como fizeram da última vez. Contanto que ela esperasse pacientemente, tudo ficaria bem, certo?

Quando o telefone tocou, Anne olhou apressadamente para o aparelho e viu que era Nigel. Àquela altura, todo mundo devia saber que ela teria empurrado Bianca. No fim, todos acreditaram em sua irmã? Resignada, ela ouviu o pai avisar que chegara ao prédio e subia as escadas. Minutos depois, houve uma batida na porta, então a moça se aproximou para abrir. Nigel entrou, e a expressão de Anne o preocupou.

— Vim visitar você. Já comeu algo hoje? —

— Eu comi. — Anne fechou a porta, sem acreditar que Nigel tivesse aparecido só para ver se ela havia comido. — Você veio perguntar sobre Bianca? —

— Por que vocês duas não conseguem ficar em harmonia? Sinto-me muito desconfortável quando vocês entram em conflito. —

— Eu sei, mas ainda não quero que meu pai me confunda com o tipo de pessoa que empurraria alguém escada abaixo, mesmo que fosse Bianca. Ela ficou no topo da escada e se jogou quando Anthony entrou pela porta. Ela disse que eu a empurrei, mas que bem isso faria para mim? Agora Anthony disse que não me deixará mais ver das crianças, que vão continuar na Mansão Real. O que devo fazer sobre isso? —

Nigel concordou, mas também era difícil aceitar que Bianca faria tal coisa.

— Como Anthony não deixará você ver as crianças? Isso é um absurdo! Vamos até a Mansão Real agora! Duvido que ele vá me impedir. — Disse Nigel.

No entanto, Anne ficou prostrada, sem se mover.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata