Bela Flor - Romance gay Capítulo sete

sprite

Depois do almoço, ele ainda conseguiu me arrastar para o shopping e ficamos por horas naquele lugar.

Sério, acho que Jackson é o único ser humano que se ficasse uma semana inteirinha no shopping para fazer compras, ele ficaria feliz.

Mas não vou reclamar muito porque acabei ganhando dois conjuntos de moletom ㅡ do bom! ㅡ de presente dele, mas eu ainda vou cobrar o que ele levou e nunca devolveu.

Quando chego em casa para aproveitar o restante do meu dia de folga, sinto uma grande necessidade de apenas cair na cama e dormir até a hora da minha escravidão diária recomeçar.

E eu até faço, mas não durmo. Fico por minutos olhando para o teto empoeirado e sentindo uma grande agonia dentro de mim.

Eu preciso falar com Park, preciso dar uma resposta, ele ainda deve estar esperando.

Assim espero...

Então, é buscando o cartão que já está um tanto amassado no fundo da minha gaveta que sento na beirada da cama, respirando fundo, tentando tomar coragem para digitar aqueles poucos números no meu celular.

Não é uma coisa tão difícil de fazer, sinto como se meu coração quisesse sair pela boca e minhas mãos estão suando como nunca soaram antes. É agoniante.

É puro nervosismo.

Mas eu disco número por número com vagareza e com um leve tremor nas mãos, ponho o celular sobre meu ouvido, ouvindo cada toque angustiante percorrer, fazendo cada segundo parecer minuto, e cada instante uma eternidade.

Até que eu ouço.

ㅡ Você demorou. ㅡ ele atende, com seu tom de riso.

Eu franzo o cenho, e até afasto o aparelho para chegar se é mesmo o número correto que está em chamada. Então volto a ouvir o som de sua respiração e engulo em seco.

ㅡ Não irá falar nada, Jaejun?

Suspiro, surpreso.

ㅡ Como sabe que sou eu?

ㅡ Somente você tem esse número.

ㅡ Mas estava no cartão... ㅡ falo, olhando o pedaço de papel. ㅡ é impossível que só eu tenha esse número.

ㅡ É um cartão especial para alguém especial. Apenas um o teve. Você.

ㅡ Ah... ㅡ eu mordisco o lábio inferior ouvindo meu coração ecoar suas batidas forte e rápidas, enquanto também ouço outra risada baixa dele ㅡ Não te atrapalhei, né?

ㅡ Não, tudo bem. ㅡ ele diz. ㅡ Então, ligou para me dar uma resposta?

ㅡ É... Sim, eu acho que sim.

ㅡ Tudo bem. Diga.

Sinto meu corpo tremer.

"Pela santa, Jaejun, você parece um pinscher!"

Na moral, eu posso mandar minha própria consciência se foder?

ㅡ É que... Bom, você disse que tinha algo para... hm, me ensinar, lembra? Estou curioso.

A essa altura minhas bochechas já estão vermelhas de vergonha e eu nem consigo imaginar o rosto dele ao me ouvir, ou tenho certeza que fico ainda pior.

ㅡ Tudo bem, Jeon, mas antes de qualquer coisa, você está livre?

ㅡ Como assim?

ㅡ Está livre?

ㅡ Livre, tipo... Agora, agorinha?

ㅡ Sim.

Demorei um pouco a responder, e até olhei para minha imagem no espelho grudado na porta do meu guarda-roupa.

Eu estava totalmente despreparado para algo e ainda mais com ele.

ㅡ Hm... Não. Infelizmente não. ㅡ tento soar firme, mas ouço Park rir baixinho outra vez, e cacete, eu me arrepiei com esse som? Porra...

ㅡ Não minta para mim, Amarílis. Eu te pego às nove. Até mais.

ㅡ O QUÊ? ㅡ arregalei meus olhos, mas antes mesmo que eu pudesse dizer algo a mais, a chamada é encerrada. ㅡ Porra, caralho, nem me deu tchau?!

Eu o xingo muito, e até tento retornar a ligação, mas a clareza em minha mente vem minutos depois, pois Park não me atende mais.

Ele disse que me pega às nove, então, isso significa que ele sabe onde é minha casa?

E QUE SENTIDO TEM O "PEGAR" DA FRASE?

Me ergo rápido da cama, saindo dali aos tropeços e ainda encarando minha imagem no espelho, eu olho o visor do celular.

18:47

Ok.

O que eu faço agora?

GRR, COMO EU TE ODEIO PARK!

Corro para o banheiro ainda não entendendo como caralhos ele vai me pegar sem saber onde é meu endereço, e pior, confuso, porque eu nem tento esconder de mim mesmo que me sinto nervoso e, no fundo, animado ao saber que o verei após dias, e, que, provavelmente ㅡ tô confiante, ok? ㅡ, eu irei beijá-lo muito!

Tento ser rápido ao lavar meus fios cor de fogo e retirar alguns poucos pelos do meu corpo.

Porque estou me depilando?

Porque eu quero, é claro.

Mas admito que nunca fui a um encontro, mas acho que o que vai rolar em pouco tempo é tipo isso, então somente de cueca, retiro todas as minhas roupas do armário, apenas para achar a que está menos velha, e mais cheirosa.

É quando estou fechando minha única calça justa, que, adivinha? Isso mesmo, é a preta! Que ouço o som da campainha tocar.

Assusto-me de leve, e até olho adiante sem entender. Busco o celular para chegar às horas, e me espanto.

19:53

Que caralho! Jogo o aparelho de volta na cama e me olho outra vez.

Estou parecendo um pinto molhado, meu pai!

ㅡ JÁ VAI! ㅡ grito, me apressando a me vestir.

Visto rápido a melhor camisa preta que achei, e ainda com os fios molhados, vou correndo atender a porta.

Quando a abro, preciso de forças para não cair durinho no chão.

Park está aqui! Está bem aqui na minha porta, paradinho, encostado em seu carro, enquanto olha para o andar acima onde fica meu quarto.

Franzo o cenho, mas nem me demoro porque logo estou com os olhos arregalados ao perceber que ele agora me olha, e piora quando ele se desencosta do carro, começando a andar em minha direção.

ㅡ Olá. ㅡ ele diz e sorri.

Sério, meu Deus!

Eu me perco em alguns segundos o observando, e percebendo como ele fica ainda mais bonito vestido em um terno.

Seus cabelos estão um pouco bagunçados, e a gravata está frouxa. Ele sorri totalmente encantador, mas o modo que continua me olhando é totalmente intimidante.

ㅡ Oi... ㅡ eu digo baixo, nervoso. ㅡ ainda não são nove horas...

Ele ri soprado, e se aproxima ainda mais. Não há muito da porta aberta, mas é o suficiente para me deixar agoniado.

ㅡ Eu não consegui esperar. ㅡ diz, ainda sorrindo.

Não conseguiu esperar? Caramba, eu demorei mais de duas semanas para ligar, ele é doido?

ㅡ tem algum problema? ㅡ retorna a falar. ㅡ Eu posso ir e voltar somente às nove.

ㅡ Acho que... tudo bem, você já está aqui mesmo. ㅡ tento sorrir, mas ele está muito perto de mim. Consigo até mesmo sentir seu cheiro forte de perfume importado. ㅡ Você... pode me esperar?

ㅡ Eu posso entrar?

ㅡ Mas você quer entrar? ㅡ franzo meu cenho. ㅡ você pode esperar no carro...

ㅡ Não quer que eu entre?

ㅡ Não é isso, é que... sabe, é casa de pobre...

ㅡ Que besteira, minha flor. ㅡ ele sorrir, negando, e ergue a mão até tocar meu rosto, acariciando-o com leveza. ㅡ Eu posso entrar?

Eu pisco algumas vezes, vendo cada vez mais seus olhos se fechando enquanto ainda sorri. Apenas abro um pouco mais a porta, permitindo que ele entre.

ㅡ Só não olha a bagunça... ㅡ peço o que qualquer um pede. ㅡ Eu passei o dia ocupado e não consegui arrumar nada...

Park assente. Observo-o afrouxar mais a gravata, como se estivesse realmente à vontade. Ele caminha até meu sofazinho e busca uma das minhas almofadas de frutas, a de formato de morango, afastando-a para o lado e assim se sentar.

ㅡ Bom, eu, hm... vou... ㅡ Céus, eu não consigo sequer falar uma frase inteira sem querer colapsar antes. ㅡ eu subir para terminar e já volto.

ㅡ Tudo bem, mas não iremos a lugar algum. ㅡ ele diz relaxando mais a postura, abrindo mais as pernas, parecendo ainda mais confortável.

Céus, que pernas...

Mas pisco confuso, quando desvio meus olhos para os seus e franzo o cenho.

ㅡ Não? ㅡ pergunto. ㅡ Eu pensei que iriamos a algum lugar...

ㅡ Bom, eu disse que iria te pegar, acho que você entendeu errado.

Meu queixo cai, perplexo. Meus olhos se arregalaram e tenho certeza que minhas bochechas estão mais vívidas que meus cabelos agora.

ㅡ Quê?

Mas tudo o que ouço é a risada dele, ecoando pela minha casinha pequena.

ㅡ Estou brincando, minha flor. Eu pensei em te levar a um lugar, um restaurante, mas estou com um pouco de dor de cabeça, e como nós iremos apenas conversar, pensei que poderíamos conversar aqui mesmo.

Agora sim, eu acho que ele é realmente louco.

ㅡ Você é louco? ㅡ pergunto, mas ele só rir outra vez.

ㅡ Porque eu seria?

ㅡ Eu pensei que... ah, deixa para lá. ㅡ suspiro, desanimado por um ponto: ele quer só conversar. Sério? Isso significa que não terão beijos. Poxa. ㅡ Tudo bem, vamos conversar. ㅡ falo, esboçando um sorriso pequeno.

Caminho até o sofá e sento um pouco encolhido ao seu lado.

Percebo o olhar dele sobre meu corpo, mas antes que comece a falar, sou eu que pergunto:

ㅡ Como soube meu endereço?

ㅡ Hajun me deu. ㅡ ele diz como se esse tal Hajun fosse um amigo meu para sair dando meu endereço assim.

ㅡ Quê? Como assim?

ㅡ Ele me contou onde você morava há uns dias.

ㅡ Ele te contou ou você perguntou? ㅡ foi impossível segurar o riso que nasceu em meus lábios. Park me olhou por breves segundos, mas riu outra vez.

ㅡ Acho que fui descoberto. ㅡ diz, me fazendo desviar os olhos por pura timidez.

ㅡ Então, baby, porque me ligou mais cedo?

Mordi meu lábio inferior, incapaz de olhar nos olhos dele, que estavam completamente mirados em mim.

ㅡ Só achei que te devia uma resposta... Mas, Park, você poderia... dizer o que quer me ensinar antes?

ㅡ Pode me chamar por Hyun-Suk, baby. ㅡ sorri, vendo-o virar de ladinho para deixar a mão sobre minha nuca, brincando com meus cabelos ainda um pouco úmidos. ㅡ E é simples, Jaejun, eu quero que você seja meu. Apenas meu.

ㅡ Tipo... namorado? ㅡ Eu juro que essa coragem eu tirei do cu, porque eu só queria voltar a dois segundos e retirar o que falei, mas tudo piora quando ouço a risada dele.

ㅡ Não, baby, não como namorado. Mas apenas como meu.

Minha confusão só ficava cada vez pior.

ㅡ E o que seria ser... Seu?

ㅡ Seria apenas ser meu. ㅡ ele desce a mão, tocando sutilmente minha coxa, a apertando sem muita força. ㅡ quero te ter para mim.

ㅡ Eu não sou gay. ㅡ falo, num súbito de consciência. ㅡ Então... Não sei se posso ser seu, Hyun-Suk.

Ele apenas se aproxima mais. E outra vez, eu não sinto vontade de fugir ou me afastar dele. Eu até o espero se aproximar mais porque, no fundo, estou querendo isso, querendo muito, e não consigo controlar uma lufada de ar que me escapa, quando o sinto apertar mais uma vez minha coxa, agora com sua boca pertinho do meu ouvido.

Sua respiração quente me deixa aceso. Socorro!

ㅡ Você tem certeza disso? ㅡ ele sussurra. Eu não o respondo, mas sinto o modo calmo em que sua boca se move sobre minha pele e deixa um beijo pequeno abaixo de minha orelha. ㅡ Tem certeza? ㅡ ele sorri mais uma vez, passeando a língua pelo meu lóbulo, chupando-o descaradamente e então desvia o rosto para perto do meu, me fazendo buscar pelo seu também. ㅡ Então, se eu tentar te beijar agora, você irá fugir?

Eu me odeio por não conseguir sequer raciocinar direito agora, e tê-lo tão perto assim só me faz pensar em todos os nossos beijos passados e em como é bom ter sua boca a minha.

Eu engulo em seco, ainda sem palavras, e apenas me inclino para frente, tocando sutilmente seus lábios com os meus.

É um selinho brando. Um beijinho rápido, mas faz todo o meu corpo arrepiar.

Afasto-me absorto em seus lábios e agora ele somente me observa lhe desejar mais.

Meu coração já está totalmente acelerado, e quando Park se afasta e volta a se sentar relaxado e abre sutilmente as pernas, eu suspiro, entregue.

ㅡ Vem cá. ㅡ ele chama. Eu me aproximo inclinando meu corpo, ainda sentindo vergonha, mas vejo-o negar. ㅡ senta aqui. ㅡ passa a mão pela própria coxa grossa.

Eu já disse que não tenho dignidade, não é?

Pois é, eu não tenho nem um pouquinho mesmo!

Estou nervoso, morrendo de vergonha, mas tudo o que faço é me erguer sutilmente, e, sentindo as mãos dele em torno de minha cintura, me sento em sua coxa esquerda.

ㅡ Você tem dezenove anos, não é? ㅡ Assinto, me encolhendo um pouco sobre ele, sentindo sua mão acarinhar minha cintura. ㅡ Eu não quero que faça nada forçado, baby. Então... não se sinta pressionado.

ㅡ Você... pode dizer o que quer comigo? Com clareza, por favor... ㅡ peço, abaixando o olhar quando o percebo me encarar.

ㅡ Você sabe quem eu sou? Me conhece e sabe o que eu faço? ㅡ pergunta.

a cabeça porque realmente não sei o suficiente dele, mas ergo o olhar sem ainda o encarar, tocando-o sutilmente sobre a gravata frouxa, brincando com ela.

Eu só sei seu nome e sua idade. ㅡ falo o que, realmente, é uma certeza que tenho.

ㅡ Eu sou herdeiro construtora Park e moro aqui mesmo em Seul, Jaejun. Essa parte da minha vida está explícita em todos os cantos, você pode confirmar depois, se quiser. Mas existe uma parte minha que ninguém conhece. ㅡ levo minha atenção ao seu rosto, enquanto agora sinto seus dedos me apertarem sutilmente. ㅡ Eu gosto que me obedeçam. ㅡ ele fala baixo, novamente se aproximando. Quando chega perto de meu ouvido, deixa outro beijo miúdo ali, aspirando meu cheiro em seguida. ㅡ gosto que sejam um bom garoto, comigo, e assim, eu posso retribuir da melhor maneira possível. ㅡ eu fecho os olhos, sentindo os carinhos e sua respiração ainda próxima. Umedeço os lábios, e continuo apenas a senti-lo. ㅡ Você quer ser esse garoto? ㅡ Eu suspiro, virando-me sutilmente para frente até estar devidamente sentado sobre ele, sentindo as mãos dele subir pelas laterais de meu corpo, até pararem em meu rosto. Park roça os lábios nos meus, me fazendo balbuciar baixo algo que sequer eu compreendo, meus pensamentos estão uma bagunça ainda maior. ㅡ Se você aceitar, bela flor, eu posso te ensinar a ser esse garoto.

Eu não sei o que pensar, Hyun-Suk… ㅡ confesso, ainda sentindo os lábios dele sobre os meus. ㅡ Você vai me beijar ou não? ㅡ sussurro, sentindo-o mordiscar meu lábio. ㅡ me beija como você me beijou na cobertura.

Então me peça como você me pediu.

ㅡ Me beija, Hyun-Suk. ㅡ sorri, encarando-o num segundo de coragem. ㅡ por favor… Eu quero te sentir outra vez. ㅡ fechei meus olhos, entregando-me.

Sinto-o sorrir sobre meus lábios, mas logo sinto seu beijo afoito me invadir.

Não há calma no toque, porém também não há mais vergonha.

Hyun-Suk me beija enquanto segura ambos os lados de meu rosto, e eu sou rápido a levar minhas mãos até seus ombros, abraçando-o.

Sua língua desesperada toca a minha pedindo permissão para que ambas tenham sua

Ouço-o suspirar quando cedo, e sinto suas mãos descerem devagar por mim. Um aperto retorna a minha cintura, mas outra mão vai até minha coxa, apertando-a devagar outra vez.

Sinto a minha temperatura corporal aumentar no mesmo instante que sinto outra coisa aumentar também.

ㅡ Minha nossa. ㅡ eu sussurro, buscando um pouco de ar, mas ainda o sentindo ereto, bem abaixo de mim. ㅡ Eu... Eu não sei se isso vai dar certo.

te assusto? ㅡ pergunta, voltando a roçar em meus lábios com sua boca tão viciante, deixando pequenos beijos e mordida por meu queixo.

sua pergunta, suspirando vergonhosamente aos seus toques, e até inclino meu pescoço para a esquerda, pedindo sutilmente para que ele me beije ali.

E Hyun-Suk me dá o que peço.

Então... ㅡ ele fala entre os pequenos beijos e lambidas. ㅡ deixa apenas rolar, uh? Eu te quero tanto pra mim, minha flor. Desde a primeira vez que te vi.

Sorrio, me sentindo bem por saber daquilo. Mas me assusto levemente com o modo em como ele me toca na cintura, me puxando mais para perto, fazendo com que sua ereção deslize por entre minhas nádegas.

ㅡ Hyun-Suk, eu... eu nunca fiz nada disso. ㅡ confesso-lhe outra vez. ㅡ nada disso, nem beijos... Não podemos ir assim.

Me desculpe. ㅡ ele pede voltando a me encarar de perto, desviando suas mãos para meu rosto, segurando ambas as minhas bochechas, acariciando-as. ㅡ não quero te forçar nada.

Tudo bem. ㅡ digo, e, incerto, movo minhas mãos, dedilhando sua clavícula, até tocar a pontinha de sua orelha. Também lhe acaricio. ㅡ Eu não sei se consigo fazer... sabe? E nem sei consigo te obedecer assim, seja lá a forma em como você está falando. Mas... Você poderia me ensinar se quisesse... Sabe, aos pouquinhos...

Hyun-Suk sorriu, me olhando nos olhos, mas desviou sua visão para minha boca.

ㅡ Eu prometo que cuido bem

mordiscando o lábio inferior, e assinto, buscando de onde não há, certezas.

ㅡ Tudo bem. ㅡ falo.

com carinhos vagarosos em mim, e ainda ousa roubar alguns beijos, onde por minha vontade, aprofunda, nos fazendo às vezes perder o controle de nossos corpos.

vezes ㅡ não conte isso para Jack ainda ㅡ, eu deslizo sobre sua ereção entendendo porque a tal dor possa valer a pena.

Mas é após muitos minutos de pegação em meu sofá vergonhoso e barulhento, que Hyun-Suk finaliza os beijos, tocando minha cintura para que eu me afaste sutilmente, e o encare.

Eu menti. ㅡ ele diz, sorrindo.

Em qual parte? ㅡ Observo-o ainda de seu colo e ele parece ainda mais belo agora que está uma bagunça também.

boca gordinha está ainda mais inchada e está vermelha. Seus olhos pequenos e escuros não desviam dos meus e seus cabelos estão numa bagunça charmosa, mas creio que os meus também estejam, já que acho que estão até secos, então

mão, tentando de alguma forma arrumá-los e espero pela resposta de Hyun-Suk.

Eu não estou com dor de cabeça alguma, só queria te beijar em um

Você é um safado, Park. ㅡ eu rio. ㅡ e parece que está se escondendo de algo.

Não é isso, mas muitos conhecem o nome, gostam de criar matérias

Então, se te vissem se beijando com um suposto homem de cabelos laranjas, isso daria uma matéria sensacionalista? ㅡ sorriu, acompanhando seu riso.

Bom, se estivéssemos em público e do modo em como estamos agora, creio que sim. Você está literalmente com meu pau entre a sua bunda agora, Jaejun.

Chio, resmungando, e cubro meu rosto na curvatura de seu pescoço.

ㅡ Você aceita jantar comigo? ㅡ

ㅡ Agora?

Olho-o daqui, até mesmo assim ele é bonito. Mas vejo-o assentir e olho o relógio que tem na minha cozinha.

ㅡ Já passou das nove.

ㅡ Mas ainda não são dez. ㅡ ele ri. ㅡ Eu conheço um restaurante muito bom, é de um amigo. Eu posso te trazer de volta, ou podemos fazer qualquer outra coisa depois.

Hyun-Suk toca meu queixo, me fazendo se erguer sem sequer protestar e assim lhe beijar.

O beijo é calmo, o que nos faz suspirar com leveza. O olho de pertinho quando o ósculo finaliza e enfim me ergo, vergonhosamente cobrindo a ereção que também tenho entre as pernas.

Ele apenas continua sentado com as pernas abertas, com a calça apertada em suas coxas e também em outra área.

Com certeza essa é uma das melhores imagens que devem existir no mundo.

Eu vou subir e... terminar de me arrumar. ㅡ digo, tímido.

Ele se ergue, assentindo, mas antes que eu vá, ele me puxa para junto de seu corpo, e me segura com força lá, roçando, novamente, a boca sobre a minha.

ㅡ Não demore muito.

ㅡ Não irei. ㅡ sorrio me sentindo um bobo em suas mãos, e apenas vejo-o acariciar meu rosto.

ㅡ Não sei se acreditará em mim, mas você é o homem mais belo que eu já vi. O mais belo que em minhas mãos já tocaram, e o que minha boca já

Eu nego, ainda me sentindo um bobo, e sem avisos, Park me rouba um

boca formigar, talvez já esteja cansada, mas quem disse que eu quero parar? Ele também parece não querer.

Eu o agarro devagar pela camisa e me perco só mais um pouquinho em seu sabor e toque.

Hyun-Suk suspira ao me soltar, e permanece próximo, segurando meu rosto. Acariciando minha bochecha com calma, ele me dá um último selar.

ㅡ Eu vou e volto rapidinho. ㅡ digo, me afastando antes que ele me beije mais uma vez. Mas não o suficiente, por isso ele ainda consegue acariciar de minha bochecha até meu queixo, analisando meus detalhes com cuidado.

Seus olhos recaem sobre os meus.

ㅡ Você é o mais belo...

Eu sinto minhas bochechas esquentarem.

ㅡ Eu já volto. ㅡ falo mais uma vez, desta vez, me afastando de verdade.

não tropeçar enquanto estou sob seu olhar, e é assim que subo os poucos degraus que há até meu quarto. Quando chego lá, tranco a porta e respiro fundo.

Corro até minha cama, pegando meu celular e abro no grupo que sei que com certeza terei ajuda.

|Grupo: Fuzuê, farofa e cachaça|

como se convocasse todos, em uma situação de extremo risco, que mando a mensagem mais desesperada de toda a minha

Jae:

|S.O.S!

alguns segundos, e ninguém me

Jae:

caralho vocês estão? ESSA É A PORRA DE UMA

Jack:

|SOSO?!

Jack:

|Que desespero é esse?

Jae:

é uma situação é

Yejun:

|Medo...

Rini:

|Fala logo!

Minah:

|O que você aprontou?

Tae:

indo na sua casa

Jae:

|NÃO!

Tae:

|Porque não?

Jae:

|Hyun-Suk está aqui! AQUI!!!!!!!

Rini:

|Hyun-Suk?

Minah:

|Park Hyun-Suk, amor.

Rini:

|Ah, o da boate?

Minah:

|Esse mesmo.

Rini:

|Mas, o que tem?

Yejun:

tem? Simples, ele não pode ver aquele loiro que fica

Jae:

sério, atenção, eu não tenho

Jack:

|Já deu ou ainda vai dar?

Tae:

ainda vai dar né! Olha só esse

Jack:

que te dá essa certeza? Ele pode ter visto o tamanho da cobra e se

Tae:

o Jae, se ele finalmente ver a cobra, ele vai querer sentar. E se ele estivesse sentado gostoso, ele não estaria mandando

Jae:

|Será que EU posso falar?

Yejun:

|Claro.

Jae:

|Obrigado. Então... Eu ainda não dei.

Yejun:

leram essa palavra com atenção? Ele

Jack:

|AINDA!

Tae:

|A.I.N.D.A

Rini:

|Hm...

Minah: