Bela Flor - Romance gay Capítulo nove

sprite

Meu coração está acelerado, eu odeio ser tão descontrolado quanto ao meu corpo. Mas eu sou educado, e, mesmo que eu tenha vontade até mesmo de dar na cara do Park por ele presumi que eu aceitaria uma coisa assim, eu volto a me sentar, respirando fundo quando passo minhas mãos por meus cabelos vermelhos.

ㅡ Eu realmente me expressei de um modo errôneo, Jaejun.

ㅡ Se você queria me oferecer dinheiro para transar com você, porque não disse isso desde o dia do meu aniversário? Assim teríamos poupado toda essa palhaçada e perda de tempo.

ㅡ Você está muito bravo, eu sei.

ㅡ Ah, com certeza eu estou. ㅡ falei, buscando meu suco para dar um gole longo. ㅡ você conseguiu até mesmo tirar meu apetite.

ㅡ Quer pedir outra coisa? Uma sobremesa?

ㅡ Só fale logo, Hyun-Suk.

Vejo-o suspirar outra vez, e desviando os olhos para meu prato, decido buscar meus talheres ao lado, cortando a carne.

ㅡ Vai comer?

ㅡ É errado desperdiçar algo tão bom.

Ele ri, mas eu continuo sério.

ㅡ Tudo bem. Eu disse que quero fazer sexo com você, e isso não é mentira, mas é se você quiser. E eu presumi que você também estivesse a fim disso.

ㅡ Ah é, e porque? Você por acaso se acha muito irresistível.

ㅡ Claro que não, mas eu julguei que estávamos tendo algo.

ㅡ Tendo algo quando você diz que não quer um relacionamento e me oferece seu dinheiro?

ㅡ Anjo... você sentou no meu pau.

ㅡ Isso é só um detalhe. Não quer dizer nada. Muito menos que eu iria aceitar esse seu... dinheiro.

ㅡ Eu não quis te ofender. Juro que não. Eu não te vejo como um prostituto, mas como alguém que merece mais do que tem hoje. Eu me encantei por você, meu anjo. Nunca vi uma beleza como a sua, e seria um prazer te ter ao meu lado sempre.

ㅡ Você é confuso sabia?

ㅡ Eu sei que sou, me desculpe.

ㅡ Não. Não desculpo. Ter uma pessoa ao lado, significa ter um relacionamento. Você fala de um jeito tão bonito de mim, parece que está apaixonado. Mas é tudo um truque.

Abaixo meus olhos, chateado porque ele parece ter os olhos tristes, e eu não quero que minha raiva consigo diminua porque eu sou muito mole. Preciso manter-me firme.

ㅡ Eu não posso ter um relacionamento agora, Jaejun.

ㅡ Porque não? Por acaso você já é comprometido? É casado?

ㅡ Não. Eu só... não posso.

ㅡ Não acredito que me meti nessa confusão. ㅡ digo baixo, para mim mesmo. ㅡ Não consigo te entender, Park, mas eu não quero isso. Me parece ter algo errado.

ㅡ Você acha que é errado querer alguém? Como você disse, eu posso te ensinar ou te mostrar um pouco do que é ser meu, e então, você decide se aceita, ou não. Se fica com o que eu quero te dar ou não. Não é uma troca de qualquer forma.

ㅡ Não? ㅡ volto a lhe olhar.

ㅡ Não. É só algo que eu quero que seja seu. Mas não porque eu quero que seja meu, compreende. Você poderia me dizer não agora. Aliás, acho que já me falou. Mas pode ficar com tudo o que eu já separei para você, não me importo.

ㅡ Então... eu não preciso fazer...

ㅡ Não, claro que não. ㅡ ele sorri. ㅡ você faz se você quiser. Eu apenas vou te ensinar o que eu gosto.

ㅡ Mas não tem a ver com sexo?

ㅡ Nem sempre. ㅡ ele dá de ombros, busca a garrafa de vinho e deixar cair um pouco do líquido sobre a sua taça. Eu bebo meu suco, porque sua oferta é confusa, mas me deixa curioso. ㅡ O que me diz? Me deixe ao menos te mostrar sobre o que é.

ㅡ Tudo bem... ㅡ digo comendo mais um pedaço da carne macia. ㅡ pode me mostrar e se eu quiser, pode me ensinar. Mas será apenas uma vez... Se eu gostar, a gente... ver melhor como será.

Ele não respondeu, mas me deu um sorriso que pareceu muito verdadeiro e espontâneo. Girando o pouco vinho que há em sua taça, ele passa a língua sobre o lábio inferior e bebe o líquido em seguida.

Às vezes eu me odeio, porque isso me deixa quente.

E EU ESTAVA COM RAIVA A MEIO SEGUNDO ATRÁS!

Mas como reagir quando a porra do homem é lindo como ele? Não dá!

Jantamos apenas trocando olhares em meio ao silêncio que estranhamente não era tão ruim. No fim, Hyun-Suk chamou novamente o garçom, pedindo pela conta, e junto a isso, fez seu pedido especial.

ㅡ Por favor, você pode nos chamar o chef Kim?

Seu pedido é acatado, e não demora muito para o tal chefe vir. É um homem alto, bastante bonito e sorridente.

ㅡ Quanto tempo! ㅡ ele diz ao se aproximar de Hyun-Suk. ㅡ Quando me falaram na cozinha que o senhor Park estava me chamando, já pensei que viria bronca sua.

Hyun-Suk sorri e se ergue para cumprimentá-lo com um abraço.

Eu fico no impasse. Devo levantar também?

ㅡ Não seja bobo, o que teria de ruim na sua comida? Ela é excelente, sabe disso. ㅡ Park diz, mas ele me olha e, antes que possa me apresentar enquanto ainda estou sentado, fico de pé e sorrio para o chef também. ㅡ Yujin, este é Jaejun. ㅡ diz parando ao meu lado e enlaçando novamente minha cintura com sua mão. Sorrio para o rapaz, mesmo que eu ainda não tenha feito as pazes com Hyun-Suk ao ponto de aceitá-lo me abraçando assim, mas ergo minha mão ao chef, cumprimentando-o e sendo bem recebido.

ㅡ É um prazer te conhecer, Jaejun. Espero que a comida esteja ao seu gosto.

ㅡ Estava ótima, senhor. ㅡ falo.

ㅡ Oh, não, não, sem senhor. Pode me chamar apenas de Yujin como todos. Mas fico feliz que minha culinária tenha te agradado.

Eu sorrio ainda mais para ele, me sentindo um pouco deslocado, mas logo vejo-o olhar além, sorrindo mais também.

ㅡ Se continuar olhando assim, irá babar, sabe disso, certo? ㅡ Hyun-Suk diz num tom baixo.

ㅡ Não enche! ㅡ o chefe diz, sorrindo ao voltar a olhar para nós. ㅡ Me desculpe os modos, Jaejun.

ㅡ Está tudo bem. ㅡ falo, porque o que é um "não enche?" Eu teria mandado ele ir à merda. Mas ok.

ㅡ É que Hyun-Suk e eu somos amigos há algum tempo. Às vezes me esqueço que somos públicos.

ㅡ Está tudo bem mesmo, não me importo.

Minha curiosidade é um tanto grande, e não consigo me segurar muito para ver o porquê do sorriso do chef aumentar quando olha adiante outra vez. Então, quando Hyun-Suk e Yujin engajam uma conversa baixa já sentados de volta à mesa, eu olho rápido e disfarçadamente para trás, vendo apenas um casal e um pequeno garoto parado próximo ao balcão, enquanto conversam com a hostess.

ㅡ Lembre-se que é daqui a alguns dias. Te quero lá. ㅡ volto minha atenção para ambos quando ouço o dito de Hyun-Suk. Yujin apenas assente. ㅡ Bom, está tarde, precisamos ir agora. Tome cuidado quando retornar também, entendeu?

ㅡ Tudo bem. Foi muito bom te ver, e adorei te conhecer, Jaejun. Espero que possamos nos ver mais, e que você possa comer mais de minha comida também. Adoro quando a elogiam.

Eu sorri, assentindo.

ㅡ Não tenha dúvidas que ele ainda irá apreciar muito a sua culinária, apareça para jantar na minha casa qualquer dia. ㅡ Hyun-Suk diz sorrindo.

ㅡ Claro.

ㅡ Foi um prazer te conhecer também. ㅡ digo por fim, vendo-o se erguer.

ㅡ Até mais.

O chef se afasta de nós, se despedindo, e logo Hyun-Suk pagar a conta com seu cartão escuro. Quando o faz, finalmente se põe de pé outra vez e me guia em sua frente, tocando suavemente sobre minha lombar, indo para fora do estabelecimento.

ㅡ Você gostou do jantar? ㅡ ouço-o perguntar a mim quando enfim busca a chave do carro com o manobrista e abre a porta do carro para que eu entre. Observo-o sem entender a pergunta quando dá a volta e adentra o carro também. ㅡ Yujin é muito legal, cozinha com excelência.

Foi realmente bom. Obrigado pelo

ㅡ Não agradeça. ㅡ ele sorri colocando o cinto de segurança. ㅡ você gostou dele?

ㅡ Do chef? Sim, ele parece ser uma pessoa legal. ㅡ falo pondo o cinto também, sentindo Park arrancar com o carro logo em seguida, deixando aquele som estrondoso do motor para trás.

ㅡ Gostou dele de modo geral? ㅡ ele me olha de soslaio, sorrindo. ㅡ Achou Yujin bonito?

Que tipo de pergunta é essa? ㅡ sorrio me ajeitando melhor no banco. ㅡ é claro que ele é bonito, qualquer

ㅡ Hm. ㅡ Os lábios dele demonstram um sorriso, e a língua sorrateiramente passeia pelo inferior.

Você é ciumento? ㅡ pergunto, negando enquanto vejo-o revirar os olhos. ㅡ Não seja, já que não somos namorados.

Hyun-Suk me olha outra vez, passando a língua agora pela bochecha.

ㅡ Quer ir para a sua casa ou quer ir para minha?

ㅡ Já passa das onze e eu trabalho amanhã às dez, então...

não precisa mais trabalhar. ㅡ ele fala com uma simplicidade que assusta. ㅡ irei pedir para limparem o apartamento que eu te falei e te entrego a chave. Não se preocupe com nada mais,

ㅡ Não é assim, Hyun-Suk. Eu te falei, não sou como você pensa.

ㅡ Eu não penso nada. Mas eu te disse, te darei tudo e eu já separei esse presente para você, você aceita se quiser.

Você é muito louco. ㅡ falei, mas ele só riu.

ㅡ Eu só quero que esteja confortável, e também quero que tenha o melhor. Posso pedir para que meu secretário te ajude com o que precisar.

ㅡ Não! Eu posso, no máximo, ir olhar. Mas eu não te dei uma resposta ainda, então nada de ajuda de secretário, ou seja lá quem for, entendeu?

Percebo quando uma das mãos dele larga o volante e vai direto a minha coxa outra vez. Lá, ele deixa um carinho, mas eu o impeço, retirando sua mão dali para segurar junto

Não estou tentando te comprar ou algo assim. Apenas gosto de você. Você recebeu meu único cartão, o que significa que eu também me importo. Então se eu gosto, eu cuido.

Hyun-Suk retira sua mão da minha, e toca meu rosto. Sua mão macia é leve naquele momento, o que me deixa ㅡ por breves segundos ㅡ entregue a si.

Mas eu a seguro outra vez, abaixando-a e descansando sobre minha coxa.

O caminho até minha casa é breve, logo estamos estacionados à frente. O carro do Park é escuro, assim como os vidros, então o pensamento se devo ou não beijá-lo antes de sair me vem à mente.

ㅡ Você está chateado comigo? ㅡ é o que ele pergunta.

ㅡ Um pouco. ㅡ sou verdadeiro.

Não fique, não fiz por mal.

me ofendeu. ㅡ o olho. ㅡ e de um jeito que eu já estava com medo de ofender. Não é fácil acreditar que um homem de classe diferente quer algo comigo somente porque ele gosta de mim. Você falou como se eu fosse um brinquedo, que você olhou na vitrine daquela boate e escolheu a dedo.

Eu realmente te escolhi, mas não para ser meu brinquedo.

Mas também não disse até agora para quê realmente me escolheu.

Vejo Park solta seu próprio cinto e virar minimamente para mim. Solto o cinto também, e faço o mesmo movimento que ele, apenas porque espero que ele fale o que tanto parece esconder.

Aceite o apartamento, por favor. ㅡ ele diz. ㅡ Eu quero que tenha o melhor.

Encaro-o sem saber o que devo falar, ele foge do assunto que ele mesmo criou como se fugisse da cruz.

Eu mal o conheço. ㅡ sussurro. ㅡ eu não sei o que você realmente quer fazer comigo e isso está me

Eu prometo que vou te explicar melhor quando você puder ver. Se eu tentar explicar agora, com você chateado, não vai

você me fez uma proposta, como quer que eu pense sem que me

Eu prometo que irei te

E se eu não quiser aceitar? Irá respeitar minha

ㅡ com seu rotineiro tom calmo, diz. ㅡ e não pense que se aceitar o apartamento, você estará aceitando a fazer sexo ou qualquer outra coisa comigo. É apenas um apartamento. Eu tenho vários, sou herdeiro de

volta a balançar, porque ele parece falar a verdade, mas devido ao seu deslize de mais cedo, é difícil de

sou curioso, não posso dizer não sem realmente entender o que ele quer receber e

Você pode me mostrar ele, mas sem intenção nenhuma a

possa me achar um tremendo de um cu doce, mas eu não ligo para

estou correto na minha decisão. Preciso ter certeza de tudo antes porque vai que eu faço merda? É algo natural que eu sei fazer com a

Isso pode ser só mais uma.

façamos assim. ㅡ ele fala. ㅡ Eu te busco amanhã depois do seu horário de trabalho e te levo lá,

ㅡ Tudo bem.

horas você sai do

ㅡ Largo às oito.

Então oito e meia estarei aqui. ㅡ diz sorrindo, e se aproxima devagar. ㅡ agora eu posso te dar um beijo antes que se

ㅡ Eu não sei se pode.

ㅡ Por favor.

Estou bravo ainda. ㅡ faço bico, cruzando

e se aproxima vagarosamente. Eu não nego que quero beijá-lo agora, mesmo após querer bater no rostinho bonito que ele

tendo-o agora pertinho do meu rosto, eu apenas sorrio quando ele sela meus lábios, sussurrando o quanto eu sou lindo, fazendo os sons de estalinhos

há uma coisa que não gosto agora. E é o modo em como meu corpo é rendido ao seu beijo quando ele intensifica

de praxe, sua mão torna a ser forte, então sem esforços, enquanto me beija, ele infiltra os dedos em meus fios cor de fogo e puxa sutilmente, me fazendo suspirar em sua boca, e, sem controle, erguer sutilmente o corpo quando ele segura minha cintura com sua

sorri ainda sem quebrar o ósculo, e como se me dominasse, me puxa apenas com uma mão e me faz se erguer por completo sem pensar, me fazendo se atrapalhando todo com o volante quando me sento sobre

tenho um segredo para contar: Eu nunca pensei que iria gostar tanto de sentar no colo de outro homem como sento

É gostoso demais.

segura firme agora com suas duas mãos enquanto eu apenas levo as minhas para sua nuca e adentro em seus fios loiros e curtos. Me sinto levemente aquecido quando ele geme baixo ao ser apertado por minha bunda, então eu puxo seus cabelos com certa força, mordendo meu lábio, enquanto me arrasto propositalmente em

é um filho da puta gostoso, eu também terei que

mais um suspiro dele e aquilo me atiça de forma

beijo é quebrado pela falta de ar e logo percebo os vidros ficarem um pouco embaçados. Ele ainda tem a boca sobre a minha e mordisca devagar ali, antes de descê-la e mordiscar meu queixo e parte de meu pescoço, fazendo-me suspirar ainda mais e engolir em seco com a vontade de continuar com

Preciso ir. ㅡ sou forte o suficiente para falar aquilo. Mas é difícil quando ainda o sinto tocar minha cintura com força e gana, adentrando os dedos até mesmo por debaixo do tecido da blusa que