Loucos Por Ela Capítulo 44

sprite

Felipe

Depois de procurá-la por horas na praia e não encontrar, acabei decidindo voltar para casa. Tive que desviar o caminho por causa de um acidente que interditou a avenida, então passando por um parque, vi um carro estacionado, o qual reconheci pela placa. Estacionei o meu e comecei a caminhar pelo local e logo a vi sozinha. Parecia pensativa… fui até ela e começamos a conversar.

De início sua reação não foi das melhores. Ela estava chorando, com certeza decepcionada com o que fiz. Tentei deixá-la à vontade, mas a cada palavra minha, seu nervosismo é óbvio e eu precisava falar em sua frente o que sinto.

Abri meu coração e me declarei, mas ela debochou. Pørra de mulher teimosa! Custa admitir de uma vez que sente o mesmo? É inútil continuar negando! Sua boca diz uma coisa, mas consigo ver através de seus olhos.

Quanto mais conversamos, mais percebi que a deixei desestabilizada. Ela estava quase cedendo e não podia perder a oportunidade. A beijei e ela retribuiu com vontade. Se estivéssemos a sós, sei onde isso terminaria.

Ao nos soltarmos, não acreditei ao ouví-la fazer aquela pergunta. Será que meus esforços enfim terão resultados? Enfim ela assumirá que gosta de mim? Me perguntei enquanto apenas a encarava em silêncio e em seguida sorri e continuei.

— É o que mais quero!

— A verdade é que existe sim alguém em meu coração, mas não é você! — Exclamou friamente fazendo com que meu sorriso se apagasse.

— Tem certeza? — Questionei encarando-a firmemente e voltei a me aproximar.

— Tenho.

— Então como explica essa entrega mútua quando nos beijamos?

— Atração! — Foi a vez dela me encarar e eu voltei a interrogá-la.

— Só isso?

— Sim.

— Quer saber? Não acredito! — Afirmei mantendo nossos olhos conectados, enquanto ela apenas mexeu uma sobrancelha, sorriu e falou se afastando.

— Problema seu!

Fico parado admirando-a seguir para seu carro… É muita ousadia e petulância numa só pessoa! Quem a vê caminhando tão calmante não imagina o tamanho da teimosia! Custava ter admitido? Mas preferiu mentir, a dar o braço a torcer. Ela entrou em seu carro, deu partida e saiu e eu fiz o mesmo.

Cheguei no edifício e vi seu carro no estacionamento. Subi para o meu apartamento e ao entrar, coloquei as chaves no balcão, peguei uma cerveja para esfriar a cabeça e liguei para minha irmã.

— Fe, até que enfim! Encontrou ela?

— Irmã, desculpe por não ter ligado antes… Encontrei e estávamos conversando.

— Está tudo bem? Parece desanimado.

— Não é nada… Eu estou bem!

Eu te conheço! O que foi, discutiram?

vai embora! Vai voltar para São Paulo. — Desabafei e me permiti derrubar uma lágrima.

— Como assim voltar?

— Foi o que ela disse.

falar com ela depois, apesar de ter quase certeza que não será definitivo. Mas agora me fala, ela ouviu nossa conversa mesmo?

— Provavelmente, mas não dá para ter certeza de nada porque ela não assume! — Falei um pouco nervoso e respirei fundo.

— Do que está falando, Fe? Não estou entendendo… O que mais conversaram?

Eu fui sincero, falei o que sinto, mas ela é tão orgulhosa que virou as costas e não deu a mínima, mesmo depois de corresponder meu beijo.

— Ai irmão, eu sei que ela sente algo por ti, mas dá um tempo pra ela pensar. Acho que vai ser bom para ambos ela voltar para São Paulo. Ao menos por alguns dias.

— Pode ser…

Olha só, eu preciso desligar, mas depois nós conversamos. Te amo irmão, fica

— Também te amo, beijo.

o celular e fiquei pensando em tudo que Kate disse e ela tem razão! O melhor é seguir o conselho. Liguei a tv e fiquei assistindo por um tempo, depois jantei e fui

de manhã um pouco mal-humorado, pois tive uma noite ruim… Quase não dormi, lembrando das palavras de Allana. Eu fui sincero, mas ela debochou e mesmo tendo quase certeza que fez isso só para que eu parasse de insistir,

fiz minha higiene matinal, tomei um banho morno, cuidei dos machucados, me arrumei e segui para a empresa. No caminho, parei em uma padaria para tomar café, mas sinceramente, não tenho fome. Pedi apenas um expresso duplo e após terminar, voltei para o

seguindo para meu destino, mas eu estava impaciente e não podia adiar mais… precisava ter uma conversa com Igor, então virei à esquerda e fui até a

que entrei ele me viu e imediatamente foi ao meu encontro. Em seus olhos havia ódiø, mas não me

Tem que ser muito corajoso para vir aqui! O que quer? — Me encarou questionando visivelmente alterado e eu respondi sem

— Falar com você.

o quê? Que é um traidor, que estava de olho na minha namorada? Por que não sai daqui antes que eu quebre a sua