O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 342

― Vocês são irmãs. Como irmã, ela deveria ser mais tolerante com vocês. Fazer uma refeição juntos resolverá tudo ― disse Nigel.

Anne ouviu em silêncio, todas as células de seu corpo gritando para ela rejeitar o convite. Pois, só havia um motivo para aceitar participar, se houvesse a garantia de que ninguém mais a iria maltratar, abusar ou agredir e, principalmente, que ela poderia deixar Luton. Assim, acabou aceitando.

Mesmo que soubesse quem era seu pai e que ele a quisesse como filha, não importava. Em seu coração, seus filhos eram mais importantes do que tudo.

Anne não contou a Sarah sobre o jantar com a família Faye e também não contou a mais ninguém. Decidiu ir sozinha.

Mas, assim que entrou no lugar combinado, teve sua primeira grande decepção: Anthony estava presente. Os olhos negros do homem a examinaram profunda e fixamente, e Anne baixou o olhar, devido à pressão.

Era interessante pensar que poderia chamar seu algoz de cunhado. Aliás, toda a situação era embaraçosa. Ele era seu irmão mais velho, antes de tudo aquilo.

― Você pegou trânsito? Acabou se atrasando um bocado! ― Os olhos de Dorothy estavam calmos e indiferentes, como se ela estivesse perguntando com indiferença, mas era sarcasmo.

Aquele seria, provavelmente, seu único entretenimento. Afinal, apenas com Dorothy e Anthony no local, o palco seria da mulher e de mais ninguém. Entretanto, não estavam sozinhos e isso animou Anne. Nigel interveio:

― Eu disse que poderia ir te buscar, mas você não quis. Venha. Sente-se. ―

Bianca se levantou e tomou a iniciativa de dar um passo à frente, então, pegou a mão de Anne.

― Eu não esperava que você fosse minha irmã. Embora tenha sido pega de surpresa, talvez essa seja a magia do amor familiar! Causei muitos problemas para meus pais, quando nasci. Agora que tenho uma irmã mais nova como companhia, não estarei mais sozinha. ―

Anne não falava, preferindo o silêncio e as palavras de Bianca se tornaram um pouco lisonjeiras:

― Anne, por causa de um mal-entendido, eu perdi um pouco a cabeça. Você não vai me culpar, vai? ―

Os olhos de todos caíram no rosto de Anne. Alguns eram frios e afiados, alguns eram expectantes e alguns eram implacáveis.

‘Mal-entendido? Caramba! Que atriz! Bom... acho que eu posso atuar, também’ Anne não hesitou:

― Claro que não, espero que nossa família se ame e seja harmoniosa. ―

Bianca era extremamente desdenhosa em seu coração, mas com um sorriso no rosto, deu um passo à frente e a abraçou.

― Isso é ótimo! Venha, venha e sente-se! Não fique aí parada. ―

Depois de se sentar, Nigel olhou para as duas filhas e ficou aliviado, principalmente porque estava grato pela aceitação de Dorothy. Caso contrário, aquela refeição nunca teria sido um sucesso. A esposa tinha dito que, apesar de não concordar, faria com que as coisas acontecessem e isso fez Nigel se sentir grato.

Anthony e Bianca sentavam-se de um lado da mesa, enquanto Nigel e Dorothy sentavam-se do outro.

Anne sentou-se ao lado de Nigel.

Servindo a comida e harmonizando com vinho tinto, eles conversavam descontraidamente. Mas, Anne apenas observava tudo, comendo em silêncio. Constatando que não havia frutos do mar, a jovem deu um discreto sorriso de ironia, afinal, não fosse pela alergia, Nigel nunca saberia que tinha outra filha. Uma reviravolta do destino, de fato.

Anne estava diretamente na frente de Anthony e foi forçada a olhar para aqueles profundos olhos negros, sempre que levantava a cabeça.

Bianca notou que Anthony e Anne se entreolharam, e a suspeita e a raiva em seu coração fizeram seus dedos se contorcerem, mas Dorothy chutou Bianca por baixo da mesa e a expressão da pianista se acalmou.

― Anne, você está trabalhando na Marwood, certo? Você não tem ido? ― Dorothy perguntou.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata