O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 349

Anne ficou tão assustada que seu cérebro zumbia. Anthony era imprevisível. Embora tivesse contato com ele, desde criança, ainda não conseguia entender o que ele pensava e como sua cabeça funcionava.

Entretanto, a jovem ainda acreditava que o demônio não sabia que era o pai delas, caso contrário, ele não seria tão legal com ela. Mas, então, por que Anthony teria procurado as crianças?

Anne não fazia ideia de que eram seus filhos quem procuravam Anthony. Afinal, como ela poderia imaginar que eles sabiam o número do celular do magnata? Porém, a jovem continuaria sem saber, pois os pequenos mantiveram segredo e era como se o fatídico telefonema nunca tivesse sido feito.

― Eu não te contei antes de resolver tudo porque tive medo de que você ficasse preocupada ― disse Lucas.

― Eu sei que você está fez isso para o meu bem. Quando você foi buscar as crianças, Anthony não te envergonhou, não é? ―

― Não. Ele aceitou a culpa, sem questionar. ―

― Isso é ótimo. ―

Os dois conversaram sobre as crianças e encerraram a ligação sem dizer mais nada. Mas, assim que ficou sozinha, Anne sentiu um silêncio constrangedor. Era como se ela e Lucas tivessem sentimentos um pelo outro, mas não tinham permissão para dizer nada.

Infelizmente, Anne enfrentava muitas dificuldades em sua vida e não tinha mais tempo para o amor.

O que Anthony quis fazer com esse sequestro?

O telefone tocou novamente, interrompendo seus pensamentos e, depois de ver quem era, Anne atendeu:

― Oi, mãe. Tudo bem? ―

― Oi filha! Tudo sim! Onde você está? Por que você não está em casa? Você não sabe que deveria descansar mais, depois de perder uma gravidez? ― Sarah a repreendeu.

― Você está no meu apartamento? ― Anne saiu do quarto das crianças, no andar de cima, pensando: “Perder uma gravidez? Isso já faz quase um século, por que ela ainda está pensando nisso?”

― Sim! Onde você está? ―

― Eu... eu estava dando uma volta, já estou chegando. ―

― Volte aqui, tenho uma coisa para te dizer. ― Sem esperar resposta Sarah desligou o telefone.

Anne ficou surpresa, afinal, o tom de Sarah era bastante agressivo. O que estava acontecendo?

Com o coração na mão, quase sem aguentar o dia repleto de emoções, a jovem desceu as escadas o mais silenciosamente possível, tentando chamar o mínimo de atenção, então se certificou de que não havia ninguém olhando e entrou.

Assim que abriu a porta, viu Sarah de pé na sala, andando de um lado para o outro, parecendo muito ansiosa.

Vendo Anne entrando, a mãe perguntou:

― Onde você estava? Como não a vi, quando subi? ―

Anne mentiu:

― Eu estava dando uma volta nos fundos. Você veio pela frente e é por isso que não me viu. O que você quer? ―

Sarah a encarou com uma expressão dura e lançou a pergunta como quem dispara uma bala de canhão:

― Você jantou com a família Faye? ―

Anne ficou surpresa, como ela sabia?

― Você... como você soube? ―

― Eu estava fazendo compras e encontrei Dorothy. Ela disse que vocês tinham criado um bom relacionamento e seria como um membro da família. Que gentileza sua fazer isso! Devo ficar feliz por você? ― Sarah sorriu, sarcástica.

Embora Sarah não estivesse por perto quando Anne era criança, sempre se preocupou com ela e deu a Cheyenne e seu irmão inútil o dinheiro o suficiente para garantir que Anne tivesse uma infância feliz e assim que a jovem cresceu, a trouxe para a família Marwood. O que aconteceu a seguir estava além de seu controle.

Quando a filha voltou para Luton, a mulher tentou todos os meios para que Anne a perdoasse, esperando que ficasse ao seu lado. Mas, agora, quando ela finalmente tinha conseguido, Nigel apareceu e Dorothy estava lendo sua filha embora.

Ouvir o que Dorothy disse fez sua raiva aumentar e ela foi para a apartamento de Anne, sem aviso prévio.

― Isso é verdade? ― Sarah ficou mais ansiosa, quando viu que Anne não falava.

― Nós realmente jantamos juntos. Mas, não foi nada. Ela ficou fazendo comentários sarcásticos sobre mim, o tempo todo, e agora ela diz que somos uma família? ― disse Anne, sorrindo com tristeza.

― Então, por que você foi? ―

― Eu queria encontrar uma maneira de deixar Luton. Propus deixar a cidade, na frente de todos, mas não funcionou. Como eu poderia querer desfrutar daquela refeição? Foi horrível ― disse Anne.

O humor de Sarah melhorou, mas ela ainda perguntou timidamente:

― Você realmente ... não vai favorecer a família Faye em vez de mim? Então, agora que você tem um pai, não vai esquecer sua mãe? ―

Anne sabia o que Sarah estava pensando.

― No começo, não gostei quando soube que ele era o pai de Bianca, mas depois descobri que ele é meu pai e não posso fazer nada a respeito. Portanto, suas preocupações são infundadas. Além disso... ―

― Além do quê? ― Sarah perguntou, ansiosa.

― Papai disse que se soubesse que você estava grávida, a escolha dele teria sido diferente. ―

A expressão de Sarah mudou ligeiramente e ela virou a cabeça.

― Mãe, eu acho que você não contou a todos sobre isso por causa do seu orgulho. Se sim, por que você estaria disposta a ser amante de Ron? ― Anne se perguntou.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata