O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 527

Nigel pensava a mesma coisa, mas, por enquanto, não havia como resolver.

— Nigel, se isso continuar, Anthony causará a morte de Anne um dia! — Sarah simplesmente não conseguiria se acalmar enquanto soubesse que sua filha e Anthony continuavam envolvidos um com o outro.

Aquilo não era homem, mas um demônio!

— Anthony já ficou muito mais contido do que era antes. Pelo menos, ele é capaz de ouvir o que eu digo agora. — Nigel achava que ocupava uma posição muito mais elevada do que Ron. — Além disso, você não pode culpar Anthony desta vez. Na verdade, quando você estava em coma, Anne esteve cuidando de você praticamente o tempo todo. Ela só sofreu o acidente dois dias antes de você acordar, quando estava voltando no helicóptero de Anthony. —

— O quê? Anne veio até Santa Nila? Ela estava cuidando de mim? — Sarah ficou chocada. — Anne não tinha permissão para deixar Luton, certo? Não faz sentido! Ele certamente tinha algum objetivo em mente, Nigel! Você não conhece Anthony! Ele é vingativo, imprevisível, sem coração e cruel. Ele matou o próprio avô! —

— Isso é verdade?! Isso foi mesmo obra de Anthony?! —

— Sim! É por isso que eu digo que é impossível que ele seja tão gentil sem um motivo por trás! Aquele homem não tem limites nem para ameaçar e matar a sua própria família, muito menos para respeitar pessoas que não são parentes de sangue. O que aconteceu foi que, depois que contaram a história de que Julie pulou do prédio, Anne descobriu que foi Élder Marwood quem a empurrou. Ron também estava por lá, mas não o impediu, e é por isso que ele não pode sair de perto do túmulo até hoje! Em menos de dois dias depois que a verdade foi revelada, Élder Marwood morreu misteriosamente. Todo mundo disse que o homem morreu de uma doença grave, mas você acredita mesmo nisso? Anthony tem recursos! —

Nigel ficou sem palavras, porque não tinha a menor ideia sobre nada daquele assunto. O que ele sabia era o mesmo que os outros de fora: Élder Marwood esteve gravemente doente e falecera antes que pudesse fazer qualquer coisa contra o mal que o fragilizava. Nigel até se sentiu um pouco culpado porque ainda não havia feito oficialmente uma visita ao túmulo do homem.

Mesmo que Anthony não tivesse convidado a família Marwood para a festa de noivado e Nigel não pudesse simplesmente fingir que isso não tinha um significado importante, não esperava que o motivo da cisma do magnata com o restante da família tinha sido tão brutal.

— Em primeiro lugar, posso imaginar tudo o que Anne vem sofrendo depois que Anthony permitiu que ela viesse, terminando em um acidente... Ser gentil é impossível para aquele homem. — Sarah tinha muita certeza. — Ele ouve o que você disser a ele, você acredita, mas ele pode realmente deixar Anne ir embora, por exemplo? Se ele te ouve mesmo, permitiria que Anne viesse a Santa Nila, para me fazer companhia agora que estou acordada? Permitiria que ela vivesse comigo? —

Nigel não foi capaz de pronunciar uma única palavra.

— Onde está Anne agora? — Perguntou Sarah.

— Ela está em um hospital não muito longe daqui. Não se preocupe, ela já está bem agora. Já liguei para confirmar. — O rosto de Nigel parecia pálido.

A mulher estava certa. Se suas palavras realmente tivessem sido eficazes, então por que Anne ainda precisava viver em Luton, sem possibilidade de fuga? Isso mostrava que Anthony não era influenciado de forma alguma. Sarah não perguntou mais nada, apenas se sentou na beira da cama enquanto sentia sua raiva reprimida sem nenhuma maneira de desabafar.

— Vamos jantar antes que a comida esfrie, Sarah... — Nigel puxou a mesinha sobre a cama e serviu a comida.

A mulher fez a refeição em silêncio, mas sua mente trabalhava como nunca.

No dia seguinte, depois que Nigel voltou ao hotel, Sarah secretamente deixou o hospital. Apesar de não saber a localização exata de Anne, havia apenas alguns hospitais por perto, então a mulher simplesmente se recusou a acreditar que não seria capaz de encontrar sua filha.

— Há uma paciente chamada Anne aqui? — Sarah perguntou quando chegou ao posto de enfermagem.

— Posso ajudar? — A enfermeira olhou para ela com a guarda levantada.

— Eu sou a mãe dela. Minha filha foi trazida para um hospital da região depois que o helicóptero em que estava caiu... Eu estava fora da cidade e não pude vir antes. Você pode me confirmar se ela está internada aqui? —

Sarah viu os guarda-costas parados ao lado de uma porta à distância e soube que eram os homens de Anthony à primeira vista. O demônio estaria lá dentro, montando guarda e isolando sua filha? Fosse qual fosse o caso, precisava ver Anne, então avançou na direção da porta que os seguranças guardavam. Mas, quando estava prestes a entrar no corredor, foi parada pelos brutamontes.

— Pessoal sem autorização não tem permissão para entrar. —

— Abra os olhos e dê uma olhada, rapaz! Tenho cara de pessoa sem autorização? Quero ver minha filha! Isso é contra a lei?! — Sarah estava furiosa.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata