O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 599

Anne queria levar os trigêmeos consigo, mas também sabia que não era realista pensar em fazê-lo. Anthony ficou ao lado sem palavras, sua presença intimidadora era o suficiente para explicar sua postura.

— É bom aqui! Vocês podem morar com o papai. Vocês sempre perguntavam sobre o seu papai antes, não era? Não é bom encontrá-lo? — Perguntou Anne.

— Mamãe, você está brava conosco por termos fugido para ver o papai? — Chloe perguntou.

— Não! Por que eu estaria? Mamãe está feliz por vocês. Vocês são ótimos por tê-lo encontrado! — Anne os elogiou para que não se sentissem sobrecarregados, pois eram mais maduros do que a maioria das crianças de sua idade. Vendo como eles permaneceram em silêncio, ela acrescentou: — Fiquem aqui. Eu vou aparecer sempre que vocês sentirem minha falta. Vocês sempre podem me ligar! —

— Você virá aqui se ligarmos? — Charlie perguntou.

— Eu vou aparecer na mesma hora! — Anne assentiu.

Os trigêmeos pareciam confusos com aquela mudança toda em suas vidas, não conseguiam entender por que seus pais não podiam morar juntos e por que seu pai estava se casando com uma mulher que eles odiavam. Anthony, então, os interrompeu.

— É hora do almoço. —

Anne virou-se para olhar para Anthony e ele simplesmente disse:

— Você quer que eles se esqueçam de comer? —

A pergunta de Anthony era uma forma de provocar a responsabilidade de Anne como mãe, já que ela obviamente não desejaria aquilo. Assim, a mulher acompanhou os três filhos no almoço. As crianças se viam muito felizes porque os pais estavam junto com elas, como sempre sonharam.

— Mamãe, vamos ficar bem, mas você tem que vir aqui sempre que ligarmos! — Charlie ordenou inocentemente.

Anne estudou o rosto de Anthony e não viu nenhuma mudança em sua expressão, então disse:

— Você não pode me ligar todos os dias. Ainda preciso trabalhar. —

— Só ligaremos de vez em quando! — Chloe disse com uma colher na mão.

— Claro! — Anne riu.

Depois do almoço, eles ficaram um pouco na sala até a hora de Anthony ir para o Grupo do Arquiduque. O homem olhou para Anne, que estava conversando com seus filhos e notou que os pequenos haviam se esquecido completamente dele desde que a mãe aparecera para visitá-los. O magnata se levantou e disse:

— Estou indo para o trabalho agora. — Ele sugeria a saída de Anne.

— Mamãe não precisa ir! — Charlie reagiu imediatamente.

Chris foi segurar a perna de Anne, enquanto Chloe passou os braços em volta do pescoço da mãe, ambos tentando impedi-la de se levantar.

— O que eu acabei de dizer a vocês? Vocês têm de se comportar. Voltarei aqui em alguns dias, está bem? —

— Quantos dias? — Charlie perguntou.

— Dois dias? — Anne sugeriu.

— Um! — Chloe mostrou um dedo para ela.

Anne pensou sobre isso e disse:

— Vou passar por aqui amanhã e ficar um tempinho, então. —

— Eba! —

Depois de acomodar os trigêmeos, ela entrou no Rolls-Royce de Anthony. Ele sentou-se no banco de trás com confiança e disse:

— Um dia? Você planeja vir aqui todos os dias? —

— Eu acho que posso vir com mais frequência no começo, já que eles estão tendo dificuldade em se ajustar. Posso fazer algumas visitas corridas... São crianças pequenas, lembre-se. Não seja muito duro com eles. — Disse Anne gentilmente.

— Você deveria saber que quanto mais frequentemente você visitar, maior será a probabilidade de isso incomodar Bianca. —

Anne mordeu o lábio e assentiu.

— Eu só vou passa por aqui rapidinho, não vou dormir aqui ou algo assim. Eu só senti muita falta deles e fiquei mais tempo do que deveria na noite passada, mas isso não vai acontecer de novo. —

Anthony puxou o colarinho, frustrado, sem dizer uma palavra.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata