O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 654

— Voltar? Você não quer mais ver Chloe? —

— Anthony não vai deixar, e ele parece bastante determinado. Com certeza ela já pediu para me ver, mas isso não o fez ceder. — Anne parecia muito deprimida.

— Vá pedir ao seu pai, então! —

— Não incomode o papai, ele já tem problemas suficientes. Além disso, você pode garantir que poderei ver as crianças se formos até ele? Anthony não cede nem para o sogro, você já viu isso antes. — Disse Anne.

— O que vai fazer, então? Vai procurar Anthony e implorar? — Sarah já imaginava que a solução seria a mesma de sempre. No entanto, o que Anthony iria pedir que Anne fizesse em troca? Depois de entrar no carro, diante do silêncio da filha, a mulher ainda disse: — Volte para a mansão comigo. Você não tem minha permissão para ficar em casa sozinha, não vai te fazer bem! —

— Mãe, espere um minuto... — Disse Anne, logo antes de o carro dar partida.

— O que foi? —

— Você volta sozinha. Eu vou me esconder aqui e esperar que eles saiam, aí posso dar uma olhada nela, mesmo que de longe. —

— Como você sabe quando vão aparecer? —

— Não sei, mas eu não ligo de esperar. —

Sarah se sentiu péssima só de imaginar a cena. Chloe era a filha de Anne, mas a moça teria que se esconder para ver a menina.

— Eu vou ficar com você. —

— Não! Volte para casa! Eu vou para lá depois que vir Chloe! —

— E se eles só saírem à noite? Você vai esperar até a noite com o estômago vazio? — Sarah argumentou. — Você se preocupa com a sua filha, então deve saber como me sinto quando me preocupo com a minha! —

— Mãe... —

— Vou esperar com você! Ficarei na cafeteria, em frente ao hospital. Depois que você vir minha neta, me ligue e venho te buscar. — Disse Sarah.

Anne não teve escolha, então aceitou. Depois que ela saiu do carro, Sarah foi embora e encontrou um lugar para estacionar e descansar. Enquanto isso, sua filha observava que o Rolls-Royce estava estacionado ali perto, então ela apenas olhava da porta para o carro e vice-versa. Foi preciso esperar desde aquele horário da manhã até o meio-dia, quando viu apenas uma troca de funcionários. Depois disso, continuou esperando, do meio-dia até a noite. Nesse período, Bianca voltou, carregando consigo uma linda boneca, que, por sua vez, segurava uma pequena caixa de veludo. A mãe dos trigêmeos imaginou que dentro dela havia um anel ou algo parecido, a julgar pelo tamanho do receptáculo. Imediatamente, Anne soube que Bianca chegava para buscar Chloe no hospital.

A expressão de Anne era de puro ódio, porque sabia que Bianca era muito boa atuando. Não era de admirar que Anthony acreditasse nela, afinal. Depois de esperar mais dez minutos, a moça percebeu algum movimento na porta do hospital e recuou assustada, apenas ousando dar uma olhada rápida. Seus olhos procuraram por Chloe, que era carregada por Anthony, seguido por Charlie, Chris, Hayden e dois dos homens de confiança do magnata.

A moça olhou para o rosto de Chloe e viu os resquícios das manchinhas em seu rosto angelical. Tirando isso, a garotinha parecia muito bem, e, ao ver sua filha, os olhos de Anne se encheram de lágrimas, que rolaram copiosamente por seu rosto. Ela realmente queria se aproximar e dar uma olhada mais de perto, mas não poderia fazer isso, porque Anthony, de certo, colocaria mais restrições em seu caminho.

Anne olhou para seus meninos também. Chris e Charlie entraram no carro, e Anthony entrou depois deles. Hayden se dirigiu a outro veículo, com um daqueles guarda-costas. Enquanto isso, Bianca dirigia seu próprio carro.

O coração maternal de Anne apertou quando os veículos partiram, e ela ficou sem fôlego. Impetuosa, mordeu o lábio e saiu correndo, perseguindo-os.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata