O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 674

Depois de entrar na sala, Dorothy perguntou:

— Por que demorou tanto? —

Nigel olhou para Dorothy sem dizer nada, os olhos frios e penetrantes, como se estivesse tentando olhar através de sua alma.

— O que é? — Sentindo-se desconfortável, a mulher perguntou.

Nigel se virou para olhar para Bianca, que havia mudado de roupa e se sentava ao lado da cama. Ele tentou ao máximo procurar alguma semelhança entre sua filha e ele, mas ficou cada vez mais confuso. Foi muito rápido, mas a filha de quem ele cuidou parecia mais uma estranha. Quando a pianista encontrou seus olhos, Nigel suprimiu o sentimento de repulsa que transbordava em seu coração e disse:

— Tudo pronto? —

— Sim. — Bianca se levantou.

— Cuidado. Devagar. — Dorothy foi ajudá-la a se levantar, enquanto Nigel pegou as malas antes de segui-las.

***

Dias depois, a dúvida cresceu como uma erva daninha que não podia ser erradicada e, é claro, o homem decidiu fazer um teste de paternidade. Foi fácil encontrar conseguir um fio de cabelo no quarto da moça e, com isso em mãos, ir a um hospital particular para realizar um teste de paternidade.

O homem esperou, com toda a ansiedade do mundo.

Ao contrário do teste de paternidade anterior, havia todo tipo de nervosismo, mas nada da alegria que sentiu quando descobriu que Anne era sua filha. Em contrapartida, o teste que realizava naquele momento poderia provar que Bianca, afinal, não era sua filha. Nigel passou toda a noite anterior pensando sobre aquilo e se perguntando se era exagero ou equívoco de sua parte. Será mesmo que Dorothy o traiu depois que se casaram? Na época, o empresário ainda era um pobre rapaz, com nada além de ambição, então não suspeitava de nada.

— Senhor Faye, aqui estão os resultados. — O médico lhe entregou o envelope. "As duas amostras não estão geneticamente relacionadas", lia-se na folha, quando Nigel abriu o envelope. A mão do homem tremia, de modo que, sem querer, empurrou o copo de água que estava ao lado para seu colo. O líquido se espalhou sobre seu colo. Ignorando o estrago, olhou mais uma vez para as palavras no canto inferior direito do papel, evitando interpretar de aceitar os resultados.

— O que significa? Confirme para mim... Não pode haver erros no resultado? — Ele murmurou para o médico, mas também para si mesmo ao mesmo tempo. Como poderia a filha que ele amou durante anos não ser sua filha legítima?

— Senhor Faye, a chance de um resultado falho é muito baixa. Se quiser confirmar, podemos tentar realizar o teste outra vez, ou você tentar em uma outra clínica, apenas por desencargo de consciência... — O médico imaginava sua dor.

Nigel tentou mais uma vez, em outra clínica, mas recebeu os mesmos resultados. Exausto, sentiu seu espírito desmoronar e ficou muito tempo sentado no carro, sem mover um dedo. Bianca não era sua filha, e o homem sacrificou sua felicidade, casando-se outra vez com Dorothy, tentando ser um bom pai para a garota.

Não tinha como ser vítima de uma piada maior.

Logo chegou a hora do jantar e, quando Dorothy percebeu que Nigel não retornou para casa, ligou para o marido. O homem, contudo, não atendeu a chamada.

— Estou tão farta disso! Por que ele não pode pelo menos me avisar se não vem para casa para jantar?! As pessoas que não sabem o que está acontecendo podem pensar que ele foi ver Sarah! — Dorothy largou o telefone. — Venha, vamos comer. — A mulher disse, então ajudou Bianca a ir até a sala de jantar.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata