O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 744

Anne ficou chocada e gritou:

— Você não o impediu?! Mesmo que não pudesse impedi-lo, você poderia pelo menos ter me acordado! —

— Por que eu iria acordar você? Você gostaria de estar com as crianças, não é? Aposto que eles ficaram muito felizes em ver você! — Argumentou Sarah.

— Como eu poderia te deixar aí sozinha? Se Dorothy e Bianca mexerem com você, não vou ter tempo de te ajudar! — Explicou Anne.

Levaria pelo menos meia hora, mesmo que fosse de helicóptero.

— Os guarda-costas de Anthony estão guardando na porta. —

— Na porta do seu quarto?! —

— Isso mesmo! De início, não tive certeza, mas quando perguntei à doutora Brown, ela disse que era para impedir a entrada de outras pessoas além de médicos e enfermeiras. Parece que Anthony queria fazer você se sentir à vontade. Enfim, agora pode ficar tranquila e se divertir. — Sarah parecia estar de bom humor.

Anne ficou surpresa, aquilo era mesmo uma ótima notícia. Mas por que Anthony insistia em não explicar essas coisas? Que teimosia!

— Como você está agora? Sua cabeça ainda dói? —

— Não sinto muita dor. Foi uma pancada leve, no fim das contas. Posso só me deitar e descansar. —

— Então descanse e não saia da cama sem ordem da médica! — Anne insistiu.

— Eu sei! Eu sei! Você pode se divertir com tranquilidade! —

— Bem, se você tiver algum problema, basta ligar para este número. Não vou deixar que ameacem você, de jeito nenhum! —

Bianca e Dorothy, andavam no corredor quando viram os guarda-costas na porta e ficaram furiosas. As duas sabiam quem havia mandado os homens ficarem ali para proteger Sarah. Elas concordavam que Nigel precisava receber proteção dos brutamontes de Anthony, mas por que Sarah? Bianca se virou e saiu, sem nem entrar no quarto do pai.

— Bianca! Filha, calma! Espere! — Dorothy a seguiu.

A pianista sentia tanta raiva que não conseguia recuperar o fôlego.

— Que inferno! Anthony dizia odiar tanto Sarah que desejava que ela morresse! Agora ele envia guarda-costas para protegê-la? O que ele está fazendo? —

— Ele fez isso para que Anne pudesse se divertir com ele em paz. —

— Piorou! Por que ela? Ele nunca me levou para algo assim! —

— Por causa das crianças... —

— As crianças! Eu queria que os malditos desaparecessem! — Bianca ficou com tanta raiva que explodiu. — Anne conseguiu seduzir meu noivo porque ela tem três filhos, é isso?! Ele está até disposto a enviar guarda-costas para proteger a mãe vagabunda dela! Isso não faz sentido para alguém como ele! —

— Não, Anthony ainda se preocupa muito com você. Não importa o que ele faça, é pelo bem das crianças. Bianca, você deve manter a calma e não deve deixar Anthony perceber sua raiva. Caso contrário, Anne se aproveitará mais ainda. —

Pensando nisso, Bianca se forçou a se acalmar. A mãe parecia ter alguma razão, ainda que, no fundo, a mulher sugerisse que o magnata ter a cunhada como amante não fosse um problema. A conclusão da pianista, de qualquer maneira, era que, quanto mais caos houvesse, mais oportunidades Anne poderia aproveitar para roubar seu noivo de uma vez. Bianca sabia que tinha que se livrar da irmã.

Anne estava se divertindo com Anthony e seus filhos no iate. Os trigêmeos brincavam na piscina com seus corpinhos rechonchudos em trajes de banho combinando. Sentada numa grande boia em formato de pato, Anne observava de lado e jogava água nos três.

— Mamãe, não joga água na minha cara! — Chloe implorou por misericórdia.

Anne gargalhou, então jogou água em Charlie e Chris.

— Ah, socorro! —

— Papai! —

Antes de Anne virar a cabeça, a figura atrás dela virou a boia, de modo que a moça caiu na água.

— Ah! Eu não sei nadar... — A jovem berrou, abraçando instintivamente o pescoço de Anthony com força. Em seguida, a moça se virou para procurar a boia, que acabou sendo empurrada para o outro lado da piscina.

— Vá buscar, ué. — Provocou Anthony.

Anne cerrou os dentes e estendeu as mãos para a borda da piscina. No entanto, seus braços não eram longos o suficiente, então não podia soltar Anthony, que até se afastou mais da porta, nadando até o centro.

— Anthony, pare com isso! —

— Parar o que? — Chloe nadou até o papai e a mamãe como um patinho.

— Mamãe está se divertindo com a gente! — Charlie e Chris se aproximaram.

Anne semicerrou os olhos e sorriu, apontando para a beira da piscina.

— Você pode ajudar a mamãe, pegando a boia ali? —

— Por que você quer isso? — Perguntou Charlie.

— Porque mamãe não sabe nadar! — Explicou Anne.

— Papai está te segurando, não tenha medo, mamãe! — Chloe disse.

Anne sabia, contudo, que o homem se aproveitava da situação.

— Papai te segura! — Chris disse.

Depois disso, os trigêmeos nadaram com as pernas curtas, e Anne abriu a boca, incapaz de falar. De repente, seu corpo congelou, fazendo com que seu rosto ficasse vermelho. O magnata acabava de abraçá-la, então a moça falou para que só ele pudesse ouvir.

— O que você está fazendo?! —

— Você quer que eu te solte? — O homem perguntou, então tirou dela o apoio.

Anne se sentiu tão amedrontada que agarrou os ombros largos de Anthony com as duas mãos. Caso se soltasse, afundaria. Assim que os dois se abraçaram com força, seus corpos se aproximaram. A jovem viu que tocava os músculos fortes do magnata e se sentiu um tanto desconfortável.

— Anthony, não... — Anne disse, porque os lábios finos de Anthony aproximaram-se de sua orelha.

— O que há? — Sua voz era baixa e rouca.

Aproveitando um momento de distração dos filhos, Anthony chamou Anne para que saíssem da piscina juntos.

— Mas e as crianças? —

— Os guarda-costas vão ficar com elas. —

Em instantes, os trigêmeos se deram conta de que o pai e a mãe haviam sumido, então se perguntaram o que teria acontecido com os dois.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata