Bela Flor - Romance gay Capítulo dezenove

sprite

ㅡ De pé na cama. ㅡ ele manda.

As argolas não são tão altas, mas as regula no segundo em que me pede para erguer as mãos para cima.

Ele analisa a altura e, quando julga já estar bom o suficiente, sobe sobre o colchão também.

Com cuidado, ele passa a corda pelas argolas, firmando bem o nó, me mantendo preso.

ㅡ Está bom assim?

ㅡ Está sim, senhor. ㅡ respondo sorrindo.

Hyun-Suk me olha com aquele jeitinho que eu bem sei o que significa.

No segundo em que ele mesmo puxa as cordas, notando como elas estão mesmo presas lá, ele sorri para mim, afastando-se para me observar.

ㅡ Gosta do que vê, senhor? ㅡ ouso perguntar, seu olhar é tão bom em mim que eu sinto meu corpo quente.

Sei que logo estarei evidenciando a minha excitação também.

Hyun-Suk umedece os lábios, suspirando pesadamente.

ㅡ Estou tendo alguns pensamentos sobre o que eu poderia fazer com você assim.

ㅡ Mesmo? Então, o que você poderia fazer comigo, Hyunie?

Hyun-Suk sorri, ele gosta disso também, eu sei.

Abaixando-se ele busca o chicote que está sobre o colchão. Com o objeto em suas mãos, eu o vejo voltar a se aproximar, batendo sutilmente o couro sobre a palma da mão, antes, é claro, de desferi-lo sobre a banda esquerda da minha bunda.

O som estalado me faz gemer e empinar. Olho-o sobre os ombros e lá está, seu sorriso vitorioso, que eu tanto gosto.

ㅡ Você se diverte com isso, não é? ㅡ ele perguntou, arrastando o chicote ela minha lombar.

Apenas murmurei positivamente, mas então Hyun-Suk desferiu a chicotada mais uma vez, acertando o outro lado da minha bunda. Gemi, perdido com a dor passageira e com a sensação que aquilo me causou.

Cacete, eu tô ficando muito excitado.

ㅡ Como deve me responder?

ㅡ Sim, se-senhor. ㅡ eu respondo, fechando brevemente meus olhos quando, no lugar do chicote, eu sinto os dedos de Hyun-Suk.

E ele massageia o lugar que acabou de marcar, apertando no fim.

ㅡ Você é gostoso, Jaejun. Um filho da puta submisso gostoso.

ㅡ E-Eu sou? ㅡ pergunto trêmulo e sinto outra chicotada. ㅡ E-Eu sou, senhor?

ㅡ É claro que é, meu bem. ㅡ ele responde mais baixo, encaixando o corpo ao meu.

Sinto a ereção que Hyun-Suk já carrega entre as pernas, e, cacete, eu só penso em como seu pau é gostoso e em como eu adoro vê-lo e almejo tocá-lo.

Ele me provoca com aquilo, segurando minha cintura enquanto estoca devagar.

ㅡ Você é meu?

ㅡ Sim, senhor.

ㅡ Só meu? ㅡ ele arrasta a língua por meu lóbulo.

Gemo, tremo e reviro os olhos ao assentir. Quando sinto o peso do chicote outra vez em minha bunda, deixou um gritinho escapar ao sentir Hyun-Suk girar meu corpo em seguida.

Sua mão vem para meu queixo, enquanto a outra larga o chicote e se firma em minha cintura.

ㅡ Então só eu vou te foder? ㅡ Hyun-Suk parece outro homem quando pergunta tal coisa.

Eu me sinto ainda mais perdido. Ele sequer parece o homem que se recusou a fazer sexo comigo quando eu quis, porque ditou eu não estar pronto, mas, agora...

ㅡ Só você, meu senhor. ㅡ respondo olhando-o nos olhos.

Os dedos de Hyun-Suk se apertam em meu queixo, e a outra mão ㅡ de uma forma que eu tenho certeza que eu não conseguiria nunca fazer ㅡ ele desce por meu corpo e me ergue com apenas um impulso.

Eu me assusto, prendendo as pernas em torno de seu corpo já que minhas mãos estão atadas.

Hyun-Suk ri, largando meu queixo e me segurando com as duas mãos sobre a bunda.

Eu estou completamente entregue a si agora. Sinto sua boca vir para meu pescoço e me reviro com a vontade de descontar o que sinto em meu corpo, puxando seus cabelos.

É um desejo, isso é fato. Eu gosto de puxar os cabelos loirinhos dele, sempre o faz grunhir de um jeito que me faz ficar ainda mais excitado.

Mas sem poder descontar minha excitação assim, tudo o que eu faço é gemer, jogando a cabeça para trás, quando Hyun-Suk volta a estocar fraco, sobre a minha roupa, bem encaixado na minha bunda.

ㅡ Hyunie... ㅡ eu o chamo, mas o estalo que sua mão faz ao acertar um tapa sobre minha bunda, me faz gemer ainda mais. ㅡ senhor... eu quero tanto você.

ㅡ Você quer?

ㅡ Quero, senhor.

ㅡ Como?

Hyun-Suk é, com certeza, o meu maior delírio.

Não tem sequer condições dele ser real, porque, caramba! Onde ele estava durante toda a minha vida curta de dezenove anos?

Eu suspiro ao sentir sua língua quente e áspera em minha pele e gemo antes de responder:

ㅡ Dentro de mim. Eu quero o senhor dentro de mim.

Hyun-Suk grunhe, do modo em como eu amo ouvi-lo fazer. Meu delírio aumenta, e eu penso em como seria bom tê-lo realmente em mim. E para piorar, Hyun-Suk parece ter controle completo sobre a minha sanidade, pois tudo piora quando ele diz:

ㅡ Eu quero tanto te foder agora...

Meu coração que antes voltava a bater com normalidade, acelera outra vez ao ouvir aquilo.

As mãos firmes em minha cintura mostram como é um bom apoio ao que Hyun-Suk se afasta e estoca apenas uma vez, nos massacrando por fazer tal coisa ainda quando estamos vestidos.

Eu o olho, sentindo a bagunça me consumir.

ㅡ Então fode. Por favor, senhor, me fode...

Ele abre seu lindo sorriso.

Eu me derreto, o que, claramente, só ajuda a minha bagunça particular. Quando sinto as mãos de Hyun-Suk se apertarem outra vez em minha bunda, eu fecho os olhos e aproveito o toque gostoso.

Entretanto, como se um raio caísse sobre nós dois, o som de batidas na porta me faz despertar, largando as pernas de sua cintura, arregalando meus olhos completamente.

ㅡ Ai minha nossa! ㅡ eu quase berro, vendo Hyun-Suk apenas respirar fundo, olhando em direção a porta. ㅡHyun-Suk, quem é? EU AINDA TÔ NO TETO!

ㅡ Deve ser o Hajun.

Ele caminha calmamente até a porta, mas eu ainda tô na porra do teto!

ㅡ Hyun-Suk! ㅡ eu o chamo, desesperado. ㅡ é o chefinho, ele não pode me ver assim.

ㅡ Baby, ele é sócio disso aqui.

ㅡ O quê?!

ㅡ E ele sabe que você está aqui hoje.

ㅡ O QUÊ?!

Hyun-Suk apenas ri, jogando seus cabelos loiros para trás, enquanto ouve mais batidas.

ㅡ Não se preocupe. ㅡ ele diz calmo.

Não me preocupar?! Caramba eu ainda tô NA PORRA DO TETO!

Sinto vontade de xingá-lo, mas também sinto vontade de rir de tanto desespero.

No segundo que Hyun-Suk abre a porta, eu respiro fundo e abaixo a cabeça, mortinho de vergonha, mas fingindo que estou apenas ali, como o bom submisso que meu Park merece ter.

ㅡ O que quer, Hajun? ㅡ Hyun-Suk pergunta.

Minha garganta trava e meus olhos me imploram para que olhe e constate que realmente é meu chefe que está aqui, mas minha súbita vergonha continua, então tudo o que faço é continuar na posição que estou, agora, encarando meu pau que ㅡ caralho! ㅡ se mantém duro.

Se eu não for demitido, eu, com certeza, vou ser promovido.

ㅡ Vim te avisar que hoje estou com baby e quero usar o quarto de vidro.

ㅡ E porque não avisou diretamente a Jessy? Ela poderia liberá-lo para você.

ㅡ Eu avisei, mas ela me lembrou você está acompanhado hoje, e como você sempre a usa quando vem acompanhado, eu vim saber se está livre ou não.

Meu coração acelera quando ouço o que foi dito, e então lembro-me do garoto número um. Com certeza Hyun-Suk já deve ter trazido-o aqui, já deve ter exibido-o em uma coleira social como fez comigo e, muito provavelmente, já deve ter amarrado-o no teto também.

E se Hajun diz que Hyun-Suk usa a tal sala de vidro todas às vezes que vem acompanhado, então o número um deve significar que o garoto é realmente bom.

Meu coração dói, não pela constatação óbvia de que Hyun-Suk provavelmente tenha mesmo se divertido com ele aqui, mas sim com o medo de não ser tão bom quanto o outro foi.

Tal pensamento é ridículo, eu sei, mas é inevitável não pensá-lo agora.

ㅡ Não, nós não usaremos. ㅡ Hyun-Suk fala.

Eu o olho brevemente, e vejo-o sorrir, fazendo Hajun me olhar naquele instante, e, de imediato, fazer-me desviar os olhos.

ㅡ Olá, Jaejun. ㅡ ouço Hajun dizer. Eu continuo de cabeça baixa, não sabendo o que fazer.

ㅡ Minha flor, cumprimente-o. ㅡ Hyun-Suk me pede.

Com timidez, ergo a cabeça e sorrio pequeno.

ㅡ Olá.

Hajun está vestido em roupas de couro, todas pretas. Eu noto isso rápido porque é completamente diferente de todas as vezes em que eu o vi.

Mas garanto também que eu estou de um jeito que ele também nunca tenha visto, então, tudo bem, eu acho.

Percebo quando Hyun-Suk olha para algo ㅡ ou alguém ㅡ que está ao lado de Hajun. Mas seus olhos são guiados para baixo, e, com um sorriso, ele volta a olhar nos olhos do amigo.

ㅡ Baby, levante-se. ㅡ Hajun ordena.

Só então eu entendo que ele pode ser um dominador também. Não me recordo se tal coisa já tenha sido mencionada por Hyun-Suk antes, porque sempre quando estou com ele, minha mente se torna uma confusão, mas, assim que Hajun dá aquela ordem, eu ouço o movimentar ao seu lado e percebo seu sorriso satisfeito.

O homem que se ergue, caminha devagar e com a cabeça baixa.

Reparo quando ele para ao lado de Hajun e então eu olho como suas roupas são diferentes.

Ele veste saia. Uma pequena e quadriculada na cor rosa. Sua camisa é transparente assim como a minha, mas também é na cor rosa. Um rabo felpudo sai de entre suas pernas e até balança com suavidade quando ele se remexe. Seus cabelos escuros tem orelhas fofinhas na mesma cor, e suas mãos estão fechadas de modo que parecem patas de um gatinho.

É fofo.

Em seu pescoço há uma coleira preta. A única peça naquele tom. Eu vejo a guia assim como a que Hyun-Suk colocou em mim e percebo que se estende até a mão direita do meu chefe.

Em minha pesquisa, eu vi algo relacionado à prática intitulada "pet play". Talvez seja isso, pelo modo em como o homem de cabeça baixa age e até ronrona, talvez estejam praticando e nesse instante ele esteja encenando um gatinho bastante fofo.

Hajun se aproxima e retira a guia, acariciando o rosto do seu parceiro, que se arrasta pela mão dele, como se, realmente, fosse um gatinha em busca de carinho.

ㅡ Este é baby. ㅡ O chefinho fala me olhando. ㅡ apresente-se, gatinho.

ㅡ Olá... ㅡ ouço-o falar ainda sem erguer o rosto, mas Hajun se aproxima e beija-o abaixo da orelha.

ㅡ Mostre-o seu lindo rosto, gatinho.

E bastou aquele pedido para o homem erguer. Eu o observo, pois, de imediato meus olhos saltam e eu preciso de um pouco de tempo para ter completa certeza de que eu já o conheço.

É Min JiHo.

Diferente de quando o conheci como o professor da universidade que Taeshin estuda, ele está sem sua pose rabugenta e arrogante de sempre agora. Seus olhos saltam assim que me encaram também, e então ficamos nós dois dessa forma por muitos segundos.

ㅡ Diga olá, Jeon. ㅡ Hyun-Suk diz.

Eu pisco algumas vezes, assimilando aquilo, mas assinto após tanto pensar e nada fazer.

ㅡ O... lá...

Admito, estou tão surpreso que estou sem palavras.

ㅡ Bem, então temos passe livre hoje, certo? ㅡ Hajun volta a falar com Hyun-Suk, mas meus olhos apenas continuam fitando JiHo.

"Será que Taeshin sabe?" É o que eu penso ao vê-lo voltar a abaixar os olhos.

ㅡ Sim, e, por favor, não venha mais a minha sala. Você é meu sócio, mas eu sou o dono disto daqui. Quero privacidade com o meu garoto.

ㅡ Como quiser, dom Park. ㅡ sinto o tom debochado na frase de Hajun, mas apenas vejo-o erguer a guia e voltar a prendê-la na coleira que JiHo usa.

Diferente da minha, a dele é grossa, e ele apenas ergue o rosto quando Hajun o encara.

ㅡ Vá vê o show hoje. ㅡ é a última coisa que Hajun diz a Hyun-Suk antes de ir, levando JiHo por sua coleira, enquanto o rabo felpudo balança de um lado a outro de um modo ainda sutil.

Hyun-Suk fecha a porta, olhando para mim ainda preso. Porém, antes que ele volte a fazer o que estava fazendo comigo, meus olhos que ainda estão arregalados vão para si, totalmente chocado.

ㅡ Hyunie, vem, me solta daqui. ㅡ peço ligeiro, ainda boquiaberto. ㅡ o que foi que acabou de acontecer?!

Hyun-Suk se aproxima, erguendo-se sobre o colchão, rindo do meu desespero.

ㅡ O que foi, meu bem? A roupa do baby te chamou atenção?

ㅡ O baby me chamou atenção! ㅡ falo, enfim abaixando meus braços ㅡ Hyun-Suk, eu o conheço!

ㅡ Você conhece o Min? ㅡ Hyun-Suk pergunta franzindo o cenho. Assinto rápido demais, fazendo-o rir ao segurar meus pulsos, analisando-os. ㅡ E isso é ruim para você?

ㅡ Ruim? Não, só estou chocado porque JiHo é o ex-namorado de Taeshin!

ㅡ Taeshin? Acho que não me recordo dele.

ㅡ Recorda sim. Lembra o meu amigo que o chefinho beijou e levou para o estacionamento para fazer aquelas coisas? Esse é Taeshin!

No momento em que eu falo tal frase, eu paro e constatando toda a bagunça ainda pior. Cubro minha boca, voltando a ficar completamente chocado.

ㅡ Puta merda, Hyunie! ㅡ olho para Hyun-Suk e o vejo rir.

ㅡ Eu não vou te castigar, porque estou começando a ficar curioso. O que aconteceu?

Seu amigo pegou o meu amigo e o ex do meu amigo, o seu amigo ainda

Quê? ㅡ Hyun-Suk novamente franze o cenho e até desce da cama, me levando consigo, enquanto sentamos sobre o colchão.

Eu o vejo buscar algo para passar nos meus pulsos no móvel que há ao lado da cama, mas estou tão absorto na fofoca, que eu sequer fico todo bobo com ele cuidando de mim com tanto jeitinho.

Hajun, o chefinho ㅡ digo mais calmo para ele ㅡ Hajun pegou Taeshin, e Taeshin é ex-namorado do JiHo!

Eita! ㅡ Hyun-Suk ergue as sobrancelhas, parecendo enfim entender. ㅡ Qual a probabilidade disto acontecer?

ㅡ Pelo que parece, eu diria, pelo menos, setenta por cento!

que Hajun não

ㅡ Acho que ninguém sabe. ㅡ falo enfim olhando meus pulsos que estão apenas um pouco avermelhados. ㅡ tô muito chocado...

Hyun-Suk para por alguns segundos me analisando. Depois, apenas ri e me joga sobre o colchão, parando sobre meu corpo.

Estamos falando deles, quando poderíamos estar aproveitando. ㅡ diz e beija meu queixo.

Isso é o que namorados fazem, eles fofocam.

novamente falo sem pensar, e somente quando vejo Hyun-Suk erguer o rosto e me encarar, é que dou conta do

que nós sejamos. ㅡ falo

Hyun-Suk novamente ri, mas dessa vez ele se ergue, buscando a guia sobre o sofá que está também sua jaqueta.

ㅡ Vamos dar uma volta, quero te exibir.

Ergo-me rindo, vendo-o cobrir o tronco com a vestimenta densa outra

Deixando de lado a fofoca de minutos atrás, caminho até ele e ergo meu pescoço para que ele feche a guia ali, voltando a pertencê-lo.

Você aprende rápido. ㅡ Hyun-Suk fala ao fechá-la em minha coleira.

ㅡ Tudo para agradar o meu senhor. ㅡ digo mordiscando meu lábio, e vejo-o sorrir, aproximando o rosto e mordendo meu queixo, apenas para em seguida deixar um tapa fraco em minha bunda.

ㅡ Vamos, meu bem.

[...]

que Hyun-Suk está realmente me exibindo, pois, os olhares que vem até a nós dois é de curiosidade e alguns até mesmo de desejo.

Quando chegamos a uma área bem maior, a luz é escura, a música é alta e a letra é explícita. Há algumas mesas espalhadas, assim como a área que Hyun-Suk mostrou-me quando chegamos. Todas são em tons carmins, com cadeiras grandes e acolchoadas. O que me chama atenção é que, nessa área, as mesas são mais altas e algumas até mesmo tem barras de pole dance.

São para que submissos dancem ou se exibam. ㅡ Hyun-Suk fala para mim. Meus olhos vagam deslumbrados com tudo, mas pousam em algumas mesas mais reservadas, que no centro mais espaçoso, há cabines como se fossem gaiolas, e em uma delas, vejo que já há duas mulheres com maiôs pequenos e em látex, exibindo-se para a dominatrix que está do lado de fora, apreciando-as.

Sente-se. ㅡ Hyun-Suk pede ao retirar minha guia. Caminho e sento ao seu lado esquerdo. ㅡ Quer beber algo? Não posso te dar álcool, infelizmente, você é um visitante e a regra é bastante clara quanto a essa proibição. Mas posso te oferecer qualquer outra coisa.

É incontrolável quando um bico se forma em meu rosto.

Poxa eu só queria uma cervejinha...

ㅡ Água, por favor, senhor.

Hyun-Suk assente e então ergue a mão para uma das garçonetes vestida apenas num maiô de couro que passa entre as mesas.

elegantemente até nós, e sorri para Hyun-Suk.

ㅡ Traga-me uma água e um Dry Martini. ㅡ ele pede.

A moça assente, logo se encaminhando ao bar. Meus olhos voltam para a mesa que há a gaiola, e então ainda incerto, cutuco a perna de Hyun-Suk.

ㅡ Senhor, posso perguntar uma coisa?

ㅡ Claro, meu anjo. O que

você tem um lugar tão incrível como esse, porque foi até aquela boate meia boca?

ㅡ Eu estava sem rumo, mas agora acredito que tenha sido o destino que me levou até você.

Meu senhor é um grande galanteador... ㅡ comento baixo. ㅡ mas eu sei que não é isso.

havia marcado com um garoto, não o trouxe aqui porque tive receios, mas você sabe, eu te dei meu cartão, então, realmente acho que tenha sido o destino.

Eu sorrio ao ver Hyun-Suk buscar as bebidas e entregar-me a água que pedi. Agradeço-lhe, ainda curioso com tudo o que há

Senhor... é tranquilo mesmo ficar olhando essas pessoas nas gaiolas?

Veja, a dominatrix que está sentada ㅡ ele fala sem apontar, levando minha atenção para a mulher ㅡ ela está dando ordens para que suas submissas as obedeça. Elas sempre fazem as práticas para que todos vejam, são exibicionistas.

ㅡ Posso fazer outra pergunta?

Claro. ㅡ novamente ele me olha.

ㅡ O senhor Jung falou sobre o quarto de vidro... O que é isso?

Acho que você entenderia mais vendo-o, do que comigo explicando. ㅡ ele ri. ㅡ As sessões sempre se iniciam à meia noite. Gostaria de

Eu posso mesmo? ㅡ minha animação é notória.

Claro que pode, meu bem. ㅡ diz voltando a tocar minha coxa, bebendo um pouco de seu drinque. ㅡ mas antes, beba sua água.

Busco a água e bebo-a tão rápido que temo

ㅡ Bebi!ㅡ falo ao fim.

Jeon... ㅡ Hyun-Suk bebe mais de sua bebida e sobe a mão que antes estava em minha coxa, até tocar meu rosto. ㅡ Tão curioso, meu bem.

Eu só sorrio, não tem como negar que realmente estou curioso.

se erguer e buscar a guia, ergo outra vez meu pescoço e deixo-o prendê-la novamente em mim.

Não é preciso ordens quando ele fica de pé e apenas me puxa sutilmente.

lado a lado e o corredor comprido e com algumas portas, me chama bastante a atenção porque esse é diferente.

Sons podem ser ouvidos.

Barulho de chicotes, gritos, risos, gemidos...

ㅡ Minha nossa... ㅡ eu sussurro.

Não estou assustado, porque, sinceramente, esse lugar estranhamente me faz sentir livre. E é apenas por esse sentimento de liberdade que minha surpresa vem ao ouvir aquilo. Por trás de cada porta parece que a liberdade é o ato mais importante de cada praticante ali dentro.

Todos os quartos são sempre reservados com antecedência. ㅡ Hyun-Suk explica, ainda caminhando. ㅡ São privados, mas cada um há um diferencial.

Continuo andando e paro apenas quando ele abre a única porta vermelha

Me surpreendo por perceber como aquela sala é grande. Há muitas cadeiras e também a frente, um cômodo de paredes transparentes, está erguido sobre uma espécie de palco.

que é isso? ㅡ pergunto em um sussurro.

Aqui é onde vemos tudo o que é feito no quarto de vidro. ㅡ ele explica. ㅡ sentaremos ali.

que se trata de duas cadeiras reservadas das demais. São afastadas e privadas dos

encaro as paredes de vidro e tudo o que há dentro

ㅡ O que vai acontecer, senhor?

para mim, livrando a guia mais uma

aguarde, meu bem. A surpresa com certeza

ouso perguntar mais qualquer outra coisa quando ouço-o falar aquilo. Apenas confio em seu

demora muito até que as luzes de dentro do quarto se acendam completamente. Assim, consigo ver uma grande variação de chicotes, assim como algemas e palmatórias em diferentes tamanhos e formatos. O que me faz lembrar muito do escritório de

mesa preta e muito grande no centro, e em cada extremidade dela há também algemas, possivelmente, para prender os pés e as mãos de quem deitar

bancada ao lado, está preenchida com alguns plugs reservados. Também há vibradores e brinquedos de todos os tipos, até mesmo grampos

cruz, formando um "x" também está localizada no canto do cômodo, e assim como na mesa, há algemas em todas as suas

novo para mim, e por isso eu fico absorto em cada coisa. Penso se um dia chegarei a usar algumas dessas coisas com Hyun-Suk, mas meus pensamentos são cortados no mesmo momento em que vejo Hajun adentrar o lugar levando JiHo ainda preso à

de como lhe vi anteriormente, ele não veste mais as roupas rosa. Apenas está vestido com uma cueca de renda na cor preta, o que faz destacar sua pele

olhos estão vendados, e sua boca, coberta por uma mordaça preta, que circula por sua cabeça e

me ajeito sutilmente sobre a cadeira, ansioso pelo que virá a

bastante atenção, e se tiver alguma dúvida, me pergunte. ㅡ Hyun-Suk diz

Sim, senhor. ㅡ falo naturalmente e vejo Hajun caminhar até onde estão

cada coisa, enquanto JiHo permanece parado, apenas a sua espera. No fim, ele busca os grampos dos mamilos, e vai para trás de

suas mãos para trás. ㅡ Hajun fala alto, dando-nos total entendimento de sua

obedece e faz como foi pedido. Vejo quando Hajun o abraça por trás e prende os grampos em cada um de seus mamilos. É possível ouvir o arfar de JiHo apenas com

atento, sentindo meu corpo estranho. Hajun então segura em uma das mãos dele, e caminha até a mesa, colocando-o de frente para a madeira, antes de empurrá-lo com gentileza, empinando

deixa ali, ele apenas sorri, vendo JiHo da maneira que se sinta

o corpo do Min à mercê, Hajun passeia com o dedo por toda a pele nua, vezes também passeando bela bunda do garoto, e depois descendo, segurando o tornozelo direito para o prender firmemente na primeira algema que há em um dos pés da

movimentos a seguir são repetidos, fazendo o que fez anteriormente, prendendo agora o tornozelo

a mão volta a subir pelo corpo de JiHo, ouço-o gemer arrastado somente com o toque, e o som completamente erótico

de soslaio para Hyun-Suk, e vejo-o encostado na cadeira totalmente relaxado enquanto aprecia o pequeno show. Meus olhos vagam por ele, mas acabam parando em seu pau. Minha boca saliva somente com a lembrança de quando o tive encaixado em minha

focar no que é feito dentro do quarto, volto a olhar e vejo que Hajun já prendeu as mãos de JiHo, e agora caminha até os chicotes, buscando um com tiras

passa o objeto pelo corpo do outro, mas para na bunda do Min, dando uma chicotada leve, mas que foi o suficiente para fazer meu corpo sobressaltar com o som do gemido de

Hajun sorrir. Ele passeia mais uma vez com o chicote, mas o abandona por segundos ao lado do corpo do outro, apenas para tocar-lhe agora diretamente com as mãos, e quando elas param sobre o tecido fino e escuro que ele veste, o som alto do mesmo sendo rasgado misturado ao gemido prazeroso de JiHo, me faz prender as pernas mais uma vez, sentindo a excitação me

incontrolável, estou ficando mais excitado com os sons do que com

risada baixa de Hyun-Suk e quando olho-o percebo que ele me analisa

ㅡ Está ficando excitado?

senhor... ㅡ falo com um pouco de vergonha, mas sorrio contido quando vejo-o tocar sobre a coxa e ditar ao bater

ㅡ Sente-se aqui.

o bom garoto que sou, me ergo e apenas sendo sobre as pernas dele. Sinto a ereção que ele já carrega, e essa se encaixa perfeitamente em minha bunda

Quando se sentir excitado, rebole em mim. ㅡ ele diz e seu tom é de ordem. Eu apenas assinto, tão preso na sensação que estou sentindo que esqueço por segundos de que estou aqui como seu submisso. ㅡ Não é assim que responde,

meu erro, rebolo ao ouvir mais um som de chicotada e um gemido, fazendo como me

ㅡ Desculpe-me, senhor.

as mãos de Hyun-Suk pousarem em minha cintura, e quando ele se mexe minimamente para aproximar a boca de meu pescoço, sinto-o ainda mais encaixado em

Você é um garoto bastante obediente,

é provocativo, e suas mãos me prendem firmemente. Hyun-Suk não me conhece há muito tempo, mas tem total conhecimento do que me

mãos fortes me segurarem, eu sinto como meu pau ereto dói. Então, novamente me sentindo louco, eu rebolo sobre ele, e, desta vez, ouço-o gemer baixo em

sei quanto tempo duraremos mais, mas se há uma coisa que tenho hoje, é a certeza de que quero e preciso sentir Hyun-Suk dentro

me sinto louco, como nunca senti

tão bem sentado sobre seu pau que fecho meus olhos por segundos, me deleitando com a

do chicote alto, me faz sobressaltar, e com isso meus olhos se abrem e fitam o quarto mais

está chicoteando a bunda de JiHo. A pele branca já está vermelha, e mesmo com a boca coberta, os gemidos de JiHo se tornam cada vez mais altos, e seu corpo treme a cada

Hajun para as chicotadas apenas para segurar a cintura magra de JiHo e, assim, o erguer da forma que dá, fazendo com que a bunda dele fique erguida e que seu pau agora duro, fica a mostra para

surpreendo porque nunca imaginei ver o ex-namorado do meu amigo assim, completamente nu

dirá ver seu peguete proporcionando o prazer do

O mundo é uma doideira!

posição, Hajun livra-o da mordaça e da venda, fazendo o homem tremer ainda mais quando o ver subir sobre a mesa e, sem cerimônias, livra o próprio pau da calça que veste, buscando-o sobre a palma quando se aproxima, e, assim que para perto de seu rosto, o bater sobre as bochechas até que aquela região

faz rebolar três vezes seguidas sobre o pau de Hyun-Suk, e até gemer baixinho também. As mãos dele se intensificam em minha cintura, e uma, sorrateiramente, se desliza por debaixo de minha camisa para capturar meu mamilo. Hyun-Suk brinca com ele, me fazendo senti-lo ainda mais, enquanto meus olhos ainda focam

busca o próprio pau e o coloca sobre a boca do Min. Ele o recebe com tanta vontade, que o som de sua língua molhada deslizando pode ser ouvido

som de JiHo, o som dos gemidos de seu dominador começa a ser ouvido. O de Hajun, diferente do dele, é baixo e rasteiro. E talvez, além das práticas, o som seja algo que faça JiHo chegar ao seu limite também, pois, com pouco do que Hajun investe em sua boca, seu pau jorrar sem sequer ter sido tocado, sujando a mesa com seu gozo, enquanto sua boca é abarrotada pelo prazer

tantos sons e com a imagem intensa de ambos gozando, eu até me perco nos rebolados sobre Hyun-Suk e apenas noto que estou totalmente excitado quando sinto vontade de

como eu esteja, Hyun-Suk desce a mão que ainda permanece em minha cintura e agora estimula meu pau por cima

não ser evidente e não trazer olhares para nós, pois a sala ainda tem pessoas observando agora Hajun livrar JiHo e cuidá-lo, mas minha cabeça tomba para trás quando a mão do meu dominador intensifica no aperto ao meu mamilo e a outra sobe e desce por minha ereção em um ritmo

ㅡ ouço-o mandar e logo obedeço. Encostando sobre ele, deixo-o que tome meu corpo da maneira em como está e apenas continuo o rebolado, o que ainda o ajuda nos movimentos. ㅡ Goza pra mim. Quero ouvir seu gemido gostoso bem baixinho. ㅡ ele novamente fala, e não sei como, mas segundos após seu pedido tão explícito, eu gozo sobre seu toque. Libero um gemido baixo, o que provavelmente não chama tanta atenção, e ouço rir soprado, largando meu pau para subir a mão e enroscá-la em meus cabelos, puxando-os com pressão, fazendo-me ainda gemer com a sensação avassaladora do prazer. ㅡ Você foi muito

ㅡ falo suspirando, ainda encostado nele. ㅡ eu quero te fazer gozar

sei que quer. ㅡ Hyun-Suk diz e larga meus fios, fazendo suspirar em protesto e assim voltar a apenas relaxar em seu colo. ㅡ

já? ㅡ faço bico. ㅡ eu quero ver

vimos o que tinha para ser visto, meu bem. Seja um bom garoto e venha comigo, quero te levar

sorrio, erguendo meu pescoço para que ele volte a prender a guia e me ergo junto de