Bela Flor - Romance gay Capítulo trinta e cinco

sprite

POV: Hyun-suk

Não conseguia entender o que havia acontecido com Jaejun, mas ainda o tinha preso em mim e ouvia seus fungados, o que de certa forma, me atordoava.

ㅡ Pode me contar o que aconteceu? Porque estava chorando quando cheguei?

Ele nega, me abraçando um pouco mais pela cintura, enquanto esconde o rosto entre meu pescoço e ombro.

ㅡ Não quero.

ㅡ Por favor... porque você fez aquela pergunta? Alguém te falou algo?

Jaejun nega outra vez, desta vez, erguendo o rosto, antes de erguer o corpo e respirar fundo, olhando para o céu.

ㅡ Só não quero que minta para mim.

Também me ergo, me aproximando de seu corpo.

ㅡ Eu nunca menti para você.

Seus olhos vêm até os meus.

ㅡ Eu sei, mas não quero que minta. Se o que você queria era... o meu corpo, agora já teve. Não quero que me engane se só o que quiser for isso...

ㅡ Claro que não, amor. ㅡ me aproximo mais, puxando seu corpo para parar a frente do meu. Jaejun encosta no parapeito e sinto suas mãos rodearem minha cintura. ㅡ eu amo você. ㅡ digo outra vez, olhando em seus olhos. ㅡ poderia sim, te enganar, eu era esse tipo de pessoa no passado, mas com você é tudo completamente diferente e eu gosto. Você me mudou, me desconfigurou e configurou, e agora tudo o que eu quero está bem aqui comigo.

Seu pequeno sorriso não é de timidez ou sequer prazer ao ouvir minhas palavras. Conhecendo bem o meu Jaejun, ele ainda não está convicto do que eu falo.

ㅡ Isso foi por causa da viagem encurtada? ㅡ pergunto, preocupado, tentando achar o porquê de toda a sua insegurança aos meus sentimentos.

ㅡ Não, eu não me importo mais com isso.

ㅡ Ficou chateado, não é?

ㅡ Um pouco. ㅡ ele suspira e outra vez repousa o rosto sobre meu ombro, passeando o nariz pela minha pele.

ㅡ Então vamos à Europa. Posso tirar uma semana de férias, prometo que vou ser todo seu.

ㅡ Sem trabalho nenhum? ㅡ Jaejun pergunta, aliviando meu coração por perceber seu tom baixo de riso.

ㅡ Sem trabalho nenhum. Prometo.

Ele suspira outra vez, afastando-se para erguer os olhos e me encarar desse modo.

ㅡ Não tenho passaporte, Hyun.

ㅡ Esse não é um problema real. Podemos tirá-lo.

ㅡ Eu posso pensar. ㅡ ele sorri outra vez, e admito que, vê-lo assim é quase tranquilizador. Se dependesse apenas de mim, Jaejun sempre estaria sorrindo. ㅡ você quer ir deitar?

ㅡ Não quer ficar mais um pouco aqui?

ㅡ Está frio.

Assinto, o beijando brevemente antes de me afastar por completo de seu corpo e o puxar para dentro.

O apartamento está numa temperatura agradável, mas quando vejo Jaejun ir até à cozinha, ainda com seu nariz reluzindo e vermelho, aproveito para retirar o terno que uso e principalmente a gravata, o que me causa um alívio sem igual.

ㅡ Estive pensando... ㅡ falo, trazendo sua atenção para mim. ㅡ eu poderia trazer algumas coisas minhas para cá, seria tudo bem para você?

ㅡ O que quer trazer? ㅡ Jaejun tem um copo com água na mão, mas seus olhos não desviam dos meus.

ㅡ Tipo... algumas roupas e coisas assim. ㅡ falo, me sentindo sem jeito.

Nunca me senti sem jeito na frente de ninguém, mas Jaejun também tem esse poder sobre mim.

ㅡ Você quer trazer suas coisas? ㅡ ele arregala sutilmente os olhos e se aproxima.

Assinto, sentando no sofá, esperando-o sentar ao meu lado. E quando Jaejun o faz, respiro fundo para que meu coração acelerado, se acalme um pouco mais.

ㅡ Eu só pensei... ㅡ olho-o, vendo-o sorrir mais livre, mordendo o lábio inferior. ㅡ seria tudo bem para você?

ㅡ Sabe o que isso me lembra? ㅡ ele pergunta, nego e o vejo rir baixinho. ㅡ que quando a gente se conheceu, você me chamou para morar com você sem a gente nem se conhecer direito.

ㅡ Admito, estava desesperado para não te perder.

ㅡ Você tinha o total zero noção de comunicação, Hyun. ㅡ ele ri mais, o que me faz ter vergonha de como eu era impulsivo lá atrás. ㅡ mas por mim tudo bem. Se você quiser ter suas coisas aqui, eu iria adorar. Principalmente se você trouxesse algumas roupas a mais, você sempre acabar roubando uma camisa minha quando se vai.

ㅡ Eu não roubo... ㅡ digo, também rindo. ㅡ só é emprestado, prometo que um dia vou devolver todas.

ㅡ Sei...

O puxo para perto outra vez, desta o tendo mais leve. Jaejun se aninha ao meu peito e deita a cabeça sobre meu ombro, enquanto busca minha mão e entrelaça nossos dedos.

ㅡ Hyun, você pode dizer mais uma vez?

ㅡ Dizer o quê?

ㅡ Que me ama. ㅡ o vejo erguer o rosto e rio ao perceber como as maçãs de suas bochechas se tornam rosadas. ㅡ diz que me ama.

ㅡ Eu te amo. ㅡ sussurro, vendo-o sorrir de modo que seus dentes de coelhos aparecem e isso faz meu coração derreter. Seus olhos estão tão apertadinhos que bolsinhas se tornam ao redor. ㅡ eu amo você, Jaejun.

Me surpreendo quando o sinto me beijar ainda sorrindo, causando um ósculo bagunçado, mas completamente do nosso jeito. Do jeito que amo.

Puxo Jaejun para meu colo e o envolvo. Não sei bem como ainda funcionamos, mas dessa forma desordeira é como gosto.

Levo minhas mãos para seu rosto e o seguro, encarando a face que tanto me bagunça, mas de um jeito exatamente bem.

ㅡ Eu amo você. ㅡ digo, causando um novo riso nele, fazendo suas bochechas tornarem-se ainda mais carmins.

ㅡ Eu também, Hyun. ㅡ diz, me abraçando, trazendo paz aos nossos corpos. ㅡ também amo você.

[...]

Não sei sequer explicar, mas meu coração parece outro e agora me sinto completamente molenga.

E eu nunca fui molenga!

Mas parece que Jaejun tem um poder absurdo sobre mim.

Não consigo decifrar ao certo, mas ligar no meio da noite para desejar-lhe boa noite e me sentir eufórico ao poder enfim dormir ao seu lado mesmo que sem intenção sexual, é muito bom.

Mas quando preciso voltar a realidade em que sou o chefe e preciso estar presente para certas decisões, me sinto vazio instantaneamente por não poder ficar mais tempo deitado ao seu lado, sendo apertado por seus braços enquanto sou coberto pela conchinha que ele me faz.

Mas preciso ir, e por tanto faço o pedido de café da manhã para que Jaejun não se preocupe com esse tipo de coisa ao acordar e sorrio ao escrever um bilhete para si, deixando ao lado do móvel de cabeceira antes de me despedir de si um beijo apaixonado e lotado de saudade.

Quando chego a empresa, caminho concentrado entre as diversas pessoas que trabalham para mim; algumas desviam o olhar como se se assustassem com minha presença ou se sentissem intimidadas. Outras apenas ficam mais quietas e em silêncio, talvez a maioria seja assim, mas apenas continuo, vendo Jun-Ho já com seu ipad caminhando depressa bem a minha frente, dedilhando-o enquanto intercala o olhar comigo.

ㅡ Bom dia, chefe Park.

ㅡ Bom dia, Jun-Ho. Algo bom para hoje?

ㅡ Creio que sim, senhor. Os acionistas já chegaram para a reunião das nove.

ㅡ Que horas é agora?

Jun-Ho se atrapalha todo, ainda caminhando comigo em direção a minha sala, mas olha o relógio em seu pulso.

ㅡ Nove e dezenove, senhor.

ㅡ Deixe que me esperem um pouco mais. Aqueles infames precisam entender que ainda sou dono de oitenta e cinco por cento das ações da empresa e que eu sou o chefe. Ouvi sobre quererem fechar a nova filial, mas não quero que isso aconteça, ainda vejo potencial nela.

ㅡ Creio que não irão mais querer isso, senhor. Ouvi que estão contentes, a nova filial tem recebido bastantes pedidos contratuais, além do mais, as ações da construtora Park aumentaram cerca de vinte e oito por cento nos últimos sete meses, o senhor tem ido bem.

Arqueio a sobrancelha, mas desvio meus olhos de Jun-Ho para seu Ipad. Ele me mostra os gráficos, o que realmente parece interessante.

Sorrio, olhando-o.

ㅡ Então parece que começamos bem o dia, não é?

ㅡ Muito bem, senhor. ㅡ ele também sorri.

Assinto, adentrando minha sala, ainda sendo seguido por Jun-Ho. Vejo-o buscar algumas folhas de papel e organizá-las melhor sobre minha mesa. Ele também abre as janelas quando me sento sobre a cadeira e me entrega o café que havia preparado.

ㅡ Está com um cubo de açúcar como o senhor gosta, chefe Park.

ㅡ Obrigado, mas não era preciso preparar o café. ㅡ digo olhando-o, mas vejo-o dar de ombros.

ㅡ Só quero que tenha um bom dia.

Experimento o café quentinho e suspiro, sentindo a sensação de começo de dia somente no segundo em que o líquido desceu pela minha garganta.

ㅡ Preciso que você reserve uma mesa no Kim's no fim de semana para mim.

ㅡ Certo, para quantas pessoas? ㅡ pergunta, já anotando.

ㅡ Duas, irei com meu namorado. ㅡ sorrio como um tolo, mas desfaço o sorriso quando também vejo Jun-Ho sorrir.

ㅡ Se me permite dizer, chefe Park, ele é muito bonito.

ㅡ Ele é, não é? ㅡ suspiro, buscando o café para beber um pouco mais, pois não quero que Jun-Ho me veja sorrir como um bobo outra vez.

ㅡ É sim, e o senhor parece muito feliz, então presumo que ele também tem a ver com isso. Fico feliz por vocês, chefe Park.

ㅡ Muito obrigado.

ㅡ O senhor precisa de algo mais?

ㅡ Sim, também desmarque tudo o que tenho para tarde. Precisarei ir a um lugar e quero que você venha comigo.

ㅡ Eu? ㅡ ele indaga ligeiro, tocando o centro do peito, surpreso. ㅡ tem certeza?

Sim. Às três da tarde esteja pronto, tudo bem?

ㅡ Tudo bem. O senhor irá almoçar aqui?

ㅡ Ah, sim. Mande meu almoço para à sala há uma, combinado?

ㅡ Certo.

ㅡ Agora pode ir. Muito obrigado pelo seu desempenho, Jun-Ho.

Ele sorriu completamente animado.

ㅡ Obrigado.

Vejo Jun-Ho ir, e suspiro quando me volto para uma das janelas abertas e aprecio a paisagem de Seul de cima. Olho em meu relógio, faltam poucos minutos para que dê nove e meia, então relaxo.

Os acionistas podem esperar um pouco mais, pois afinal, eu sou o chefe.

[...]

Após a reunião, fiquei feliz quando antes do almoço, recebi a visita do meu melhor amigo na empresa.

também estava usando um de seus ternos caros e carregava sua pasta de processos, então eu sabia que ele possivelmente só havia ido até mim porque talvez eu estivesse no meio de sua rota de retorno.

que você estava fazendo? ㅡ perguntei, após avisar a Jun-Ho para fazer o pedido do almoço para duas pessoas.

ㅡ Acabei de vir de uma reunião. Acredita que a minha cliente conseguiu a proeza de ferrar com tudo?

O que ela fez? ㅡ pergunto rindo.

Eu estava perto de chegar a um acordo com o ex-marido dela, ele iria pagar a pensão de quatrocentos mil ao mês para aquela ingrata, mas ela descobriu que ele já estava com outra que por acaso é doze anos mais jovem que ela, e simplesmente surtou e arranhou o Bentley Bacalar dele.

ㅡ Caralho, não brinca!

Falo sério. ㅡ Hajun parece mesmo irritado. ㅡ isso custou um corte de trezentos mil na pensão durante um ano. Mas ela conseguiu ficar com sete das doze casas que adquiriram juntos, além de manter a posição de acionista com trinta e cinco por cento na empresa dele.

ㅡ E você, recebeu por isso?

ㅡ Claro. Não fui idiota, ela me pagou todos os honorários e também as taxas. Um lucro de cerca de trezentos mil dólares. Acho que vou viajar com Taeshin e JiHo.

Ri, assentindo.

estou pensando em viajar com Jaejun.

ㅡ Mas vocês não viajaram?

Mas acabei estragando tudo. Ele diz que não, mas eu sei que ficou muito chateado e que talvez ainda esteja. Precisei trabalhar.

ㅡ Se ele está chateado, é com razão. Você precisa se desconectar um pouco às vezes.

Eu sei disso. E por isso quero fazer uma viagem internacional com ele. Acho que Europa será a escolha, mas ainda não sei qual país.

Porque não o leva até a Alemanha? Ao menos você tem residência em Berlim, podem ficar tranquilos e passar mais tempo.

ㅡ Vou pensar bem, Jaejun pode escolher outro lugar e eu o levarei para onde quiser.

Hajun riu, me fazendo olhá-lo com o

ㅡ O que foi?

Você tá muito ferrado por ele, não é?

Também ri, dando de ombros.

ㅡ Ontem falei que o amava pela

Vi Hajun se atentar ao meu dito e inclinar o rosto.

ㅡ E foi pra valer?

Suspiro, assentindo.

Foi. Eu realmente o amo, Hajun.

Isso é bom. Você descobriu o sentimento que nos deixa como idiotas, mas de um jeito bom. E descobriu sozinho, devo te dar os

ㅡ Vai se ferrar. ㅡ rio, jogando uma das minhas canetas em si.

Ouço duas batidas na porta antes de ver Jun-Ho abri-la.

ㅡ O almoço chegou, chefe Park.

Mande servir. ㅡ pedi, recolhendo algumas folhas de novos projetos que sequer consegui doar parte da

assentiu e dois garotos mais jovens adentraram com as bandejas. Agradeci e vi Hajun fazer o mesmo. Jun-Ho os guiou de volta para fora da sala e nos desejou bom

saber qual restaurante você usa para ser

É um dos restaurantes no qual sou sócio. Consigo boas proezas com o fato que

Por falar em investimentos, como anda o fato de que você quer levar a Park's a

tive uma longa reunião. Os acionistas ainda acham um investimento alto demais termos que mudar a sede da construtora, mas vou fazê-los mudar de ideia. Preciso levar minha empresa a outros países, além do mais, esse prédio está velho, quero outro. Um maior, mais tecnológico, mais aparente com o que ofereço aos

Esse prédio foi inaugurado a quatro

Exato, em quatro anos sabe quantas

nega, mas ele sabe que só descansarei quando realmente conseguir realizar o que quero. Levar minha empresa a um bairro melhor, a um lugar mais visto e que nos leve a um patamar ainda mais alto é o

E sobre aquilo que te pedi, conseguiu descobrir algo? ㅡ pergunto, cortando meu bife enquanto encaro

muita coisa, é difícil quando não se tem o nome de uma

Bufo.

eu te dei o nome da mãe dele, não

não encontrei nada. O melhor seria o nome

quero perguntar a Jaejun qual o nome dos seus pais falecidos. Sei como o assunto o deixa, além de que ele iria perguntar o porquê do meu

ㅡ Então, porque não esquece isso?

quero entender o que realmente aconteceu. Não entendo o porquê dos pais dele terem cometido suicídio da forma em como fizeram... ele tem marcas muito doloridas por causa disso, ele

ㅡ Ele não deveria.

Eu sei disso, e estou feliz que ele tenha realmente começado a pensar em buscar ajuda. Ele irá a um psicólogo em breve e talvez precise de terapia, quero apoiá-lo e deixá-lo confortável, por isso não

bom que ele tenha o acompanhamento e tratamento necessário. Saiba que, se ocorrer dele precisar de mais dias, não vou me opor à liberação. Eu e você somos amigos e acaba que também gosto daquele garoto, quero vê-lo bem acima

agradecido para Hajun. Continuamos almoçando juntos e conversando um pouco mais, mas horas depois estávamos caminhando por um bairro de lojas de marcas importantes. Sentia que Hajun estava à vontade ao meu lado, mas Jun-Ho parecia um pouco

às vezes que eu o olhava, o via sorrir

Para onde estamos indo? ㅡ ouvi a pergunta de

A uma joalheria. ㅡ digo simples, analisando uma

ㅡ Sério? Porquê?

Quero comprar algo para Jaejun, algo que o faça sorrir e esquecer que estraguei a nossa primeira viagem de

Tenho certeza que se você comprasse um buquê de flores o garoto já te desculpava, vocês são gays um

assinto, Hajun tem razão, nós

quero dar-lhe algo caro, algo que esteja ao

ㅡ E porque Jun-Ho está aqui?

outra vez para meu secretário e o vejo desta vez com os

você é bom em escolher coisas caras, mas não é tão delicado. Confio em Jun-Ho para nos auxiliar nessa

senhor confia em mim? ㅡ ouço Jun-Ho perguntar sem jeito e assinto, sorrindo

ㅡ É claro.

a fachada da loja onde estou acostumado a comprar e adentro junto aos meus companheiros. Logo fomos recepcionados

de algo especial para

Algo feminino? ㅡ a vendedora sorri, ansiosa por minha

meu namorado pode gostar de coisas delicadas, então não se preocupe com gêneros ou valores, só me traga o melhor, tudo

assente ainda sorrindo e pede licença. Sento-me numa das poltronas e peço para Jun-Ho sentar ao meu lado, enquanto vejo Hajun com ambas as mãos nos bolsos do terno que veste, concentrado nos relógios

em levar algo? ㅡ pergunto a

Talvez um relógio novo, não

Porque não compra algo para os