Bela Flor - Romance gay Capítulo trinta e oito

sprite

POV: Hyun-Suk

Os corredores carmins da Scandal faziam meu corpo esquentar ainda mais. Jaejun andava bem a minha frente e observá-lo de onde eu estava era enlouquecedor.

Meu Jeon caminhava como um gato, quieto e silencioso, mas seu corpo parecia dançar a cada passo, e marcado pelo harness branco que o apertava, sentia o meu próprio corpo reagir.

Jaejun parou quando chegamos ao meu escritório. Abri a porta, puxando-o pela cintura para adentrar ali comigo e sorri ao ouvir o ofegar baixo que ele deixou escapar ao sentir meu singelo toque.

ㅡ Fique de pé ao lado da cama. ㅡ mandei.

Jaejun foi até lá, controlando o sorrisinho que queria dar ao me encarar. Suas mãos se uniram à frente do corpo, esperando por mais uma ordem minha. Me aproximei do armário de cordas, observando algumas que poderia usar nas argolas do teto, mas o olhei sobre o ombro e sorri ao vê-lo com os olhos redondos e atentos, então decidi buscar um par de algemas que ainda não havíamos usado.

Queria usar as cordas, mas ainda acho que Jaejun não está pronto porque sei que o intuito de estarmos hoje aqui não é apenas para praticarmos. Conseguindo lê-lo, sei que ele quer tanto quanto eu que façamos sexo aqui pela primeira vez.

Caminho até ele, deixando as algemas sobre a cama e desafivelo meu cinto, jogando-o no canto. Os olhos de Jaejun repousam sobre a peça e o modo em como ele respira fundo ao encará-la me faz pensar em algumas coisas.

Afrouxo a gravata que uso e paro a sua frente.

ㅡ Retire a roupa. Quero que fique apenas com o Harness.

Jaejun pisca nervoso, antes de abaixar o olhar e sorri pequeno, começando a abrir o harness para retirar as peças.

Seguro-o com força, puxando pelo harness de couro e ouço seu ofegar. O viro, colando-o a mim e sorrio, tocando uma das fivelas da parte traseira para folgá-la, o que faz todo o harness soltar.

A peça cai sobre as pernas de Jaejun. Ele a tira, colocando-a ao lado das algemas e começa a tirar as roupas.

Admito que admirá-lo é o que mais gosto de fazer. Vê-lo tão obediente a mim, faz meu lado dominador querer controlá-lo ainda mais.

Vejo-o retirar tudo, ficando apenas de cueca. Seus olhos vêm até mim, e enquanto retiro a gravata para jogá-la no chão e abrir os botões de minha camisa, nego enquanto sorrio.

ㅡ Retire tudo, meu bem.

ㅡ S-Sim senhor.

Jaejun toca o tecido. Consigo perceber como ele está nervoso e ansioso, mas como também está excitado.

Ao abaixar o tecido com calma, seu pau erguido me traz um leve arrepio ao vê-lo saltar devagar dali.

Jaejun recolhe o tecido, deixando-o sobre as outras peças que ele mesmo dobrou e colocou sobre um dos móveis do escritório.

Passeio a língua quando o aprecio completamente nu para mim e me aproximo, tocando primeiramente seu quadril antes de erguer os dedos e pará-los sobre seu queixo, erguendo-o para que me encarasse.

ㅡ Vista o harness.

Jaejun suspira, deixando o olhar leve ao encarar minha boca e umedecer os próprios lábios.

Afasto-me sabendo o que ele quer. Seu olhar implora por toques. Ele quer que eu o beije, quer minhas mãos em si e quer ser controlado com elas. Mas quero atiçá-lo, testá-lo ao limite, por isso somente continuo lhe observando recolocar a peça e sorrio quando em silêncio ele se vira para que eu me aproxime outra vez e feche a fivela que antes abri.

O faço, puxando com força outra vez e me satisfaço ao ouvir Jaejun gemer baixo ao sentir sua bunda nua tocar sobre minha ereção ainda coberta.

ㅡ O que o senhor fará? ㅡ ele pergunta baixo, rouco.

Sorrio de modo ladino ao lhe soltar e o virar. Olhando em seus olhos, disse:

ㅡ Vou te foder.

Jaejun engoliu em seco, assentindo devagar.

Volte a abrir minha camisa, retirando-a por fim e abro a calça, o que faz Jaejun olhar rápido, ansiando para que aquela peça também saia com pressa.

ㅡ Porque você encarou o cinto quando o tirei? ㅡ perguntei. Ele não respondeu, apenas abaixou o olhar. Voltei a tocar seu queixo, forçando-o a me encarar nos olhos. ㅡ quer que eu o use com você?

ㅡ E-Eu não sei, senhor.

ㅡ Quer senti-lo na pele?

Jaejun assente devagar, completamente envergonhado.

Caminho até a peça no chão e a busco. É um cinto de material maleável, de boa qualidade, mas ainda é pesado no toque. Sinto isso quando o bato na minha própria palma e o encaro apertando as coxas.

O corpo pálido de Jaejun está completamente lindo sendo adornado pelo harness branco, mas seus lábios estão vermelhos como seus cabelos, o que contrasta a meu ver e é belo.

ㅡ Me dê sua mão. ㅡ peço erguendo minha palma. Jaejun me entrega a mão, então viro sua palma para cima e bato devagar ali. ㅡ gosta disso?

Ele assente, mas então tento bater um pouco mais forte. Ouço seu suspiro e vejo seu sorriso.

ㅡ Gosta assim?

ㅡ Sim, senhor.

ㅡ Agora vire-se. ㅡ peço.

Jaejun sorri sem jeito outra vez, mas vira-se de costas para mim, mostrando-me sua bunda redonda e branca.

ㅡ Vou te bater aqui, tudo bem?

ㅡ Tudo, senhor.

Deslizo os dedos por sua pele macia e aperto devagar, sentindo a maciez de Jaejun sob minhas digitais. Deslizo a mão pelo couro do cinto, batendo-o devagar sobre minha palma, controlando a força que devo usar naquilo.

Deixo que o primeiro ecoar se espalhe pelo cômodo e mesmo que a música alta da boate ainda consiga chegar num volume mais brando aqui, tudo o que meus ouvidos captam é aquilo e o som do gemido de Jaejun em seguida, empinando devagar a bunda em minha direção.

ㅡ Você gostou?

ㅡ S-Sim, senhor.

ㅡ Quer mais?

Jaejun assentiu, mordendo o lábio inferior quando bati o couro da peça no outro lado de sua bunda. O ouvi gemer e tombar a cabeça para trás, empinando-se outra vez, enquanto eu apreciava o tom vermelho deixado sobre a pele sem cor.

ㅡ Sua pele fica ainda mais linda assim. ㅡ digo, massageando a pele quente e carmim. ㅡ vermelho é uma cor que combina muito com você.

ㅡ Essa é a nossa cor, senhor.

Sorrio, largando o cinto para abraçar sua cintura por trás e erguer a mão livre, infiltrando-a em seus cabelos lisos e carmins. Aperto os dedos ali, fazendo Jaejun fechar os olhos e amolecer ainda mais sobre meu corpo, rendendo-se completamente.

ㅡ De joelhos.

Jaejun respirou pesadamente, mas ergueu a postura e se virou, me encarando nos olhos antes de se abaixar e se pôr sobre os joelhos.

Sorri quando o vi repousar as mãos sobre os joelhos e umedeci meus lábios quando toquei meu caralho coberto pelo tecido e vi toda sua atenção ser presa ali.

ㅡ Quer meu caralho na sua boca?

Jaejun guiou os olhos para os meus e assentiu.

ㅡ Quero muito, senhor.

sua atenção quando apertei meu caralho entre os dedos e mostrou-se ansioso quando abaixei o tecido da minha cueca e lhe dei o que queria, sem sequer retirar o restante das minhas roupas.

Então chupe. Quero que engula meu caralho todinho, meu

Jaejun umedeceu os lábios, se aproximando devagar ainda sobre os joelhos. Suas mãos longas e ossudas se ergueram e me apertaram devagar. Ofeguei baixo, encarando a cena do meu Jeon entreabrindo a boca devagar para deixar o primeiro beijo sobre minha glande.

Seus lábios deslizaram como se estivesse deixando um beijo apaixonado. Toquei seus cabelos e gemi baixo ao senti-lo me pôr quase por completo em sua boca, acomodando-me sobre sua língua antes de movê-la e deslizá-la do meio até o início, afundando-a em minha fenda antes de apertar os lábios outra vez e deixar o primeiro som da chupada ecoar também.

gemeu baixo quando me pôs de volta em sua boca, e a vibração que aquilo me trouxe me fez apertar os dedos em seus fios vermelhos e fechar os olhos, aproveitando quando ele deixou que o ritmo de sua boca fosse tornando-se

ㅡ Caralho, sua boca é tão gostosa. ㅡ falei baixo, vendo-o me segurar pela base enquanto abria a boca e brincava com a língua, me chupando em seguida para outro ecoar alto tomasse conta do lugar. ㅡ já chega, assim eu

ㅡ Só mais um pouco, senhor. ㅡ ele pediu, guiando os olhinhos pidões para mim. ㅡ me deixa te mamar mais um pouquinho.

Mordi o lábio inferior com força e esvaziei meus pulmões quando retirei sua mão do meu caralho e o busquei pela base. Jaejun sorriu pequeno outra vez, seus cabelos ainda estavam presos em minhas mãos, então eu ainda tinha o controle de sua cabeça.

mamar mais? ㅡ ele assentiu, entreabrindo a boca enquanto me mostrava a ponta da língua. ㅡ você é um submisso gostoso do caralho, sabia? Tão gostoso e obediente...

Jaejun sorriu, sentindo-me encaixar meu pau em sua boca que abria um pouco mais a

Enfiei devagar, tocando sua garganta enquanto o via com os olhos cheios de lágrimas. Puxei meu caralho, sorrindo quando ele tossiu devagar e um filete de saliva escorreu por seu queixo.

Ainda com o pau na mão, brinquei entre seus lábios, rodeando por ali antes de adentrar outra vez e suspirar ao senti-lo apertar os lábios, fazendo tudo ficar ainda mais gostoso.

que deixe meu caralho molhado o suficiente pra enfiá-lo

Jaejun assentiu, perdido no que sentia que sequer ouvi o típico "sim, senhor" trêmulo que ele sempre me dava ao se sentir excitado.

meus olhos quando o senti voltar a me chupar e tombei a cabeça para trás, deixando que ambas as minhas mãos se encaixassem em seus cabelos enquanto meu quadril também se impulsionava para frente, fodendo sua boca, fazendo com que a cada mamada, a garganta de Jaejun sentisse a cabeça do meu pau roçar em si.

Ele gemia, se engasgava, mas não parava. Meu Jeon parecia gostar mesmo de fazer aquilo, e ele se tornava melhor a cada vez.

Puxei seus cabelos, fazendo-o largar meu cacete outra vez e sorri, inclinando minha cabeça quando ele se afastou e um fino fio de salina ainda ficou ligado a seu lábio e ao meu caralho.

Jaejun piscou os olhos, fazendo lágrimas escorrerem pelas laterais, mas sorriu. Aproximei-me, parando a poucos centímetros de distância de seu rosto e, ainda prendendo seus cabelos, ditei:

Quero te ouvir falar que somente vai chupar o meu caralho assim com tanto almejo. Que nenhum outro homem irá te ter, que será para sempre apenas meu, que só o meu cacete vai te preencher gostoso e te fazer gemer. Que apenas me amará.

ㅡ Somente irei te amar, senhor. Nenhum outro homem jamais me fará sentir coisas como você faz. Nenhum outro dominador terá a minha submissão. Só o seu caralho me faz ter desejo de mamá-lo até sentir o seu gosto explodir dentro da minha boca. É só ele que desejo ter dentro de mim.

Sorri, puxando-o para ficar de pé e não resisti quanto a beijar sua boca com pressa, sentindo-o tocar minha cintura ainda inseguro, mas apertando-a quando grunhi e mordi seu lábio inferior.

Me afastei de Jaejun, notando como ele estava completamente bagunçado e excitado

Toquei meu caralho, massageando-o enquanto mantinha o olhar, mas parei quando me afastei, indo até a cama para buscar as algemas.

ㅡ Vou prender suas mãos nas suas coxas, ok?

Jaejun observou a peça, notando como era diferente da anterior que já havíamos usado e assentiu.

Abaixei-me à sua frente, tentando não me perder em seu pau tão delicioso à minha frente, pulsando em desejo. O harness também se encaixava nas coxas dele, então tomei cuidado para não machucá-lo demais quando apertei a fivela da algema sobre a pele abaixo de onde a peça estava. Deixei que a corrente junto ao outro lado da algema caísse e busquei a segunda. As pernas de Jaejun ficavam lindas quando apertadas da forma em como o couro das algemas apertava.

Me ergui, encarando-o nos olhos.

ㅡ Fique de quatro na cama.

Adorava como os olhos de Jaejun sempre eram expressivos demais. Ele os arregalou por breves segundos e após piscar desconcertado algumas vezes, assentiu e, sem jeito, caminhou até a cama.

Sentia meu corpo bagunçado por completo por ele, mas admito que a imagem de Jaejun de quatro sobre a cama de lençóis escuros, completamente exposto enquanto veste apenas um harness que prende parcialmente todo o seu corpo é enlouquecedor.

do móvel ao lado da cama e busco um preservativo e lubrificante para deixar ao lado de seu corpo. Também busco o cinto de couro, deixando-o ao lado de sua mão, o que o faz aprumar ainda mais o corpo e

a cama, parando atrás de

o tronco, meu bem. ㅡ peço, vendo-o fazer aquilo de forma lenta, se expondo ainda mais para mim. ㅡ me dê

ergue primeiramente a esquerda. A busco, levando-a para trás e encaixo o pulso na algema, fechando-a com firmeza ao lado de sua

vem e isso o faz gemer baixo quando abro ainda mais suas pernas coxas, deixando-o mais aberto

tronco de Jaejun está parcialmente deitado, mas ele mantém os joelhos erguidos, o que faz seu quadril ainda empinar sua bunda no

lubrificante, mas o vejo pulsar. Aquilo me traz lembranças tão gostosas que abandono o lubrificante e me aproximo, segurando cada banda da bunda de Jaejun com

meu indicador até a boca e o chupo, deixando-o molhado para em seguida deslizar sobre sua

Jaejun pulsa sobre minha digital.

circulando o dedo ao ouvi-lo gemer baixo outra vez. Sei que ele quer que eu lhe adentre, que lhe foda, mas quero mesmo fazê-lo ir ao limite, quero atiçá-lo e quero ouvi-lo implorar para que eu o foda, por tanto, decido apenas brincar por agora. Desço meu rosto, deixando beijos singelos pela pele de sua bunda, mas rastejo minha língua até sua entrada que pulsa outra vez, e como o beijo apaixonado que Jaejun deixou em meu caralho, eu o beijo ali, o que causa um suspirar pesado sobre ele, causando um arrepio bom

com minha língua, beijo e lambuzo Jaejun enquanto o sinto tremer de leve e vacilar quando geme pedindo para eu continue com

observando e posiciono meu polegar em sua entrada enquanto meus dedos brincam com seus

suspira, suas pernas caem, mas ele se força a continuar com o quadril erguido. Adentro-o devagar, vendo como suas mãos apertam os lençóis e aperto devagar suas bolas, massageando-as enquanto empurro mais do meu

ㅡ S-Senhor...

outra vez, mas desta vez brinco com sua entrada e desço com minha língua, chupando-o sobre o períneo antes de acomodar suas bolas em minha boca, chupando uma de cada vez enquanto desço minha destra e o masturbo num

ㅡ H-Hyun, eu não vou aguentar...

de afasto-me, vendo como minha saliva pinga em si. Rastejo minha língua de volta, molhando-o e retiro meu dedo, afundando minha língua enquanto Jaejun aperta ainda mais os lençóis e

me erguer, vejo-o com os olhos fechados e completamente

lubrificante e despejo sobre sua entrada que contrai ao sentir o líquido gelado. Jaejun abre os olhos e como se estivesse embevecido, ergue-se para mim. Mordo meu lábio quando busco meu caralho pela base e o

é de meter com força e gozar o mais fundo que puder para em seguida apreciar minha porra escorrer com graça. Mas sou movido pela razão e busco o preservativo. Jaejun me observa abri-lo e encaixar sobre meu cacete e quando enfim termino, seguro pela argola que há em seu harness e encaixo meus dedos ali para puxá-lo para mais

surpreso, mas sorri quando meu caralho passeia pelo lubrificante em si, lambuzando-se junto a ele antes de se

atento a como ele irá reagir. Vejo-o apertar os olhos, mas passeio ainda mão livre por sua cintura e o vejo suspirar baixo. Minha glande o invade e ouço-o gemer um pouco mais

meu caralho escorrega para dentro de Jaejun. Ele pulsa quando me coloco completamente nele. Meu Jeon está sensível e como ainda não está acostumado com o sexo assim, espero até que ele se abaixe um pouco mais a vontade e me permita lhe foder

si de modo arrastado e me controlo quando sinto o desejo de estocar com força. Volto a lhe adentrar na mesma velocidade, sentindo-me maltratado por meus próprios desejos e pelos sons que Jaejun deixa escapar. Mantenho o ritmo e percebo como os sons de Jaejun começam a oscilar entre suspiros e sussurros, demonstrando como ele está ainda

ter feito-o gozar durante a apresentação de prática de Hajun no quarto de vidro tenha o feito relaxar mais, mas vê-lo tão entregue e disposto a me deixar fodê-lo, lhe enchendo de prazer, me faz sentir que eu também não vou aguentar por

meus dedos, fechando meus olhos quando gemo arrastado e o ouço chamar por "meu senhor" enquanto também empurra

erguendo-o e causo-lhe surpresa quando abraço sua cintura e passeio meu nariz por sua nuca, enquanto ainda meto e até me atrevo a aumentar a velocidade que

Jaejun sei o quanto ele iria estar me tocando agora, mas suas pernas continuam abertas e seus pulsos estão limitados, enquanto isso o faz empurrar ainda mais o quadril e até rebolar sobre meu caralho, enquanto me olha sobre o ombro e me dar aquele olhar de quem quer

vou te foder até no teto hoje. ㅡ digo sorrindo, apertando sua cintura, causando o som alto de nossas intimidades se