O Trigêmeos do Magnata romance Capítulo 400

Depois de desligar o telefone, Nigel tinha uma expressão séria.

— O que você quer dizer? Isso não deveria ter acontecido! Ele voltou atrás em suas palavras, e eu quero que ele me dê uma explicação! —

Bianca discordou ainda mais.

— É óbvio que Anne foi quem seduziu Anthony. É culpa dela! —

— De quem é a culpa, descobriremos mais tarde. — Disse Nigel.

— Então você fica aqui, e eu vou embora. — Bianca se virou e estava prestes a sair.

Nigel puxou seu braço.

— Fique aqui. —

— Pai! —

Bianca não desejava confrontar Anthony. Afinal, ela ainda temia sua presença. Anthony era um homem poderoso e imprevisível, e Bianca sentia-se impotente diante dele, porque sabia que não podia controlá-lo.

— Vocês duas são minhas prioridades, e eu valorizo ambas igualmente. Se desejam resolver essa situação, vamos discutir sobre isso em detalhes — disse Nigel, olhando para Anne, que permanecia em silêncio. Em seguida, ele acrescentou: — Anne, por favor, vá trocar de roupa. —

Anne abaixou a cabeça e foi para o quarto, fechando a porta atrás de si. Bianca, por sua vez, começou a chorar na frente de Nigel, demonstrando sua angústia emocional.

— Não adianta, Bianca. Eu darei as ordens por aqui. — Disse Nigel.

Bianca lutou para conter sua raiva fervente. Até a ideia de humilhar Anne parecia insuficiente diante da intensidade de suas emoções. Ela considerava que seria mais prático e satisfatório dar um tapa no rosto da mulher, assim que descobriu as roupas de Anthony no apartamento. Sentindo-se como a vítima da situação, Bianca acreditava que, sendo a mais vulnerável, Anthony deveria ter ainda mais pena dela, mas temia que isso não acontecesse.

Anne ficou paralisada em frente ao armário, tentando colocar as ideias no lugar. Seu rosto empalideceu à medida que a realidade se impunha. Quando Nigel e Bianca surgiram diante dela, sentiu como se tivesse levado um tapa forte no rosto. Agora, uma sensação de calor abrasador a envolvia, deixando-a extremamente envergonhada. Ela se perguntava como Anthony reagiria quando confrontado com a situação.

Acuada, tinha plena consciência de que provavelmente seria responsabilizada por todos os erros e pecados cometidos. Afinal, foi ela quem deu o primeiro passo ao se envolver com Anthony. A moça sentia que havia quebrado seus próprios princípios. Aceitando sua situação atual, Anne pegou suas roupas limpas na prateleira e começou a se vestir.

Àquela altura, além de tudo, a mulher sentia uma preocupação genuína em relação a Nigel e não desejava que o homem a enxergasse com desprezo, como se ela fosse a imoral da história.

— Bianca? — A voz de Nigel veio de fora.

Quando Anne saiu da sala, deparou-se com Nigel auxiliando Bianca a sentar-se no sofá, enquanto a mulher parecia prestes a desmaiar e lágrimas escorriam por seu rosto. Ao virar-se para aquela que estava de pé, o homem intensificou a sensação de vergonha que a moça sentia.

— Bianca, tudo bem? — Ele perguntou outra vez.

Bianca soluçou:

— Por que me fazer passar por tudo isso? Eu devo algo a ela por crimes da minha vida passada, ou algo assim? O que eu fiz de errado? —

Com um semblante solene e monótono, Nigel demonstrava claramente sua profunda preocupação em relação à situação. Enquanto isso, Bianca, com um olhar malicioso, ergueu seus olhos e apontou o dedo acusadoramente para Anne, proferindo palavras carregadas de rancor.

— Eu farei com que você pague pelo que fez hoje! Vou fazer você comer na minha mão e pedir desculpas a mim! Além disso, você vai jurar nunca mais seduzir Anthony! —

— Eu não o seduzi. — Anne, por fim, refutou suas palavras.

Anne começou a refletir sobre o significado de sedução e se questionou sobre sua definição. Para ela, seduzir consistia em tentar persuadir um homem a realizar algo imoral. No entanto, Anne jamais se envolveu nesse tipo de comportamento. Ela se sentia coagida e forçada por Anthony ao longo desse tempo. Era uma batalha impossível, resistir às chantagens dele. Contudo, a dor que ela vivenciava permanecia oculta aos olhos de todos. Ao invés de compreender sua situação, as pessoas a enxergavam como uma amante cruel. Depois do que aconteceu hoje, Nigel jamais a veria da mesma forma novamente.

— Como ousa dizer que não o seduziu? — Bianca se levantou, seu corpo tremendo de raiva. Apontando para as roupas no sofá e as roupas na varanda, ela questionou: — O que são essas roupas, então? Você está tentando me dizer que as roubou? E o que dizer dos vestígios em seu corpo? Não foi a primeira vez, não é mesmo? Nas vezes anteriores, sempre na véspera! Pai, ela fez isso de propósito, tentando roubar meu noivo. Eu até me questiono se ela não estava buscando vingança contra a mãe! —

Nigel franziu a testa.

— Não fale bobagens. —

— Como isso pode ser bobagem? — Bianca derramou lágrimas. — Se Sarah não tivesse nenhum ressentimento, como ela diria isso na internet? Isso não seria novidade! —

— O que você tem a ver com o que minha mãe diz na internet? — Anne perguntou com calma.

— Ora, sua... — Bianca estava prestes a dizer mais alguma coisa, mas quando a batida na porta veio, ela reagiu. Seu corpo imediatamente ficou fraco. — Minha cabeça... estou tão tonta... —

— Bianca! — Nigel a ajudou a se sentar novamente.

Anne observou a aparência fingida de Bianca e percebeu sua pretensão. Era evidente que ela estava tentando se fazer de vítima para conquistar simpatia, especialmente aos olhos de Anthony. Enquanto se aproximava da porta para abri-la, Anne confirmou que era mesmo o homem quem estava do lado de fora, a mesma pessoa que, de fato, havia saído apenas algumas horas atrás, agora reaparecia, como se revisitasse a cena de um crime.

Comentários

Os comentários dos leitores sobre o romance: O Trigêmeos do Magnata